CONSISTÊNCIA DO REGISTRO DOS CASOS DE HANSENÍASE NO SISTEMA DE INFORMAÇÃO DE AGRAVOS DE NOTIFICAÇÃO EM MINAS GERAIS - PERÍODO: 2017 A 2021

Autores

DOI:

https://doi.org/10.14393/Hygeia2069758

Palavras-chave:

Hanseníase, Epidemiologia, Saúde Pública, Sistema de Informação em Saúde

Resumo

Objetivo: Verificar a completude e a consistência das informações dos pacientes diagnosticados com hanseníase e registrados no Sistema de Informação de Agravos de Notificação. Método: Estudo ecológico descritivo, quantitativo e de caráter transversal, conduzido em três etapas. A população do estudo foi composta pelos casos de hanseníase registrados no banco de dados do Sinan, durante o período de estudado (2017 a 2021). Os elementos extraídos de banco de dados secundários foram lançados em um banco de dados criado no software Microsoft Excel (versão 2016) para a construção da completude e consistência. Resultados: Foram notificados 6.568 casos de hanseníase em Minas Gerais, o percentual de completude apresentado foi de 91,4%. Já em relação a consistência, o percentual foi de 93,3%. Ao analisar as Unidades Regionais de Saúde, observou-se que Belo Horizonte apresentou o percentual “Precário” nos três níveis de atenção à saúde para as variáveis de completude e consistência, apontando possíveis fragilidades nos serviços de referência. Conclusão: Independentemente do nível de atenção à saúde, o estado e suas Unidades Regionais de Saúde, apresentaram percentual de completude e consistência heterogêneos, sendo o estado classificado como “Regular” e “Bom”, respectivamente, após aplicação do quartil de distribuição.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Gabriel Correia Saturnino Reis, Universidade Federal de Minas Gerais

Graduado em Enfermagem pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). Especialista em Saúde Pública pela UniAmérica. Integra o Núcleo de Estudos e Pesquisas em Hanseníase (NEPHANS/UFMG). Atua no Projeto de Vigilância do Cuidado da Tuberculose e Outras Doenças Infecciosas Crônicas da Coordenação do Programa Municipal de Controle da Tuberculose - Secretaria Municipal de Saúde de Belo Horizonte.

Daniele dos Santos Lages, Universidade Federal de Minas Gerais

Enfermeira pela Escola de Enfermagem da Universidade Federal de Minas Gerais (EE/UFMG) com Graduação Sanduíche realizada na Universidade Lúrio - Moçambique (UNILURIO). Especialista em Políticas e Gestão de Saúde (EPGS) da Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais, atuando como Referência Técnica na Coordenação Estadual de Hanseníase, DVCC/SVE/SUBVS. Mestre e Doutoranda em Enfermagem na linha de pesquisa de Saúde Coletiva, do Programa de Pós-Graduação em Enfermagem (PPGE) da Escola de Enfermagem da Universidade Federal de Minas Gerais. Especialista em Epidemiologia e Especialista em Saúde Coletiva pela UniAmérica. Integra o Núcleo de Estudos e Pesquisas em Hanseníase (NEPHANS/UFMG). Atua em pesquisas com foco em processo saúde-doença; políticas sociais e de saúde; promoção, prevenção e vigilância à saúde; epidemiologia e organização dos serviços de saúde; práticas de saúde e enfermagem; saúde coletiva. Ênfase na epidemiologia da hanseníase e na prevalência de infecção da hanseníase, vinculadas às linhas de pesquisa intituladas "Processo de exposição, infecção e adoecimento em hanseníase" e "Epidemiologia, determinantes sociais e distribuição espacial da hanseníase e da infecção pelo Mycobacterium leprae".

Francisco Carlos Félix Lana, Universidade Federal de Minas Gerais

Graduação em Enfermagem e Obstetrícia pela Universidade Federal de Minas Gerais (1981), Especialização em Saúde Pública pela Escola Nacional de Saúde Pública (1988), Mestrado (1992) e Doutorado (1997) em Enfermagem pela Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto - Universidade de São Paulo. Professor Titular do Departamento de Enfermagem Materno-Infantil e Saúde Pública da Escola de Enfermagem da Universidade Federal de Minas Gerais. Diretor da Escola de Enfermagem da UFMG Gestão 2002-2006, Editor Geral da Revista Mineira de Enfermagem (período 2003 a 2008) e Coordenador do Colegiado de Pós-Graduação em Enfermagem (período 2012 a 2016) e Subcoordenador no período de 2017 a 2021. Atua na Graduação do Curso de Enfermagem na área de saúde coletiva - Atenção Primária à Saúde e no Programa de Pós-graduação em Enfermagem desenvolvendo a linha de pesquisa ?Saúde Coletiva? com ênfase na abordagem de políticas e programas de saúde, epidemiologia, vigilância à saúde e organização de serviços dirigidos às doenças e infecciosas e parasitárias e doenças crônicas não transmissíveis. Líder do Núcleo de Estudos e Pesquisa em Hanseníase ? NEPHANS que tem três eixos estruturantes: epidemiologia da hanseníase e sua relação com as desigualdades sociais, avaliação da atenção à saúde e controle da hanseníase e análise do processo de exposição, infecção e adoecimento. Bolsista de Produtividade em Pesquisa do CNPq - Nível 2. Atua também no campo da gestão do conhecimento e exerce a Coordenação da Biblioteca Virtual em Saúde Enfermagem Brasil (BVS Enfermagem) e da BVS Enfermería Internacional, projetos desenvolvidos em parceria com a BIREME/OPAS/OMS, Ministério da Saúde, Associação Brasileira de Enfermagem, editores de revistas de enfermagem, programas de pós-graduação, redes internacionais de enfermagem e instituições de ensino e pesquisa de enfermagem no âmbito ibero-americano.

Referências

BARRA, R.P.A, et al. A importância da gestão correta da condição crônica na Atenção Primária à Saúde para o enfrentamento da COVID-19 em Uberlândia, Minas Gerais. Aps em Revista, [s.l.], v. 2, n. 1, p. 38-43, 15 abr. 2020. https://doi.org/10.14295/aps.v2i1.64

BARRETO, J. A.; et al. Hanseníase multibacilar com baciloscopia dos esfregaços negativa: a importância de se avaliar todos os critérios antes de se definir a forma clínica. Hansenologia Internationalis, São Paulo, v. 32, n. 1, p. 75-79, 2007. https://doi.org/10.47878/hi.2007.v32.35197

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância das Doenças Transmissíveis. Diretrizes para vigilância, atenção e eliminação da Hanseníase como problema de saúde pública: manual técnico-operacional. Brasília: Ministério da Saúde, 2016. 58 p

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Estratégia Nacional para Enfrentamento da Hanseníase: 2019-2022. Brasília: Ministério da Saúde, 2019a. Disponível em: http://portalarquivos2.saude.gov.br/images/pdf/2019/marco/27/EstrategiaNacional-CGHDE-Consulta-Publica-27mar.pdf. Acesso em: 09 de abr 2022

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Coordenação Geral de Desenvolvimento da Epidemiologia em Serviços. Guia de Vigilância em Saúde: Volume Único - 3ª. ed. – Brasília: Ministério da Saúde, 2019b. 740p. Disponível em:

https://portalarquivos2.saude.gov.br/images/pdf/2019/junho/25/guiavigilanciasaude-volume-unico-3ed.pdf. Acesso em: 09 de abr 2022.

BRASIL, Ministério da Saúde. Nota Técnica Nº 16/2021-CGDE/DCCI/SVS/MS. Orientações a Estados e Municípios para a implementação da “ampliação de uso da clofazimina para o tratamento da hanseníase paucibacilar, no âmbito do Sistema Único de Saúde”, conforme o determinado na Portaria SCTIE/MS N. 71, de 11 de dezembro de 2018.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância das Doenças Transmissíveis. Boletim Epidemiológico de Hanseníase - 2022. Brasília: Ministério da Saúde, 2022a.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde, Departamento de Doenças de Condições Crônicas e Infecções Sexualmente Transmissíveis. Protocolo Clínico e Diretrizes Terapêuticas da Hanseníase [recurso eletrônico] / Ministério da Saúde, Secretaria de Ciência, Tecnologia, Inovação e Insumos Estratégicos em Saúde, Secretaria de Vigilância em Saúde. – Brasília: Ministério da Saúde, 2022b.152 p.

BOIGNY, R. N.; SOUZA, E. A. de; FERREIRA, A. F.; CRUZ, J. R.; GARCÍA, G. S. M.; PRADO, N. M. B. de L.; SILVA, G. V.; BARBOSA, J. C.; SILVA, R. L. da; OLIVEIRA, M. L. W. D. R. de; NOBRE, M. L.; RAMOS, A. N. Falhas operacionais no controle da hanseníase em redes de convívio domiciliar com sobreposição de casos em áreas endêmicas no Brasil. Epidemiologia e Serviços de Saúde, v. 29, n. 4, p. e2019465, 2020. https://doi.org/10.5123/S1679-49742020000400004

CONTIN, L. A.; et al. Uso do teste ML-Flow como auxiliar na classificação e tratamento da hanseníase. Anais Brasileiros de Dermatologia, Rio de Janeiro, v. 86, n. 1, p. 91-95, fev. 2011. https://doi.org/10.1590/S0365-05962011000100012

CORRÊA, C. M.; LANZA, F. M.; CARVALHO, A. P. M.; LANA, F. C. F. Diálogos sobre a descentralização do programa de controle da hanseníase em município endêmico: uma avaliação participativa. Escola Anna Nery, v. 26, p. e20210114, 2022. https://doi.org/10.1590/2177-9465-ean-2021-0114

CORREIA, et al. Métodos para avaliar a completitude dos dados dos sistemas de informação em saúde do Brasil: uma revisão sistemática. Ciência & Saúde Coletiva [online]. 2014, v. 19, n. 11, pp. 4467-4478. https://doi.org/10.1590/1413-812320141911.02822013

DIÁRIO OFICIAL DA UNIÃO. Lei nº 14.289, de 3 de janeiro de 2022. Torna obrigatória a preservação do sigilo sobre a condição de pessoa que vive com infecção pelos vírus da imunodeficiência humana (HIV) e das hepatites crônicas (HBV e HCV) e de pessoa com hanseníase e com tuberculose, nos casos que estabelece; e altera a Lei nº 6.259, de 30 de outubro de 1975. [S. l.], 3 jan. 2022. Disponível em: https://www.in.gov.br/en/web/dou/-/lei-n-14.289-de-3-de-janeiro-de-2022-371717752. Acesso em: 4 dez. 2022.

FELICIANO, T.; CORDEIRO, B. C. Analysis of the quality of data from the Compulsory Notification Forms of Dengue and Chikungunya. Research, Society and Development, [S. l.], v. 10, n. 9, p. e40810918172, 2021. DOI: 10.33448/rsd-v10i9.18172. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/18172. Acesso em: 18 mar. 2024.

GALVÃO, P. R. S; et al. An evaluation of the SINAN health information system as used by the Hansen’s disease control programme, Pernambuco State, Brazil. Leprosy Review Journal, v. 79, n. 2, p. 171–182, jun. 2008

GOMES, F. B.F. et al. Indicadores da hanseníase no estado de Minas Gerais e sua relação com o Índice de Desenvolvimento Humano e a cobertura da Estratégia da Saúde da Família. Revista Mineira de Enfermagem, v. 21, e-1063, 2017.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA – IBGE (BRASIL). Minas Gerais. Cidades e Estados. Disponível em: https://www.ibge.gov.br/cidadese-estados/mg.html. Acesso em: 09 de abr 2022

LAGES, D. dos S., et al. A baixa escolaridade está associada ao aumento de incapacidades físicas no diagnóstico de hanseníase no Vale do Jequitinhonha. HU Revista, [S.l.], v. 44, n.3, p.303–309,2019. https://doi.org/10.34019/1982-8047.2018.v44.14035

LAGUARDIA, J; et al. Sistema de Informação de Agravos de Notificação (SINAN): desafios no desenvolvimento de um sistema de informação em saúde. Epidemiologia e Serviços de Saúde, Brasília, v.13, n.3, p.135-146, set. 2004.

LASTÓRIA, J. C.; ABREU, M. A. M. de. Leprosy: review of the epidemiological, clinical, and etiopathogenic aspects - Part 1. Anais Brasileiros de Dermatologia, Rio de Janeiro, v. 89, n. 2, p. 205-218, mar./apr, 2014. https://doi.org/10.1590/abd1806-4841.20142450

MAIA, Daniely Aleixo Barbosa et al. Avaliação da implantação do Sistema de Informação de Agravos de Notificação em Pernambuco, 2014. Epidemiol. Serv. Saúde, Brasília, v. 28, n. 1, e2018187, mar. 2019. https://doi.org/10.5123/S1679-49742019000100002

MARQUES, et al. Avaliação da não completude das notificações compulsórias de dengue registradas por município de pequeno porte no Brasil. Ciência & Saúde Coletiva [online]. 2020, v. 25, n. 3, pp. 891-900. https://doi.org/10.1590/1413-81232020253.16162018

MENDES, M. S; OLIVEIRA, A. L. S. de; SCHINDLER, H. C. Evaluation of completeness, consistency and non-duplication of leprosy notification data on the Notifiable Health Conditions Information System, João Pessoa, Paraíba, Brazil: a descriptive study, 2001-2019. Epidemiologia e Serviços de Saúde, [S.L.], v. 32, n. 2, p. 1-2, 26 jan. 2023. https://doi.org/10.1590/s2237-96222023000200008

MINAS GERAIS. Secretaria de Estado da Saúde. Plano de Enfrentamento da Hanseníase em Minas Gerais, 2019-2022 [manuscrito]/Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais. Coordenadoria Estadual de Controle da Hanseníase 2019. Belo Horizonte: UFMG, 2019ª.

MINAS GERAIS. Secretaria de Estado da Saúde. Casos Confirmados de hanseníase por local de residência - Minas Gerais. 2022. Disponível em: http://tabnet.saude.mg.gov.br/tabcgi.exe?def/agravos/hans_r.def. Acesso em: 09 de abr 2022.

MONTANHA J. O. M. et al. ML Flow serological test: complementary tool in leprosy. An Bras Dermatol. 2023; 98:331–8. https://doi.org/10.1016/j.abd.2022.05.005

NETO, J., et al. Qualidade Dos Bancos de Dados de Doenças Infectocontagiosas Notificadas Em Vila Velha, Espírito Santo, de 2007 a 2017. Revista Brasileira de Pesquisa em Saúde,15 de agosto de 2020, pp. 130–139. https://doi.org/10.47456/rbps.v22i2.30266

WHO. Novel Coronavirus (2019-nCoV) Situation Report – 96. Geneva, Switzerland: WHO, 2020c. Disponível em: https://www.who.int/docs/default-source/coronaviruse/situation-reports/20200211-sitrep-22-ncov.pdf?sfvrsn=fb6d49b1_2. Acesso em: 15 de mar 2024.

WHO. Global leprosy (Hansen disease) update, 2021: moving towards interruption of transmission Leprosy. Weekly epidemiological record, v. 97, n. 36, p. 429–452, 2022.

Downloads

Publicado

04-07-2024

Como Citar

REIS, G. C. S.; LAGES, D. dos S.; LANA, F. C. F. CONSISTÊNCIA DO REGISTRO DOS CASOS DE HANSENÍASE NO SISTEMA DE INFORMAÇÃO DE AGRAVOS DE NOTIFICAÇÃO EM MINAS GERAIS - PERÍODO: 2017 A 2021 . Hygeia - Revista Brasileira de Geografia Médica e da Saúde, Uberlândia, v. 20, p. e2052, 2024. DOI: 10.14393/Hygeia2069758. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/hygeia/article/view/69758. Acesso em: 12 jul. 2024.

Edição

Seção

Artigos