O imaginário erótico pessimista na poesia de Francisco Espinhara

Autores

  • Jordy Dantas Maia UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA
  • José Eduardo Martins de Barros Melo Universidade Federal de Rondônia

DOI:

https://doi.org/10.14393/TES-v2n2-2020-52315

Palavras-chave:

Francisco Espinhara. Poesia. Erotismo.

Resumo

Este trabalho destaca a influência e as marcas do pessimismo na expressão erótica da obra poética de Francisco Espinhara, corroborando com BATAILLE que o poeta em estudo exacerbadamente traz o sentimentalismo entrelaçado no seu imaginário erótico[1] permeado pela solidão e pela angústia do homem contemporâneo, assim, como afirma Octávio Paz, “A solidão é o fundo último da condição humana. O homem é o único ser que se sente só e que procura outro” também só. Nesse sentido, esta expressão erótica é elemento preponderante de sua linguagem poética enquanto elemento transubstanciador de seus desejos e de suas frustrações que permeia entre o real e o imaginário. Desta forma, analisa-se a obra do autor pernambucano sob o prisma dos elementos distintivos da sensualidade e do erotismo enquanto particularidades de um fazer literário que se cobre pelo mundo das negatividades, tal como temos em grande parte da poesia brasileira contemporânea.

 

[1] O erotismo é sexualidade transfigurada: metáfora. A imaginação é o agente que move o ato erótico e o poético. (PAZ, 1994, p. 12).

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BATAILLE, Georges. O erotismo. Tradução de Antônio Carlos Viana. Porto Alegre: L&PM, 1987.

BAKHTIN, Mikhail. Estética da criação verbal. Tradução de Maria Ermantina Galvão G. Pereira. 2. ed. São Paulo: MARTINS FONTES. 1997.

BOSI, Alfredo. O ser e o tempo da poesia. 8. ed. São Paulo: Companhia das Letras, 2000.

ESPINHARA, Francisco. Bacantes. Recife: Coordenação editorial do Interpoética, 2006.

__________. Movimento dos escritores independentes. Recife: Editora Universitária, 2000.

FRIEDICH, Hugo. Estrutura da lírica moderna: da metade do século XIX e meados do século XX. Tradução de Marise M. Curisone. São Paulo: Duas cidades, 1978.

MATOS, Edinaldo Flauzino de. O Erotismo em Machado de Assis / Edinaldo Flauzino de Matos. 1. ed. Curitiba: Appris, 2017.

MARTINS, Eduardo. O espaço da alma em Francisco Espinhara. Porto Velho: UNIR, 2016.

__________. A palavra falta. Porto Velho: Temática, 2016.

__________. Eczema no Lírico. Recife: Edição independente, 1985.

NIETZSCHE, Friedrich. A origem da tragédia. Tradução de José Joaquim de Faria. São Paulo: centauro, 2004.

__________. Além do bem e do mal ou prelúdio de uma filosofia do futuro. Tradução de Márcio Pugliesi, Universidade de São Paulo, 2001.

__________. Silêncio, solidão. Cadernos Nietzsche. São Paulo, Discurso Editorial, 2000c, n. 9, p. 79-105.

PAZ, Octavio. O labirinto da solidão e post scriptum. Tradução de Eliane Zagury. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1984.

___________. A dupla chama Amor e Erotismo. Tradução Wladyr Dupont. São Paulo: Siciliano, 1994.

PEDROSA, Cida Org. A Poesia Possível. Recife: Claranan, 2017.

SCHOPENHAUER, Arthur. Metafísica do amor/Metafísica da morte. Tradução de Jair Barboza. São Paulo: Martins Fontes, 2000.

SANCHES, Maria Elizabete. À memória dos esquecidos: história e produção do MEIPE. (Mestrado em Letras) - Universidade Federal de Rondônia - UNIR, Porto Velho, 2015.

_________; MARTINS, Eduardo. Movimento dos escritores independentes de Pernambuco: história e produção literária. Porto Velho, RO: 2019.

_________. À margem do cânone: história e produção do movimento dos escritores independentes de Pernambuco. UNIR, 2014.

____________. Os limites da dor em Francisco Espinhara. UNIR, 2015.

Downloads

Publicado

2020-06-24

Como Citar

DANTAS MAIA, J.; MARTINS DE BARROS MELO, J. E. . O imaginário erótico pessimista na poesia de Francisco Espinhara. Téssera, [S. l.], v. 2, n. 2, p. 51–65, 2020. DOI: 10.14393/TES-v2n2-2020-52315. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/tessera/article/view/52315. Acesso em: 16 ago. 2022.

Edição

Seção

Artigos