"O dengo que a nega tem": representações de gênero e raça na obra de Dorival Caymmi

Autores

  • André Rocha Leite Haudenschild

Resumo

O artigo aborda algumas das configurações de gênero e raça na obra do compositor Dorival Caymmi, cujas representações poéticas se expressam em múltiplos significantes: a "baiana", a "nega", a "preta", a "mulata" e a "morena". Com esse intuito, recorreremos à mediação conceitual dos estudos culturais pós-coloniais para desvendar o olhar de um sujeito lírico duplamente obcecado pela exaltação à baiana arquetípica, como símbolo autêntico de nacionalidade, e pelo elogio da baianidade, como força motriz de uma ancestralidade original.

palavras-chave: Dorival Caymmi; mulata; música popular brasileira.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

André Rocha Leite Haudenschild

Doutorando em Literatura pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Autor de Alegria selvagem: a lírica da natureza em Tom Jobim. São Paulo: Olho d

Downloads

Publicado

2015-06-22

Como Citar

Haudenschild, A. R. L. (2015). "O dengo que a nega tem": representações de gênero e raça na obra de Dorival Caymmi. Artcultura, 16(28). Recuperado de https://seer.ufu.br/index.php/artcultura/article/view/30609

Edição

Seção

Dossiê