Bendita a poesia entre as mulheres e bendito o fruto do seu imaginário

Autores

  • Maria do Socorro Pinheiro

DOI:

https://doi.org/10.14393/TES-v2n2-2020-53938

Palavras-chave:

Poesia, Mulheres, Imaginário, Leitura, Sala de aula

Resumo

Este texto discute a poesia, dada as suas especificidades no campo da linguagem, como um gênero que agrega várias outras áreas do conhecimento. Tem como objetivo analisar a lírica feminina e a construção do seu imaginário poético, pondo em evidência a temática erótica, numa perspectiva teórico-metodológica-interpretativa, visando sua inserção em sala de aula. Para tanto, selecionamos a poesia erótica de três poetisas cearenses: Regine Limaverde, Aila Sampaio e Hermínia Lima, que nos oferece um material poético rico em imagens. Nosso estudo está em consonância com Bosi (1998) Candido (2006) e Pinheiro (2018), ao colocar a poesia numa prática de leitura; com Octavio Paz (1994, 2012), sobre a eroticidade poética e com Bachelard (1988), que tece as ferramentas necessárias para a compreensão do imaginário poético. A poesia é bendita porque traduz nossa humanidade, sem disfarce, e nos adverte para o sentido da vida, pela escrita de muitas mulheres.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ARAUJO, G. Gilka Machado: corpo, verso e prosa. Conferência proferida na ABL, em 10 de junho de 2014. Disponível em: http://www.academia.org.br/node/20177. Acesso em

de janeiro de 2020.

BACHELARD, G. A poética do devaneio. Tradução Antonio de Pádua Danesi. São Paulo: Martins Fontes, 1988.

____________. O ar e os sonhos: ensaio sobre a imaginação do movimento. Tradução Antonio de Pádua Danesi. 2ª ed. São Paulo: Martins Fontes, 2001.

BARTHES, R. O prazer do texto. São Paulo: Perspectiva, 2004.

BERTH, J. O que é empoderamento? Belo Horizonte: Letramento, 2018.

BOSI, A. Céu, inferno. Ensaios de crítica literária e ideologia. São Paulo:Editora Ática, 1988.

CAMPOS, H. O conceito e a imagem na poesia brasileira. São Paulo: Editora Brasileira Ltda. 1960.

CANDIDO, A. O estudo analítico do poema. 5ª ed. São Paulo: Associação Editorial Humanitas, 2006.

ELIOT, T. S. De poesia e poetas. Tradução e prólogo Ivan Junqueira. São Paulo: Editora Brasiliense, 1991.

HAMBURGER, K. A lógica da criação literária. São Paulo: Editora Perspectiva, 1986.

LIMA, H. Sendas do sacrário. Fortaleza: Imprece, 2013.

___________. Sangria Azul. Fortaleza Imprensa Universitária- UFC, 2002.

LIMAVERDE, R. Dentro de mim, o mar. Fortaleza: Expressão Gráfica e Editora, 2017.

MERQUIOR, J. G. Razão do Poema: ensaios de crítica e de estética. Rio de Janeiro: Editora Civilização Brasileira, 1965.

MORIN, E. A cabeça bem-feita: repensar a reforma e reformar o pensamento. Tradução Eloá Jacobina. 21ª ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2014.

_____________. Os sete saberes necessários à educação do futuro. Tradução de Cataria Eleonora F. da Silva e Jeanne Sawaya; revisão técnica de Edgard de Assis Carvalho. 2. ed. rev. São Paulo: Cortez; Brasília, DF: UNESCOO, 2011.

PAES, J. P. Poemas para brincar. 12ª ed. São Paulo: Ática, 1997.

PAZ, O. A dupla chama: amor e erotismo. Tradução Wladyr Dupont. São Paulo: Siciliano, 1994.

_______. Signos em Rotação. Tradução Sebastião Uchoa Leite; organização e revisão Celso Lafer e Haroldo Campos. São Paulo: Perspectiva, 2009.

_______. O arco e a lira. Tradução: Ari Roitman e Paulina Wacht. São Paulo: Cosac Naify, 2012.

PERRONE-MOISÉS, L. Inútil poesia e outros ensaios breves. São Paulo: Companhia das Letras, 2000.

__________________. Mutações da Literatura no século XXI. 1ª ed. São Paulo: Companhia das Letras, 2016.

PINHEIRO, H. Poesia na sala de aula. 1ª ed. São Paulo: Parábola, 2018.

QUINTANA, M. Espelho Mágico. São Paulo: Globo, 2005.

SAMPAIO, A. De olhos entreabertos. Fortaleza: Littere Editora, 2012.

SANTOS, N. E. Dos. Oficinas poéticas com jovens, adultos e idosos: Travessia(s). Tese (Doutorado) - Universidade Federal de Uberlândia, Programa de Pós-Graduação em Estudos Literários. Disponível em: http://dx.doi.org/10.14393/ufu.te.2019.634. Acesso em 07 de junho de 2020.

XAVIER, E. Que corpo é esse? O corpo no imaginário feminino. Florianópolis: Ed. Mulheres, 2007.

Downloads

Publicado

2020-06-24

Como Citar

PINHEIRO, M. do S. Bendita a poesia entre as mulheres e bendito o fruto do seu imaginário. Téssera, [S. l.], v. 2, n. 2, p. 88–100, 2020. DOI: 10.14393/TES-v2n2-2020-53938. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/tessera/article/view/53938. Acesso em: 22 maio. 2022.

Edição

Seção

Artigos