Influência da temperatura sobre isolados de Rhizoctonia solani (Kühn) obtidos em áreas produtoras de algodão nos estados brasileiros

Authors

  • Amanda Cabral Corrêa de Oliveira Universidade Federal de Lavras
  • Paulo Estevão de Souza Universidade Federal de Lavras
  • Edson Ampélio Pozza Universidade Federal de Lavras
  • Gabriel Avelar Dornelas Universidade Federal de Lavras
  • Fernando Pereira Monteiro Universidade Federal de Lavras

Abstract

A temperatura é importante para estudos com Rhizoctonia solani por ser um patógeno cosmopolita e polífago. Nas temperaturas adequadas o patógeno pode ser favorecido, o qual obtém sucesso no processo doença. Já em temperaturas inadequadas, o seu crescimento e desenvolvimento pode ser retardado. O objetivo foi avaliar a influência da temperatura no crescimento micelial, na produção de escleródios e na patogenicidade de isolados de R. solani. Obtiveram-se 18 isolados de plântulas de algodão, oriundos dos estados de Minas Gerais (8), Bahia (3), Goiás(2), Mato Grosso (4) e Mato Grosso do Sul (1), que foram testados nas temperaturas de 15°C, 18°C, 21°C, 24°C, 27°C e 30°C. Para o crescimento micelial, os isolados foram dispostos em placas de Petri (9 cm de diâmetro), contendo meio batata-dextrose-ágar. As placas foram acondicionadas em câmaras de germinação com fotoperíodo de 12 horas. Realizaram-se medições ortogonais do diâmetro da colônia, diariamente, por 8 dias e quantificou-se o índice de crescimento micelial (ICM). As placas foram mantidas por três meses nas respectivas câmaras de crescimento para análise da produção de escleródios. Para a determinação de patogenicidade e a avaliação da severidade da doença, seguiu-se o método descrito por Oliveira et al. (2008). Os dados obtidos foram submetidos à analise de variância. Houve interação significativa entre isolados e temperaturas. Quanto aos oito isolados de Minas Gerais, um apresentou maior ICM a 24ºC e três a 27°C, observando-se relação com o modelo quadrático. Três isolados apresentaram melhor ajuste ao modelo linear e um não diferiu estatisticamente para as temperaturas avaliadas. Os isolados de GO apresentaram maior ICM nas temperaturas de 24°C e 27°C. Para os isolados do MT, dois tiveram ajuste ao modelo linear, enquanto os outros dois tiveram ao modelo quadrático, nas temperaturas de 21°C e 24°C. Já o isolado do MS foi ajustado ao modelo quadrático a 27°C, enquanto todos os três isolados da BA foram ajustados ao modelo linear. O maior número de escleródios foi observado nas temperaturas de 15°C e 18ºC com exceção do isolado do MS, o qual obteve o maior número a 27ºC. Verificou-se que 14 isolados (6 de MG, 2 da BA, 2 de GO, 3 de MT e 1 de MS) apresentaram maior severidade entre 24°C e 27°C, ajustando-se ao modelo quadrático, enquanto três isolados (2 de MG e 1 de MT) não diferiram significativamente para as temperaturas avaliadas e apenas um isolado (BA 2 - I01) ajustou-se ao modelo linear.

Downloads

Download data is not yet available.

Published

2014-06-10

How to Cite

OLIVEIRA, A.C.C. de, SOUZA, P.E. de, POZZA, E.A., DORNELAS, G.A. and MONTEIRO, F.P., 2014. Influência da temperatura sobre isolados de Rhizoctonia solani (Kühn) obtidos em áreas produtoras de algodão nos estados brasileiros . Bioscience Journal [online], vol. 30, pp. 119–130. [Accessed9 December 2022]. Available from: https://seer.ufu.br/index.php/biosciencejournal/article/view/15166.

Issue

Section

Agricultural Sciences