Rap nas quebradas: a palavra como esporro e como escarro

Autores

  • Adalberto Paranhos

Resumo

Escrito com a tinta fresca da história imediata, o premiado livro de Roberto Camargos, aqui apresentado, interpela, de forma dura, nua e crua, o presente e o passado recente do Brasil num momento marcado, mundo afora, pela escalada do capitalismo neoliberal. A carne viva da qual ele se alimenta é o rap de diferentes cantos e quebradas destes muitas vezes tristes trópicos, com todo o seu cortejo de desgraças reservadas a parcelas significativas dos moradores das periferias. Palavras escarradas pelos rappers, carregadas de esporro, são expressões de quem escreve, por assim dizer, o lado B da história. Não é à toa que, ao dar passagem a uma constelação de vozes dissonantes, o rap é frequentemente olhado com desdém, como uma espécie de filho bastardo da arte. É o preço pago pelo incômodo que ele causa à ordem social e aos arraigados hábitos sonoros estabelecidos.

Palavras-chave: rap no Brasil; política; história imediata.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Adalberto Paranhos

Mestre em Ciência Política pela Universidade Estadual de Campinas (Unicamp). Doutor em História Social pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP). Professor do Instituto de Ciências Sociais e dos Programas de Pós-graduação em História e em Ciências Sociais da Universidade Federal de Uberlândia (UFU). Pesquisador do CNPq. Autor, entre outros livros, de Os desafinados: sambas e bambas no

Downloads

Publicado

2016-06-17

Como Citar

Paranhos, A. (2016). Rap nas quebradas: a palavra como esporro e como escarro. Artcultura, 17(30). Recuperado de https://seer.ufu.br/index.php/artcultura/article/view/34818

Edição

Seção

Homenagem