CONSIDERAÇÕES SOBRE INTOXICAÇÃO HUMANA POR AGROTÓXICOS NO CENTRO-OESTE BRASILEIRO, NO PER͍ODO DE 2008 A 2013

Autores

  • Maycon Jorge Ulisses Saraiva Farinha Universidade Federal da Grande Dourados.
  • Luciana Virginia Mario Bernardo Universidade Estadual do Oeste do Paraná.
  • Adeir Archanjo da Mota Universidade Federal da Grande Dourados.

DOI:

https://doi.org/10.14393/Hygeia132609

Resumo

A produção agrícola brasileira, de forma geral, após a Revolução Verde, passou a inserir com maior frequência o uso de agrotóxicos no processo produtivo, tendo como justificativas o controle bioquímico de pragas e o aumento da produtividade. Nesse contexto, a população residente nos espaços rurais e periurbanos passou a ter contato com maiores volumes dessas substâncias químicas. A manipulação inadequada dessas substâncias causa intoxicação em diferentes escalas e pode levar a óbito. Assim, o objetivo desta pesquisa é analisar a espacialidade da intoxicação por agrotóxicos na região Centro-Oeste brasileira, região característica de produção agrícola. Foram coletados dados secundários em bases governamentais para os triênios 2008-2010 e 2011-2013. Esses dados foram tabulados, cartografados e analisados, ou seja, além da revisão de literatura, foi realizada uma análise comparativa espaço-temporal. Também foi utilizada a correlação de Pearson para as variáveis áreas produtivas e número de intoxicados. Os resultados indicam que a intoxicação por agrotóxico ocorre principalmente no bioma Cerrado, em regiões específicas dos respectivos nos estados da federação.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

07-12-2017

Como Citar

JORGE ULISSES SARAIVA FARINHA, M.; MARIO BERNARDO, L. V.; ARCHANJO DA MOTA, A. CONSIDERAÇÕES SOBRE INTOXICAÇÃO HUMANA POR AGROTÓXICOS NO CENTRO-OESTE BRASILEIRO, NO PER͍ODO DE 2008 A 2013. Hygeia - Revista Brasileira de Geografia Médica e da Saúde, [S. l.], v. 13, n. 26, p. 114–125, 2017. DOI: 10.14393/Hygeia132609. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/hygeia/article/view/39729. Acesso em: 7 dez. 2022.

Edição

Seção

Artigos