O bandeirante da tela: cenas políticas do adhemarismo em São Paulo (1947-1956)

Autores

  • Rodrigo Archangelo

Resumo

A democratização da participação política a partir de 1946 caminhou por estratégias que visaram, sobretudo, um maior alcance da mensagem ao eleitorado. Dentre elas, tomamos como exemplo a visualidade das campanhas políticas de Adhemar de Barros em São Paulo, trabalhadas no formato de um veículo inspirado e testado numa experiência ditatorial (então recente) e capaz de "dar vida" ao seu o discurso: o cinejornal. Neste caso, o cinejornal Bandeirante da tela, da Divulgação Cinematográfica Bandeirante. Seu conteúdo propagandístico carrega signos e valores latentes na sociedade em questão. E nos possibilita investir na releitura de um momento político ainda pouco visitado pelo viés da História Cultural da Política.

PALAVRAS-CHAVE: política; cinejornal; história do cinema brasileiro.

ABSTRACT Since 1946 the democratization of political participation has aimed reaching the electors in a wider way. As an example of this we have studied the visibility of the political campaigns of Adhemar Barros in São Paulo. The media vehicle was inspired and tested in a dictatorial context (that was recent at the time) and it gave life to his speech: the newsreel. In this case it was the newsreel Bandeirante da tela of the Divulgação Cinematográfica Bandeirante. Its propaganda content bears signs and latent values of the society in question. This makes it is possible for us to study and read again a political moment still unknown to the Cultural History of the Politics.

KEYWORDS: cinema; politic; newsreel; history of the Brazilian cinema.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Como Citar

Archangelo, R. (2010). O bandeirante da tela: cenas políticas do adhemarismo em São Paulo (1947-1956). Artcultura, 11(18). Recuperado de https://seer.ufu.br/index.php/artcultura/article/view/7303

Edição

Seção

Dossiê: História & Cinedocumentário