A LEISHMANIOSE TEGUMENTAR AMERICANA E SEUS FATORES DE RISCOS SOCIOAMBIENTAIS NO MUNICÍPIO DE TUCURUÍ, PARÁ, BRASIL: ANÁLISE ESPACIAL E EPIDEMIOLÓGICA

Autores

  • Rafael Aleixo Coelho de Oliveira Laboratório de Epidemiologia e Geoprocessamento da Amazônia/Universidade do Estado do Pará
  • Claudia do Socorro Carvalho de Miranda Laboratório de Epidemiologia e Geoprocessamento da Amazônia/Universidade do Estado do Pará
  • Juan Andrade Guedes Laboratório de Epidemiologia e Geoprocessamento da Amazônia/Universidade do Estado do Pará
  • Cléa Nazaré Carneiro Bichara Laboratório de Epidemiologia e Geoprocessamento da Amazônia/Universidade do Estado do Pará
  • Alba Lucia Ribeiro Raithy Pereira Laboratório de Epidemiologia e Geoprocessamento da Amazônia/Universidade do Estado do Pará
  • Claudia Nazaré de Souza Almeida Titan Martins Laboratório de Epidemiologia e Geoprocessamento da Amazônia/Universidade do Estado do Pará
  • Ana Lydia Lédo de Castro Ribeiro Cabeça Laboratório de Epidemiologia e Geoprocessamento da Amazônia/Universidade do Estado do Pará
  • Tainara Carvalho Garcia Miranda Filgueiras Laboratório de Epidemiologia e Geoprocessamento da Amazônia/Universidade do Estado do Pará
  • Tainã Carvalho Garcia Miranda Filgueiras Laboratório de Epidemiologia e Geoprocessamento da Amazônia/Universidade do Estado do Pará
  • Camylle Maia Costa Faria Laboratório de Epidemiologia e Geoprocessamento da Amazônia/Universidade do Estado do Pará
  • Nelson Veiga Gonçalves Laboratório de Epidemiologia e Geoprocessamento da Amazônia/Universidade do Estado do Pará

DOI:

https://doi.org/10.14393/Hygeia16056928

Palavras-chave:

Leishmaniose Tegumentar Americana, Análise Espacial, Epidemiologia

Resumo

O estudo objetivou analisar a distribuição espacial da LTA em Tucuruí e a sua relação com variáveis socioambientais e epidemiológicas, no período de 2012 a 2016. Os dados epidemiológicos foram obtidos no SINAN da SESPA e os cartográficos, populacionais, unidades de conservação e terras indígenas, foram obtidos no IBGE. Os ambientais foram obtidos no PRODES. As análises dos casos e da relação espacial destes com o desflorestamento utilizaram o Bioestat 5.0 e o ArcGis 10.5.1, respectivamente. O município teve 286 casos confirmados, distribuídos de forma não homogênea em seus setores censitários.  Os indivíduos mais acometidos foram do sexo masculino, adultos, pardos, baixo nível de escolaridade e moradores da zona urbana. Foi verificado na série histórica um aumento de casos de LTA e do incremento do desmatamento. A análise espacial mostrou a presença de dois aglomerados de casos localizados na área urbana. Foi observado também a existência de um mosaico de ocupações e terras indígenas. A LTA é um grande e complexo problema de saúde pública em Tucuruí, relacionado à fatores de riscos socioambientais, gerados e condicionados pela insuficiência de políticas públicas no município, que pode ter contribuído para a exposição da população local a vários fatores de risco da doença.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2020-12-07

Como Citar

DE OLIVEIRA, R. A. C. .; MIRANDA, C. do S. C. de .; GUEDES, J. A. .; BICHARA, C. N. C.; PEREIRA, A. L. R. R. .; MARTINS, C. N. de S. A. T. .; CABEÇA, A. L. L. de C. R. .; FILGUEIRAS, T. C. G. M. .; FILGUEIRAS, T. C. G. M. .; FARIA, C. M. C.; GONÇALVES, N. V. . A LEISHMANIOSE TEGUMENTAR AMERICANA E SEUS FATORES DE RISCOS SOCIOAMBIENTAIS NO MUNICÍPIO DE TUCURUÍ, PARÁ, BRASIL: ANÁLISE ESPACIAL E EPIDEMIOLÓGICA. Hygeia - Revista Brasileira de Geografia Médica e da Saúde, [S. l.], v. 16, p. 386–396, 2020. DOI: 10.14393/Hygeia16056928. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/hygeia/article/view/56928. Acesso em: 15 ago. 2022.

Edição

Seção

Artigos