Banheiro ecológico ribeirinho: saneamento descentralizado para comunidades de várzea na Amazônia

Autores

  • Vania Neu Universidade Federal Rural da Amazônia
  • Marcos Antônio Souza dos Santos Universidade Federal Rural da Amazônia http://orcid.org/0000-0003-1028-1515
  • Leandro Frederico Ferraz Meyer Universidade Federal Rural da Amazônia

DOI:

https://doi.org/10.14393/REE-v15n12016_art02

Palavras-chave:

Banheiro ecológico ribeirinho, Amazônia, Tecnologia social.

Resumo

Na Amazônia, a contaminação biológica das águas é um problema grave, com implicações ambientais e na saúde pública, e está associada à precariedade do planejamento governamental, principalmente quanto aos investimentos em infraestrutura de saneamento básico, incipientes em áreas rurais e nas cidades. No meio rural, as grandes distâncias entre as residências inviabilizam a adoção de sistemas centralizados de coleta e tratamento de esgoto. Diante disso, o banheiro seco ecológico surge como alternativa de saneamento descentralizado. Contudo, os modelos desenvolvidos e implantados em outras regiões do país não se adequam às características das áreas ribeirinhas da Amazônia, sujeitas a alagamentos periódicos associados ao ciclo sazonal de chuvas e ao fluxo diário das marés. Neste artigo, discute-se a relevância do problema e apresenta-se uma proposta de adaptação do banheiro seco ecológico às áreas sujeitas a alagamento. As potencialidades do banheiro ecológico ribeirinho (BER) como tecnologia social de saneamento descentralizado são discutidas com base no monitoramento de parâmetros, como odor e presença de insetos, e na avaliação de aspectos subjetivos e comportamentais, tais como o bem-estar e a consciência ambiental. Essas avaliações foram realizadas a partir da instalação de uma unidade (protótipo) na Ilha das Onças, região insular de Belém, estado do Pará. Ainda, o artigo apresenta uma descrição detalhada do projeto de construção, os materiais utilizados e o custo do protótipo do BER. As informações são suficientes para a replicação dessa tecnologia social e podem ser úteis também para estimular novas adaptações e aperfeiçoamentos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Vania Neu, Universidade Federal Rural da Amazônia

Bióloga, Doutora em Ecologia Aplicada, Professora do Instituto Socioambiental e dos Recursos Hídricos da Universidade Federal Rural da Amazônia (ISARH/UFRA)

Marcos Antônio Souza dos Santos, Universidade Federal Rural da Amazônia

Engenheiro Agrônomo, Mestre em Economia, Professor do Instituto Socioambiental e dos Recursos Hídricos da Universidade Federal Rural da Amazônia (ISARH/UFRA)

Leandro Frederico Ferraz Meyer, Universidade Federal Rural da Amazônia

Zootecnista, Doutor em Economia Rural, Professor do Instituto Socioambiental e dos Recursos Hídricos da Universidade Federal Rural da Amazônia (ISARH/UFRA)

Referências

BARROS, F.; AMIN, M. Água: um bem econômico de valor para o Brasil e o mundo. Revista brasileira de gestão e desenvolvimento regional, Taubaté, v. 4, n. 1, p. 75-108, jan./abr. 2008.

BRASIL. Ministério do Meio Ambiente. Agência Nacional de Águas. Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (pnuma). GEO Brasil: recursos hídricos: resumo executivo. Brasília: MMA; ANA, 2007. 62p.

DEMENIGHI, A. Parâmetros projetuais para a implantação de sanitários secos desidratadores com desvio de urina (SSDDU). 2012. 159f. Dissertação (Mestrado em Engenharia Civil)

DIAS, D. et al. Morbimortalidade por gastroenterites no Estado do Pará, Brasil. Revista Pan-Amazônica de Saúde, Ananindeua, v. 1, n. 1, p. 53-60, mar. 2010.

DUARTE, M. Prevenção das parasitoses gastrintestinais de transmissão fecal-oral. 2005. 153f. Dissertação (Mestrado em Biologia para o Ensino)

GREG

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Censo Demográfico 2010. Disponível em: <http://www.sidra.ibge.gov.br/ bda/tabela/listabl.asp?c=1378&z=cd&o=7>. Acesso em: 2 ago. 2015.

LOPES, Y. Análise físico-química e biológica das águas da baía do Guajará, rio Guamá e canal Furo Grande, PA. 2014. 53f. Trabalho de Conclusão de Curso (Engenharia Ambiental e Energias Renováveis)

MARENGO, J. Água e mudanças climáticas. Estudos Avançados, São Paulo, v. 22, n. 63, p. 83-96, 2008.

NIEMEYER, M. Água. São Paulo: Publifolha, 2012. 191p.

SCH

SPERLING, M. Introdução à qualidade das águas e ao tratamento de esgotos. Belo Horizonte: Editora da UFMG, 2014. 472p.

VANDERLEI L. C. de M.; SILVA, G. A. P. da; BRAGA J. E. Fatores de risco para internamento por diarreia aguda em menores de dois anos: estudo de caso-controle. Cadernos de Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 19, n. 2, p. 455-463, mar./abr. 2003.

Downloads

Publicado

2016-07-25

Como Citar

NEU, V.; SOUZA DOS SANTOS, M. A.; FERRAZ MEYER, L. F. Banheiro ecológico ribeirinho: saneamento descentralizado para comunidades de várzea na Amazônia. Revista Em Extensão, [S. l.], v. 15, n. 1, p. 28–44, 2016. DOI: 10.14393/REE-v15n12016_art02. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/revextensao/article/view/32252. Acesso em: 22 maio. 2022.

Edição

Seção

Artigos Originais