O jogo com a ambivalência na Tropicália

Autores

  • Celso F. Favaretto

DOI:

https://doi.org/10.14393/artc-v23-n42-2021-61863

Palavras-chave:

crítica, cultura, política

Resumo

A ambivalência é categoria fundante nas proposições artísticas e nos textos teóricos e críticos de Hélio Oiticica, desde a teoria do parangolé até as manifestações ambientais e seus desenvolvimentos, explicitada exemplarmente na concepção do projeto ambiental Tropicália e nas relações que estabeleceu com a produção do grupo baiano de música popular. Referida também às reelaborações da antropofagia de Oswald de Andrade, a ambivalência é procedimento crítico que presidiu aos processos de criação e à dimensão política de um conjunto significativo de atividades surgidas simultaneamente nos anos 1967-68, que definiram uma posição específica, divergente, quanto às relações entre estética e polí- tica evidenciadas na década de 60, questionando as oposições em conflito, então fixadas, entre inconformismo artístico e inconformismo social.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Celso F. Favaretto

Doutor em Filosofia pela Universidade de São Paulo (USP). Professor dos Programas de Pós-graduação em Filosofia e em Educação da USP. Autor, entre outros livros, de A invenção de Hélio Oiticica. 2. reimp. São Paulo: Edusp, 2015. 

Referências

AYALA,Walmir (org.). A criação plástica em questão. Petrópolis: Vozes, 1970.

BOAL, Augusto. O que pensa você do teatro brasileiro? Catálogo da 1ª. Feira Paulista de Opinião (1968). Arte em Revista, n. 2, São Paulo, 1979.

DELEUZE, Gilles. Conversações. São Paulo: Editora 34, 1992.

OITICICA, Hélio. A trama da terra que treme: o sentido de vanguarda do grupo baiano. Correio da Manhã, Rio de Janeiro, 24 nov. 1968.

OITICICA, Hélio. Aspiro ao grande labirinto. Rio de Janeiro: Rocco, 1986.

OITICICA, Hélio. Brasil diarreia. In: GULLAR, Ferreira (org.). Arte brasileira hoje. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1973.

OITICICA, Hélio. Experimentar o experimental. In: SALOMÃO, Waly e NETO, Torquato (coordenação e organização). Navilouca. Rio de Janeiro: Gernasa, 1974.

PEDROSA, Mário. Brasília, a cidade nova. In: AMARAL, Aracy (org.). Dos murais de Portinari aos espaços de Brasília. São Paulo: Perspectiva, 1981.

RANCIÈRE, Jacques. A partilha do sensível. São Paulo: Editora 34, 2005.
SCHWARZ, Roberto. Nota sobre vanguarda e conformismo. Teoria e Prática, n. 2, São Paulo, 1967.

Downloads

Publicado

2021-06-23

Como Citar

F. Favaretto, C. . (2021). O jogo com a ambivalência na Tropicália . Artcultura, 23(42), 247–258. https://doi.org/10.14393/artc-v23-n42-2021-61863

Edição

Seção

Artigos