Falas da cidade: conflitos e negociações em torno da identidade cultural no Rio de Janeiro

Autores

  • Mônica Pimenta Velloso

Resumo

Ao evidenciar o processo conflituoso que marcou a invenção de uma língua brasileira, este artigo enfoca o Rio de Janeiro como cenário em que se travou tal disputa. Pólo agregador e disseminador de culturas, o Rio foi representado como "cidade sínteseâ€? e "laboratório de emoçõesâ€?, destacando-se a idéia de uma "identidade vocálicaâ€? que apresentava a pronúncia carioca como definidora de um modo de ser nacional, em contraste com Portugal. Expressando o campo conflituoso da memória, a música foi destacada como um dos elementos fundacionais da brasilidade (rural/urbana). Junto à representação normatizadora do moderno espaço, irromperam linguagens exprimindo aspectos contrastantes da nacionalidade. Nesse debate, em que se entrecruzaram as vertentes do nacional-popular e do urbano-carioca, estiveram envolvidas as vozes mais distintas do meio artístico-intelectual: Antenor Nascentes, Raul Pederneiras, João do Rio, Orestes Barbosa, Monteiro Lobato, Peregrino Júnior, Catulo da Paixão Cearense e Mário de Andrade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Como Citar

Velloso, M. P. (2006). Falas da cidade: conflitos e negociações em torno da identidade cultural no Rio de Janeiro. Artcultura, 7(11). Recuperado de https://seer.ufu.br/index.php/artcultura/article/view/1393

Edição

Seção

Artigos