RODAS DE CONVERSA E FONOAUDIOLOGIA: ESTRATÉGIA DE INTERVENÇÃO NAS ALTERAÇÕES DE COMUNICAÇÃO

Autores

  • Carla Cardoso Professora Titular do Departamento de Ciências da Vida da Universidade do Estado da Bahia
  • Michele Batista da Silva Fonoaudióloga Clinica, Curso de Fonoaudiologia da Universidade do Estado da Bahia
  • Priscila Cruz Mota Professora do Centro Universitário Jorge Amado, Mestre em Saúde Coletiva
  • Aline Silva Lara de Alvarenga Professora Adjunta do Departamento de Ciências da Vida da Universidade do Estado da Bahia
  • Juliana Fernandes Araújo Rocha Professora do Centro Universitário Jorge Amado
  • Fernanda Dreux Miranda Fernandes Livre Docente do Curso de Fonoaudiologia da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo

DOI:

https://doi.org/10.14393/Hygeia16054667

Palavras-chave:

Linguagem, Promoção de saúde, Distúrbios da Comunicação, Rodas de conversa

Resumo

A concepção da clínica cada vez mais próxima da realidade considerando para tal as variáveis que podem interferir no processo e que não estejam necessariamente no escopo deste tem sido cada vez mais discutido. A metodologia de roda de conversa como forma de empoderamento e capacitação de familiares tem sido descrita como uma estratégia eficaz nessa perspectiva. Objetivo: compreender como a utilização da estratégia da roda de conversa como forma de intervenção junto às famílias de crianças com diagnóstico de alteração de linguagem auxilia no processo de desenvolvimento comunicativo destes indivíduos. O formato de intervenção sem padronização prévia possibilitou que as famílias pudessem elaborar suas dúvidas e angustias, assim como seus anseios e em muitos casos a troca de informações e conhecimento se deu na base dos grupos e não necessariamente com a intervenção do profissional. Método: participaram vinte e dois pais e ou cuidadores de crianças com diagnóstico de alteração de linguagem divididos em dois grupos: Gagueira Desenvolvimental Persistente (GDP) e Transtorno do Espectro Autista (TEA) em atendimento fonoaudiológico. Resultados: pode-se constatar que os sentimentos e relações quanto o impacto da comunicação são comuns a ambos os grupos. Conclui-se que, em ambos os grupos, os relatos perpassam.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2020-07-13

Como Citar

CARDOSO, C.; SILVA, M. B. da; MOTA, P. C.; ALVARENGA, A. S. L. de .; ROCHA, J. F. A. .; FERNANDES, F. D. M. . RODAS DE CONVERSA E FONOAUDIOLOGIA: ESTRATÉGIA DE INTERVENÇÃO NAS ALTERAÇÕES DE COMUNICAÇÃO. Hygeia - Revista Brasileira de Geografia Médica e da Saúde, [S. l.], v. 16, p. 84–93, 2020. DOI: 10.14393/Hygeia16054667. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/hygeia/article/view/54667. Acesso em: 20 maio. 2022.

Edição

Seção

Artigos