Games e a “ciência de Galton”: referências à eugenia no jogo eletrônico Red Dead Redemption 2

Autores

  • Leonardo Dallacqua de Carvalho

DOI:

https://doi.org/10.14393/artc-v25-n46-2023-71199

Palavras-chave:

eugenia, jogos eletrônicos, história das ciências

Resumo

O artigo analisa como o jogo eletrônico Red Dead Redemption 2, lançado em 2018 pela produtora Rockstar Games, aborda a temática da eugenia no contexto histórico do velho oeste estadunidense, local de ambientação do game. Para tanto, elementos in game foram extraídos e comparados com o discurso historiográfico a respeito da eugenia. Por meio de uma metodologia baseada nos estudos de jogos eletrônicos e de eugenia foi analisado em que medida RDR 2 dialoga com a discussão histórica e historiográfica da eugenia, as representações sobre eugenia, as questões morais relacionadas à eugenia e genética, e, por fim, de que modo o jogador pode compreender o conceito e o contexto histórico da eugenia entre o final do século XIX e o início do XX nos Estados Unidos e no Brasil.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Leonardo Dallacqua de Carvalho

Doutor em História pelo Instituto Oswaldo Cruz (Fiocruz). Professor do Programa de Pós-graduação em História da Universidade Estadual do Maranhão (Uema). Autor, entre outros livros, de Os traços da hereditariedade: cor, raça e eugenia no Brasil. Curitiba: Prismas, 2015. 

Referências

<http://g1.globo.com/Noticias/Tecnologia. Acesso em 20 ago. 2022.

<http://g1.globo.com/tecnologia/games/noticia/2013/10/gta-v-quebra-seis-recordes-de-vendas-e-entra-para-o-guinness.html>. Acesso em 20 ago. 2022.

<https://meups.com.br/noticias/faturamento-da-industria-de-games-em-2020/>. Acesso em 15 jun. 2022.

<https://psxbrasil.com.br/gta-v-ultrapassa-150-milhoes-de-unidades-numeros-de-red-dead-redemption-2-borderlands-3-e-mais/>. Acesso em 20 ago. 2022.

<https://www.engadget.com/2010-01-12-sources-red-dead-redemption-development-in-trouble.html>. Acesso em 20 ago. 2022.

AARSETH, Espen. Computer game studies, year one. Game Studies: The International Journal of Games, v. 1, n. 1, Copenhagen, 2001.

AARSETH, Espen. Cybertext: perspectives on ergodic literature. Maryland: The Johns Hopkins University Press, 1997.

ADAMS, Mark (ed.). The wellborn science: eugenics in Germany, France, Brazil, and Russia. New York, Oxford: Oxford University Press, 1990.

BATES, Bob. Game design. Boston: Premier Press/Course Technology, 2004.

BELLO, Robson Scarassati. O videogame como representação histórica: narrativa, espaço e jogabilidade em Assassin’s Creed (2007-2015). Dissertação (Mestrado em História Social) – USP, São Paulo, 2016.

BLACK, Edwin. A guerra contra os fracos: a eugenia e a campanha dos EUA para criar uma raça dominante. São Paulo: A Girafa, 2003.

CARVALHO, Leonardo Dallacqua de. A trajetória de Francis Galton e sua perspectiva eugênica no primeiro trimestre de The Eugenics Review (1909). Fênix: Revista de História e Estudos Culturais, v. 4, n. 2, Uberlândia, 2017.

DIWAN, Pietra. Entre Dédalo e Ícaro: cosmismo, eugenia e genética na invenção do transhumanismo norte-americano (1939-2009). Tese (Doutorado em História Social) – PUC-SP, São Paulo, 2020.

DONOVAN, Tristan. Replay: the history of video games. Lewes: Yellow Ant, 2010. FRASCA, Gonzalo. Play the message: play, game and videogame rethoric. Tese (Doutorado em Filosofia). IT University of Copenhagen – Copenhagen, 2007.

FRIEDMAN, Ted. Semiotics of SimCity. Firstmonday.dk, n. 4, v. 4, 1999.

GALTON, Francis. Hereditary talent and character: part I. Macmillan's Magazine, v. 12, n. 68, London, 1865.

GOLDBERG, Harold. All your base are belong to us: how fifty years of videogames conquered pop culture. New York: Three Rivers Press, 2011.

GOULD, Jay Stephen. A falsa medida do homem. São Paulo: Martins Fontes, 2014.

KEHL, Renato. Lições de eugenia. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1929.

KENT, Steven. The ultimate history of video games: from Pong to Pokémon and beyond… the story behind the craze that touched our lives and changed the world. New York: Three Rivers Press, 2001.

KEVLES, Daniel. In the name of eugenics: genetics and the uses of human heredity. 4. ed. Cambridge-London: Harvard University Press, 2004.

KIMMELMAN, Barbara. The American Breeders Association: genetics and eugenics in an agricultural context, 1903-1913. Social Studies of Science, v. 13, n. 163, on-line, 1983.

LE GOFF, Jacques e NORA, Pierre. História: novos problemas. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1995.

MARTINS, Cristina de Matos. Um estudo do perfil textual de role playing games ‘pedagógicos’. Dissertação (Mestrado em Letras Clássicas e Vernáculas) – USP, São Paulo, 2007.

NEWMAN, James. The myth of the ergodic videogame: some thoughts on player character relationships in videogames. Game Studies: The International Journal of Games, v. 2, n. 1, Copenhagen, 2002.

PIRES JUNIOR, João Reynaldo. Ler por labirintos: literatura ergódica e letramentos no game The legend of Zelda: ocarina of time. Dissertação (Mestrado em Linguística Aplicada) – Unicamp, Campinas, 2016.

SERPA JR. Octavio. Degenerescência: queda, progresso e evolucionismo. Cadernos do IPUB, n. 8, Rio de Janeiro, 1997.

SOUZA, Vanderlei Sebastião de. Renato Kehl e a eugenia no Brasil: ciência, raça e nação no período entreguerras. Guarapuava: Unicentro, 2019.

STEPAN, Nancy Leys. A hora da eugenia: raça, gênero e nação na América Latina. Rio de Janeiro: Fiocruz, 2005.

STERN, Alexandra. Eugenic nation: faults and frontiers of better breeding in Modern America. 2. ed. Oakland: University of California Press, 2016.

TYDÉN, Mattias. The Scandinavian States: reformed eugenics applied. In: BASHFORD, Alison and LEVINE, Philippa. The Oxford handbook of the history of eugenics. Oxford: Oxford University Press, 2010.

VANDERHOEF, John and PAYNE, Matthew Thomas. Press X to wait: the cultural politics of slow game time in Red Dead Redemption 2. Game Studies: The International Journal of Games, v. 22, n. 3, Copenhagen, 2022.

WOLF, Mark. Abstraction in video games. In: WOLF, Mark and PERRON, Bernard (orgs.). The video game theory reader. London: Routledge, 2003.

Downloads

Publicado

2023-06-30

Como Citar

Dallacqua de Carvalho, L. (2023). Games e a “ciência de Galton”: referências à eugenia no jogo eletrônico Red Dead Redemption 2. ArtCultura, 25(46), 259–276. https://doi.org/10.14393/artc-v25-n46-2023-71199

Edição

Seção

Artigos