VULNERABILIDADE SOCIOAMBIENTAL, TRANSIÇÃO DEMOGRÁFICA E EPIDEMIOLÓGICA NA RDS DO TUPÉ, MANAUS, AMAZONAS

Autores

  • Duarcides Ferreira Mariosa Pontifícia Universidade Católica de Campinas http://orcid.org/0000-0001-6552-9288
  • Ednelson Mariano Dota Pontifícia Universidade Católica de Campinas http://orcid.org/0000-0002-8726-0424
  • Marcelo da Silva Gigliotti Universidade Estadual de Campinas
  • Edinaldo Nelson dos Santos-Silva INPA - Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia

DOI:

https://doi.org/10.14393/Hygeia1128690

Palavras-chave:

Transição demográfica, transição epidemiológica, indicadores socioambientais, sustentabilidade, Amazônia

Resumo

Determinantes sociais das doenças referem-se ao conjunto de fatores de ordem política, econômica, comportamental, ambiental e cultural que "impõem limites" ou "exercem pressão" na distribuição da saúde e da doença e nos aspectos nocivos e protetivos dados aos grupos sociais no interior e entre sociedades. Neste estudo, com base em dados primários de pesquisa e referenciais bibliográficos sobre o tema, as características sociodemográficas da população ribeirinha da Reserva de Desenvolvimento do Tupé, Manaus, Amazonas (RDS do Tupé) foram associadas a ocorrências de doenças infectocontagiosas e crônico-degenerativas objetivando indicar as possíveis relações deste grupo social com a realidade socioambiental demonstrando sua vulnerabilidade aos fatores de risco de adoecimento. Os resultados observados apontam que em relação às doenças crônico-degenerativos apenas duas variáveis apresentaram associação estatisticamente significativa: faixa etária e escolaridade. Em relação às doenças infecto-contagiosas, o resultado foi distinto: nenhuma das variáveis sociodemográficas apresentou associação estatística significativa, apontando assim para outros fatores com maior relevância na explicação da ocorrência de doenças assim classificadas, como a variável ambiental. Concluiu-se que a população ribeirinha da RDS do Tupé, em razão de sua localização espacial específica - zona de transição entre a metrópole manaura e a floresta amazônica - e da especificidade de seu perfil etário, acha-se duplamente vulnerável à ocorrência simultânea de dois grandes grupos de doenças: as parasitárias ou infecto-contagiosas e as crônico-degenerativas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Duarcides Ferreira Mariosa, Pontifícia Universidade Católica de Campinas

Duarcides Ferreira Mariosa possui graduação em Ciências Sociais, Especialização em Serviço Social e Gestão de Projetos Sociais, Mestrado e Doutorado em Sociologia pela Unicamp.

Ednelson Mariano Dota, Pontifícia Universidade Católica de Campinas

Doutor em Demografia - IFCH-NEPO/UNICAMP; Professor da Faculdade de Geografia da PUC-Campinas.

Marcelo da Silva Gigliotti, Universidade Estadual de Campinas

Doutorando em geografia

Edinaldo Nelson dos Santos-Silva, INPA - Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia

Doutorado em Ciências Biológicas (Zoologia), Professor e Pesquisador do INPA, Coordenador do Grupo de Pesquisa Biotupé/INPA.

Referências

ALVES, José Eustáquio Diniz. A transição demográfica e a janela de oportunidade. Braudel Papers, v. 1, p. 1-13, 2008.

AMARAL, S. et al. Comunidades ribeirinhas como forma socioespacial de expressão urbana na Amazônia: uma tipologia para a região do Baixo Tapajós (Pará-Brasil). Revista Brasileira de Estudos de População, v. 30, n. 2, p. 367

AYRES, J. R. DE C. M. et al. Vulnerability, Human Rights, and Comprehensive Health Care Needs of Young People Living With HIV/AIDS. American Journal of Public Health, v. 96, n. 6, p. 1001

BARATA, R. B. Epidemiologia social. Revista Brasileira de Epidemiologia, v. 8, n. 1, mar. 2005.

BERGER, P. L.; LUCKMANN, T. Construça

BERKMAN, L. F.; KAWACHI, I. (EDS.).Social epidemiology. New York: Oxford University Press, 2000.

BERQU

BERTONCELO, E. R. E. Classes e práticas sociais. Revista Brasileira de Ciências Sociais, v. 28, n. 81, p. 185

BOURDIEU, P.

BRASIL (2014). Constituição Federal de 1988. Promulgada em 5 de outubro de 1988. Disponível em http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicaocompilado.htm. Acesso em 23 de dezembro de 2014.

BRASIL (2007). Decreto-Lei nº 6040, de 7 de fevereiro de 2007. Institui a Política Nacional de Desenvolvimento Sustentável dos Povos e Comunidades Tradicionais. Diário Oficial [da República Federativa do Brasil], Brasília, n.28, pgs. 316-317, 8 de fevereiro de 2007. Seção 1.

BUSS, Paulo Marchiori; PELLEGRINI FILHO, Alberto. A saúde e seus determinantes sociais. Physis, v. 17, n. 1, p. 77-93, 2007.

CARVALHO, J. A. M. DE; GARCIA, R. A. O envelhecimento da população brasileira: um enfoque demográfico. Cadernos de Saúde Pública, v. 19, n. 3, p. 725

CGEE. População e políticas sociais no Brasil: os desafios da transição demográfica e das migrações internacionais. Brasília, 2008.

ELIAS, N. A sociedade dos indivíduos. Rio de Janeiro: Zahar, 1994.

FARIA, Rivaldo Mauro. A ATEN

FARIA, Rivaldo Mauro . O TERRIT

FUSSELL, E,; LORI H.; CLARK G. Measuring the Environmental Dimensions of Human Migration: The Demographer

KIRK, D. Demographic Transition Theory. Population Studies, 50, 1996.

KOGA, Dirce. Medidas de Cidades: Entre Territórios de Vida e Territórios Vividos. Sa

LESTHAEGUE, R. The second demographic transition in western countries. In: MASON, K. O.; JENSEN, A-M. (Ed.). Gender and family change in industrialized countries. Oxford: Clarendon Press, 1995.

MCCORMACK, G. R.; SHIELL, A. In search of causality: a systematic review of the relationship between the built environment and physical activity among adults. International Journal of Behavioral Nutrition and Physical Activity, v. 8, n. 1, p. 125, 2011.

MARCHAND, Guillaume Antoine (2014). « Avaliação da gestão da fauna silvestre na comunidade de São João do Tupé (Manaus, Amazonas) pelo meio de um sistema de indicadores», Confins [Online], 20 | 2014, posto online em 07 Março 2014, Consultado o 05 Junho 2014. URL : http://confins.revues.org/8829 ; DOI : 10.4000/confins.8829

MARIOSA, D. F. et al. Ribeirinhos do Rio Negro: um estudo da qualidade socioambiental. Curitiba: Editora CRV, 2014.

MENDES, A. DA C. G. et al. Assistência pública de saúde no contexto da transição demográfica brasileira: exigências atuais e futuras. Cadernos de Saúde Pública, v. 28, n. 5, p. 955

MENDES, E. V. As redes de atenção à saúde. Ciência & Saúde Coletiva, v. 15, n. 5, p. 2297

MUNIZ, Jerônimo Oliveira. Um ensaio sobre as causas e características da migração. UFMG/Cedeplar/Demografia

NGONGHALA, C. N. et al. Poverty, Disease, and the Ecology of Complex Systems.PLoS Biology, v. 12, n. 4, p. e1001827, 1 abr. 2014.

NICHIATA, L. Y. I. et al. Potencialidade do conceito de vulnerabilidade para a compreensão das doenças transmissíveis. Revista da Escola de Enfermagem da USP, v. 45, p. 1769

OLIVEIRA, C. R. DE; OLIVEIRA, R. C. DE. Direitos sociais na constituição cidadã: um balanço de 21 anos. Serviço Social & Sociedade, n. 105, p. 5

OMRAN, A. R. The Epidemiologic Transition Theory.A preliminary update.Journal of Tropical Pediatrics, v. 29, p. 305

OMRAN, A. R. The Epidemiologic Transition: A Theory of the Epidemiology of Population Change. The Milbank Quarterly, v. 83, n. 4, p. 731

PAV

PRATA, P. R. A transição epidemiológica no Brasil. Cadernos de Saúde Pública, v. 8, n. 2, jun. 1992.

RAFFESTIN, Claude. Por uma geografia do poder. Tradução de Maria Cecília França. São Paulo: Ática, 1993.

RIGOTTO, R.M. (2003).

SANTOS, Milton. (1985). Espaço e método. São Paulo: Nobel.

SCUDELLER, Veridiana Vizoni; SANTOS-SILVA, Edinaldo Nélson dos; APRILE, Fábio Marques; MELO, Sérgio, [Orgs.]. (2005). BioTupé: meio físico, diversidade biológica e sociocultural do Baixo Rio Negro, Amazônia Central. Volume 1. Ma¬naus: Editora INPA.

SILVA, S. L. DA. Identidade e Complexidade: uma sociologia para os elementos emergentes da sociedade atual. Cadernos de Pesquisa Interdisciplinar em Ciências Humanas, v. 1, n. 9, p. 1

TRAVASSOS, C. et al. Desigualdades geográficas e sociais na utilização de serviços de saúde no Brasil. Ciência & Saúde Coletiva, v. 5, n. 1, p. 133

WHO - WORLD HEALTH ORGANIZATION.(2014)International Statistical Classification of Diseases and Related Health Problems 10th Revision (ICD-10) para 2015.Disponível em http://apps.who.int/classifications/icd10/browse/2015/en#/I. Acesso em 19 de dezembro de 2014.

ZIONI, Fabiola; WESTPHAL, Márcia Faria. O enfoque dos determinantes sociais de saúde sob o ponto de vista da teoria social. Saúde e Sociedade, v. 16, n. 3, p. 26-34, 2007.

Downloads

Publicado

27-06-2015

Como Citar

MARIOSA, D. F.; DOTA, E. M.; GIGLIOTTI, M. da S.; SANTOS-SILVA, E. N. dos. VULNERABILIDADE SOCIOAMBIENTAL, TRANSIÇÃO DEMOGRÁFICA E EPIDEMIOLÓGICA NA RDS DO TUPÉ, MANAUS, AMAZONAS. Hygeia - Revista Brasileira de Geografia Médica e da Saúde, [S. l.], v. 11, n. 20, p. 138–152, 2015. DOI: 10.14393/Hygeia1128690. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/hygeia/article/view/28690. Acesso em: 8 dez. 2022.

Edição

Seção

Artigos