CARACTERIZAÇÃO DA EPIDEMIA DE HIV/AIDS NO ESCUDO DAS GUIANAS E POSSÍVEL INFLUÊNCIA DAS MIGRAÇÕES NA DISSEMINAÇÃO DO VÍRUS

Autores

  • Flavia Divino Fundação Oswaldo Cruz
  • Paulo Peiter Fundação Oswaldo Cruz

DOI:

https://doi.org/10.14393/Hygeia64248

Palavras-chave:

HIV, AIDS, Fronteira Brasil-Guiana Francesa, Escudo das Guianas

Resumo

De 1980 a junho de 2020, foram notificados 1.011.617 casos de AIDS no Brasil, (Ministério da Saúde, 2020) e há alguns anos que se verifica uma estabilização na taxa de incidência na América Latina, entretanto são grandes as diferenças regionais no Brasil. As regiões Norte e Nordeste ainda apresentam uma progressão nas taxas de incidência de HIV e não obstante, existe uma variante do HIV-1 do subtipo B, a variante BCAR (B Caribe), que anteriormente era conhecida por sua circulação restrita às ilhas do Caribe e em estudos recentes demonstrou-se sua alta prevalência nos países do Escudo das Guianas. São regiões intimamente ligadas ao Caribe e compartilham em suas fronteiras: culturas, construções sociais, políticas e uma evidente ascensão do HIV e novos casos de AIDS notificados. As mudanças no perfil da AIDS no Brasil vêm mostrando o aumento da transmissão por via heterossexual, uma prevalência de jovens de 15 a 39 anos infectados e uma epidemia que evidencia o desequilíbrio entre as regiões do país. Esses resultados também apontam fortes ligações epidemiológicas entre os países do extremo norte do continente sul-americano, os municípios fronteiriços brasileiros, mobilidade populacional, migração e a epidemia de HIV/AIDS.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2022-02-18

Como Citar

DIVINO, F.; PEITER, P. . CARACTERIZAÇÃO DA EPIDEMIA DE HIV/AIDS NO ESCUDO DAS GUIANAS E POSSÍVEL INFLUÊNCIA DAS MIGRAÇÕES NA DISSEMINAÇÃO DO VÍRUS. Hygeia - Revista Brasileira de Geografia Médica e da Saúde, [S. l.], p. 74–86, 2022. DOI: 10.14393/Hygeia64248. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/hygeia/article/view/64248. Acesso em: 15 ago. 2022.