Pandemia e a colonialidade em (dis)curso no corpo da mulher negra

Autores

DOI:

https://doi.org/10.14393/HTP-v3n1-2021-59354

Palavras-chave:

Empregada Doméstica, Análise do Discurso, Racismo Estrutural

Resumo

Este artigo propõe refletir sobre a pandemia a partir da mulher negra, especificamente do lugar da trabalhadora doméstica como representativo da colonialidade e das desigualdades sociais no Brasil. Para a reflexão é tomado o enunciado remetido à trabalhadora doméstica Mirtes Souza no especial Falas Negras, exibido na Globo em 20 de novembro de 2020 em alusão ao Dia Nacional da Consciência Negra. Pela Análise do Discurso com Foucault se encaminha a reflexão do artigo, com as lentes da interseccionalidade e da decolonialidade, para evidenciar a linha de força que vulnerabiliza esse corpo não apenas na pandemia, mas num lastro histórico em curso desde a colonização com permanentes atualizações que as permitem acontecer com efeito de naturalidade, que é o papel do Dispositivo Colonial.  O enunciado é o ponto de partida para traçar uma rede de memória com fins de revolver condicionantes históricas para o lugar dessa mulher no presente, apontando a desumanização desse corpo como resultado de um projeto colonial em curso até a atualidade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Flávia Marinho Lisbôa, Universidade Federal Rural da Amazônia - UFRA

Docente na Universidade Federal Rural da Amazônia (UFRA). Doutora em Letras/Estudos Linguísticos (UFPA). Mestre pelo Programa de Pós-graduação em Dinâmicas Territoriais e Sociedade na Amazônia (UNIFESSPA). Graduada em Letras - Língua Portuguesa (UFPA). Membro do Grupo de Estudo Mediações, Discurso e Sociedades Amazônicas (GEDAI-UFPA) e do Grupo de Estudos em Linguística e Formação Docente (GELFOR-UFRA), além de compor o Núcleo de Educação e Diversidade na Amazônia (NEDAM-UFRA).

Referências

BRITES, Jurema Gorski. Trabalho doméstico: questões, leituras e políticas. Cadernos de Pesquisa. v. 43, n. 149, p. 422-45, maio/ago. 2013. Disponível em: <https://www.scielo.br/pdf/cp/v43n149/04.pdf>. Acesso em: 5 fev. 2021. DOI: https://doi.org/10.1590/S0100-15742013000200004

CARNEIRO, Sueli. Racismo, Sexismo e Desigualdade no Brasil. São Paulo: Selo Negro, 2011.

CARNEIRO, Sueli. Escritos de uma vida. São Paulo: Editora Jandaíra, 2020.

COLLINS, Patricia Hill. O pensamento Feminista Negro. São Paulo: Boiotempo, 2019.

CRENSHAW, Kimberle. Documento para o encontro de especialistas em aspectos da discriminação racial relativos ao gênero. Estudos Feministas, ano 10, v. 1, 2002, p. 171-188. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/ref/v10n1/11636.pdf>. Acesso em: 26 jan. 2021. DOI: https://doi.org/10.1590/S0104-026X2002000100011

DAVIS, Angela. Mulheres, raça e classe. Boitempo: São Paulo, 2016.

DELEUZE, Gilles. O que é um dispositivo? O mistério de Ariana. Lisboa: Vega/Passagens, 1996.

FOUCAULT, Michel. Sobre a História da Sexualidade. In: Microfísica do poder. Organização e tradução Roberto Machado. 17. ed. Rio de Janeiro: Graal, 1999.

FOUCAULT, Michel. Em defesa da sociedade: curso no Collége de France (1975-1976). São Paulo: WMF Martins Fontes, 2010

GREGOLIN, Maria do Rosário. O dispositivo escolar republicano na paisagem das cidades brasileiras: enunciados, visibilidades, subjetividades. Revista Moara - Estudos Linguísticos, edição 43, p. 6-25, jan.-jun. 2015. Disponível em: <https://periodicos.ufpa.br/index.php/moara/article/view/2633>. Acesso em: 13 jan. 2021. DOI: http://dx.doi.org/10.18542/moara.v1i43.2633

INSTITUTO POLIS. Quem são as pessoas mais afetadas pela pandemia? 2020. Disponível em: <https://polis.org.br/noticias/quem-sao-as-pessoas-mais-afetadas-pela-pandemia/>. Acesso em: 1 jan. 2021.

IPEA. INSTITUTO DE PESQUISA ECONÔMICA APLICADA. Os Desafios do Passado no Trabalho Doméstico do Século XXI: reflexões para o caso brasileiro a partir dos dados da PNAD Contínua. 2019. Disponível em: <https://www.ipea.gov.br/portal/images/stories/PDFs/TDs/td_2528.pdf>. Acesso em: 26 jan. 2021.

LIMA, Márcia; RIOS, Flavia; FRANÇA, Danilo. Articulando gênero e raça: a participação das mulheres negras no mercado de trabalho (1995-2009). In: Dossiê mulheres negras: retrato das condições de vidadas mulheres negras no Brasil. Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada. Brasília: Ipea, 2013.

LISBÔA, Flávia. Língua como linha de força do dispositivo colonial: os gavião entre a aldeia e a universidade. 2019. 277f. Tese (doutorado em Letras: ênfase em Linguística) - Programa de Pós-Graduação em Letras, Universidade Federal do Pará, Belém, 2009.

LORDE, Audre. Irmã outsider. Belo Horizonte: Autêntica: 2020.

MILANEZ, Nilton. O corpo é um arquipélago. In:NAVARRO, P. (Org.). Texto e discurso. São Carlos:Claraluz, 2006. p. 153-179.

MILANEZ, Nilton. Intericonicidade: da repetição de imagens à repetição dos discursos de imagens. Acta Scientiarum. Languageand Culture, Maringá, v. 37, n. 2, p. 197-206, abr.-jun. 2015. Disponível em: <https://periodicos.uem.br/ojs/index.php/ActaSciLangCult/article/view/26295>. Acesso em: 2 jan. 2021. DOI: https://doi.org/10.4025/actascilangcult.v37i2.26295

NEVES, Ivânia. EtniCidades: os 400 anos de Belém e a presença indígena. Moara, edição 43, p. 26-44, 2015. Disponível em: <https://periodicos.ufpa.br/index.php/moara/article/view/2634>. Acesso em: 13 jan. 2021. DOI: http://dx.doi.org/10.18542/moara.v1i43.2634

NOGUEIRA, Isildinha B. O corpo da mulher negra. Pulsional Revista de Psicanálise, ano XIII, n. 135, p. 40-45, 1999. Disponível em: <https://negrasoulblog.files.wordpress.com/2016/04/o-corpo-da-mulher-negra-isildinha-b-nogueira.pdf>. Acesso em: 2 jan. 2021.

ORGANIZAÇÕES DE MULHERES NEGRAS BRASILEIRAS. Pró III Conferência Mundial da ONU contra o Racismo, Xenofobia e Formas Correlatas de Intolerância. Disponível em: <https://www.antroposmoderno.com/antro-articulo.php?id_articulo=314>. Acesso em: 25 jan. 2021.

QUIJANO, Aníbal. Colonialidade do poder, eurocentrismo e América Latina. In: LANDER, E. (org.). A colonialidade do saber: eurocentrismo e ciências sociais. Perspectivas latinoamericanas. Colección Sur Sur, CLACSO, Ciudad Autónoma de Buenos Aires, Argentina, set. 2005.

RATTS, Alex; RIOS, Flávia. Lélia Gonzalez. São Paulo: Selo Negro, 2010.

SANTANA, Bianca. Trabalho, solidariedade e estratégias das mulheres negras, 2020. In: O trabalho e a vida das mulheres na pandemia. 2020. Disponível em: <http://mulheresnapandemia.sof.org.br/trabalho-solidariedade-estrategias-mulheres-negras/>. Acesso em: 27 jan. 2021

SOF. SEMPREVIVA ORGANIZAÇÃO FEMINISTA. SEM PARAR: o trabalho e a vida das mulheres na pandemia. 2020. Disponível em: <http://mulheresnapandemia.sof.org.br/>. Acesso em 26 jan. 2021.

Downloads

Publicado

2021-06-15

Como Citar

MARINHO LISBÔA, F. Pandemia e a colonialidade em (dis)curso no corpo da mulher negra. Revista Heterotópica, [S. l.], v. 3, n. 1, p. 230–259, 2021. DOI: 10.14393/HTP-v3n1-2021-59354. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/RevistaHeterotopica/article/view/59354. Acesso em: 16 jul. 2024.