História, literatura e anacronismo a partir do realismo mágico latino-americano

Autores

  • Francine Iegelski

DOI:

https://doi.org/10.14393/artc-v24-n44-2022-66581

Palavras-chave:

anacronismo, histó- ria intelectual, realismo mágico

Resumo

Neste artigo, trato do tema do anacronismo pelos diálogos entre a história e a literatura, especialmente a partir das obras de ficção e de ensaios de escritores associados ao realismo mágico latino-americano, como Alejo Carpentier e Gabriel García Márquez. Exploro, assim, aspectos da tensa e criadora relação entre texto-contexto, debatida pela história intelectual, em dois movimentos fundamentais. No primeiro, abordo o significado da conexão entre a visão da realidade promovida por essa literatura de vanguarda e o realismo de Don Quijote de la Mancha, escrito por Miguel de Cervantes no século XVII. No segundo, proponho uma reflexão sobre a capacidade da ficção de modificar continuamente a nossa concepção sobre o passado, o presente e o futuro. Minha intenção é afirmar que a abordagem histórica ganha ao incorporar, como seu problema de investigação, o caráter desestabilizador da literatura sobre a realidade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Francine Iegelski

Doutora em História Social pela Universidade de São Paulo (USP). Professora dos cursos de graduação e pós-graduação em História da Universidade Federal Fluminense (UFF). Autora, entre outros livros, de Astronomia das constelações humanas: reflexões sobre o pensamento de Claude Lévi-Strauss e a história. São Paulo: Humanitas, 2016. 

Referências

ARAÚJO, Ricardo Benzaquen de. Textos e contextos. In: Zigue-zague: ensaios reunidos (1977-2016). Rio de Janeiro-São Paulo: PUC-Rio/Editora da Unifesp, 2019.

ARRIGUCCI JR., Davi. Entrevista com Davi Arrigucci Jr (com Walter Carlos Costa e Rafael Camorlinga). Fragmentos, n. 27, Florianópolis, jul.-dez. 2004. Disponível em <https://periodicos.ufsc.br/index.php/fragmentos/article/view/7796/7173>. Acesso em 10 jan. 2022.

AUERBACH, Erich. Mimesis. A representação da realidade na literatura ocidental. São Paulo: Perspectiva, 2015.

Aux lecteurs. Revue de synthèse, v. 107, n. 1-2, Paris, 1986.

BELVEDRESI, Rosa E. ¿Es posible la comprensión histórica sin anacronismo? ArtCultura: Revista de História, Cultura e Arte, v. 23, n. 43, Uberlândia, jul.-dez. 2021. Disponível em <https://seer.ufu.br/index.php/artcultura/article/view/64084>. Acesso em 15 jan. 2022.

BENJAMIN, Walter. Origem do drama barroco alemão. São Paulo: Brasiliense, 1984.

BORGES, Jorge Luis. Pierre Menard, autor del Quijote. (In: Ficciones). In: Obras completas 1 (1923-1949). Buenos Aires: Sudamericana, 2011.

BORGES, Jorge Luis. Kakfa y sus precursores (“Otras inquisiciones”). In: Obras completas 2 (1952-1972). Buenos Aires: Sudamericana, 2011.

BOURDIEU, Pierre. Les conditions sociales de la circulation internationale des idées. Actes de la recherche en sciences sociales, v. 145, Paris, 2002.

CANDIDO, Antonio. O discurso e a cidade. São Paulo: Duas Cidades, 1993.

CARPENTIER, Alejo. Lo barroco y lo real maravilloso. In: Tientos, diferencias y otros ensayos. Barcelona: Plaza & Janes, 1987.

CARPENTIER, Alejo. El reino de este mundo. Madrid: Alianza Editorial, 2011.

CORTÁZAR, Julio. Alguns aspectos do conto. In: ARRIGUCCI JR., Davi e CAMPOS, Haroldo de (orgs). Valise de cronópio. São Paulo: Perspectiva, 1974.

COSTA, Adriane Vidal. Intelectuais, política e literatura na América Latina: o debate sobre revolução e socialismo em Cortázar, García Márquez e Vargas Llosa (1958-2005). Tese (Doutorado em História) – UFMG, Belo Horizonte, 2009.

DIDI-HUBERMAN, Georges. Diante do tempo: História da arte e anacronismo das imagens. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2015.

EDWARDS, Jorge. La aventura del idioma (Discurso de recepción del Premio Cervantes 1999). In: El Quijote en Chile. Santiago de Chile: Aguilar, 2005.

ELÍAS CARO, Jorge Enrique. La masacre obrera de 1928 en la zona bananera del Magdalena-Colombia: una historia inconclusa. Andes, v. 22, n. 1, Salta, jun. 2011. Disponível em <https://www.redalyc.org/pdf/127/12719967004.pdf>. Acesso em 15 fev. 2022.

FEBVRE, Lucien. Le problème de l’incroyance au XVIe siècle: la religion de Rabelais. Paris: Albin Michel, 1947.

FELLIPE, Eduardo Ferraz. A resignação de Sísifo: tradição, cultura política e história na obra do moderno vetusto Alejo Carpentier (1928-1980). Tese (Doutorado em História Social) – USP, São Paulo, 2013.

FLORES, Ángel. Magical realism in Spanish American Fiction. Hispania, v. 38, n. 2, Madrid, mayo 1955.

FOUCAULT, Michel. As palavras e as coisas: uma arqueologia das ciências humanas. São Paulo: Martins Fontes, 1999.

FUENTES, Carlos. D. Quixote cruza o Atlântico (entrevista). Folha de S. Paulo, 18 jun. 2005. Disponível em <https://www1.folha.uol.com.br/fsp/especial/fj1806200536.htm>. Acesso em 10 dez. 2021.

GARCÍA MÁRQUEZ, Gabriel. Viver para contá-la. Alfragide: Dom Quixote, 2003.

GILMAN, Stephen. Mimesis. La realidad en la literatura (reseña). Nueva revista de Filología Hispánica, v. 6, n. 1, Ciudad de México, 1952.

HARTOG, François. Le miroir d’Hérodote: essai sur la représentation de l’autre. Paris: Gallimard, 2001.

IEGELSKI, Francine. Tempo e memória, literatura e história: alguns apontamentos sobre “Lavoura arcaica”, de Raduan Nassar e “Relato de um certo Oriente”, de Milton Hatoum. Dissertação (Mestrado em Língua, Literatura e Cultura Árabe) – USP, São Paulo, 2006.

IEGELSKI, Francine. História conceitual do realismo mágico: a busca pela modernidade e pelo tempo presente na América Latina. Almanack, n. 27, Guarulhos, 2021. Disponível em <https://periodicos.unifesp.br/index.php/alm/article/view/12029/8472>. Acesso em 10 jan. 2022.

JABLONKA, Ivan. O terceiro continente. ArtCultura: Revista de História, Cultura e Arte, v. 19, n. 35, Uberlândia, jul.-dez. 2017, p. 17. Disponível em <https://seer.ufu.br/index.php/artcultura/article/view/41248>. Acesso em 5 jan. 2022.

JACKSON, Luiz Carlos. A tradição esquecida: “Os parceiros do rio Bonito” e a sociologia de Antonio Candido. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2002.

LACAPRA, Dominick. Repensar la historia intelectual y leer textos. In: PALTÍ, Elias et al. Giro linguístico e historia intelectual. Buenos Aires: Universidad de Quilmes, 1998.

MERLEAU-PONTY, Maurice. De Mauss a Claude Lévi-Strauss. In: MERLEAU-PONTY, Maurice. Os pensadores: textos selecionados. São Paulo: Abril Cultural, 1980.

PINTO, Júlio Pimentel. Uma memória do mundo: ficção, memória e história em Jorge Luis Borges. São Paulo: Estação Liberdade, 1998.

RAMA, Ángel. El boom en perspectiva. In: RAMA, Ángel (ed.). Mas allá del boom: literatura y mercado. Buenos Aires: Folios, 1984.

RANCIÈRE, Jacques. O conceito de anacronismo e a verdade do historiador. In: SALOMON, Marlon (org.). História, verdade e tempo. Chapecó: Argos, 2011.

Revue d’histoire moderne et contemporaine (Regards sur l’histoire intellectuelle), t. 59, n. 4 bis, Paris, 2012.

RODRIGUES, Luísa Espíndola. O apagamento da história dos vencidos e o dever de memória na obra Cem anos de solidão. Monografia de conclusão de curso em História. UFF, Niterói, 2022.

RODRÍGUEZ-MONEGAL, Emir. Lo real y lo maravilloso en El reino de este mundo. Iberoamericana, v. 37, n. 76-77, Pittsburgh, 1971.

SÁ, Maria Elisa Noronha de (org.). História intelectual latino-americana: itinerários, debates e perspectivas. Rio de Janeiro: Editora PUC-Rio, 2016.

SALOMON, Marlon. Entre história das ciências e das religiões: o problema da temporalidade histórica em Lucien Febvre e Alexandre Koyré no entreguerras. História da Historiografia, n. 19, Ouro Preto, dez. 2015. Disponível em <https://www.historiadahistoriografia.com.br/revista/article/view/943>. Acesso em 10 jan. 2022.

VARGAS LLOSA, Mario. Uma novela para el siglo XXI. In: CERVANTES, Miguel de. Don Quijote de la mancha. Madrid: Real Academia Espanhola, 2004.

WAIZBORT, Leopoldo. Erich Auerbach sociólogo. Tempo Social, v. 6, n. 1, São Paulo, 2004.

WAIZBORT, Leopoldo. Apresentação. In: WARBURG, Aby. Histórias de fantasmas para gente grande: escritos, esboços e conferências. São Paulo: Companhia das Letras, 2015.

WAIZBORT, Leopoldo. A passagem do três ao um. São Paulo: Cosac & Naify, 2017.

Downloads

Publicado

2022-06-13

Como Citar

Iegelski, F. (2022). História, literatura e anacronismo a partir do realismo mágico latino-americano. ArtCultura, 24(44), 102–116. https://doi.org/10.14393/artc-v24-n44-2022-66581

Edição

Seção

Dossiê: História & anacronismo – II – Parte nacional