A questão racial e a identidade negra na produção intelectual da Campanha de Defesa do Folclore Brasileiro: a Revista Brasileira de Folclore e o Museu da Campanha de Defesa do Folclore Brasileiro (1961-1974)

Autores

  • Elaine Cristina Ventura Ferreira

DOI:

https://doi.org/10.14393/artc-v21-n39-2019-52034

Palavras-chave:

Revista Brasileira de Folclore, Museu da Campanha de Defesa do Folclore Brasileiro, identidade negra

Resumo

O objetivo deste artigo é traçar uma reflexão sobre a questão racial na produção intelectual da Campanha de Defesa do Folclore Brasileiro (CDFB) e verificar até que ponto a identidade negra em torno das religiões de matrizes africanas foi ou não afirmada no discurso nacional. Para tanto, as fontes analisadas se basearam em alguns artigos contidos na Revista Brasileira de Folclore e nos catálogos da exposição do Museu da Campanha de Defesa do Folclore Brasileiro (MCDFB). A abordagem comparativa fundamentou a metodologia do estudo. A pesquisa permitiu identificar que, no momento em que a produção intelectual da CDFB operou a construção da identidade nacional pela via do folclore, os conflitos raciais que envolviam aquelas religiões foram ocultados, reafirmando de um modo diferente a identidade negra.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Elaine Cristina Ventura Ferreira

Mestre em Museologia e Patrimônio pela Universidade Federal do Estado do Rio de
Janeiro (UniRio). Doutoranda em História pela Universidade Federal Rural do Rio de
Janeiro (UFRRJ). 

Referências

ALMEIDA, Plínio. Pequenas histórias de Macu-lê-lê. Revista Brasileira de Folclore, v. 6, n. 16, set.-dez. 1966.

ABREU, Regina. Por um Museu de Cultura Popular. Ciências em Museus, v. 2, Rio de Janeiro, out. 1990.

ALMEIDA, Renato. Discurso de abertura do Museu de Folclore, 22 de agosto de 1968.

ALMEIDA, Renato. O folclore negro do Brasil. Revista Brasileira de Folclore, v. 8, n. 21, maio-ago. 1968

BARROSO, Gustavo. O Museu Ergológico Brasileiro. Anais do Museu Histórico Nacional, v. 3, Rio de Janeiro.

BARBOSA, Nila Rodrigues. Museus e etnicidade – o negro no pensamento museal: SPHAN, Museu da Inconfidência, Museu do Ouro Minas Gerais. Dissertação (Mestrado em Estudos Étnicos e Africanos) – UFBA, Salvador, 2012.

CARNEIRO, Édison. Abertura. In: VÁRIOS AUTORES. O negro no Brasil: trabalhos apresentados ao 2º Congresso Afro-Brasileiro (Bahia). Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1937.

CARNEIRO, Édison. Dinâmica do folclore. São Paulo: Martins Fontes, 2008.

CORRÊA, Mariza. O mistério dos orixás e das bonecas: raça, gênero na Antropologia brasileira. Etnográfica, v. 4, n. 2, Lisboa, 2000.

FERRETTI, Sérgio. Repensando o sincretismo. São Paulo: Edusp, 2013.

FOUCAULT, Michael. A ordem do discurso. São Paulo: Loyola, 1996.

GRYNSPAN, Mário. Ciência, política e trajetórias sociais: uma sociologia histórica as elites. Rio de Janeiro: Editora Fundação Getúlio Vargas, 1999.

JÚNIOR, Manoel Diégues. A formação do folclore brasileiro: origens e características culturais. Revista Brasileira de Folclore, v. 2, n. 4, set.-out. 1962.

LIMA, Vivaldo da Costa e OLIVEIRA, Waldir Freitas de Oliveira. In: Cartas de Édison Carneiro a Arthur Ramos. São Paulo: Corrupio, 1987.

LODY, Raul. O povo do santo: religião, história e cultura dos orixás, voduns, inquices e caboclos. São Paulo: Martins Fontes, 2006.

MAGALHÃES, Basílio de. O povo brasileiro através do folclore. Cultura Política, n. 2, Rio de Janeiro, 1941.

MUNANGA, Kabengele. Rediscutindo a mestiçagem no Brasil: identidade nacional versus identidade negra. Belo Horizonte: Autêntica, 2004.

NASCIMENTO, Bráulio. Discurso ao assumir o cargo de diretor executivo da Campanha de Defesa ao Folclore Brasileiro. Rio de Janeiro, 1975.

PEREIRA, Amilcar Araujo. O mundo negro: relações raciais e a constituição do movimento negro no Brasil. Rio de Janeiro: Pallas/Faperj, 2013.

QUADRAT, Samantha Vaz e ROLLEMBERG, Denise (orgs.). A construção social dos regimes autoritários: legitimando consenso e gerando consentimento no século XX – Brasil e América Latina. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2010.

SANTOS, Myrian Sepúlveda dos. História, tempo e memória: um estudo sobre museus. Dissertação (Mestrado em Sociologia) – Iuperj, Rio de Janeiro, 1989.

SATRIANI, Luigi M. Lombardi. Antropologia cultural e análise da cultura subalterna. São Paulo: Hucitec, 1986.

SERAFIM, Vanda Fortuna. O discurso de Nina Rodrigues acerca das religiões africanas na Bahia do século XIX. Dissertação (Mestrado em História) – UEM, Maringá, 2010.

SILVA, Ana Teles da. Na trincheira do folclore: intelectuais, cultura popular e formação da brasilidade – 1961-1982. Tese (Doutorado em Sociologia e Antropologia) – UFRJ, Rio de Janeiro, 2015.

SILVA, Jeferson Santos da. O que restou é folclore: o negro na historiografia alagoana. Tese (Doutorado em Ciências Sociais) – PUC-SP, São Paulo, 2014.

SILVA, Júlio Cláudio da. O nascimento dos estudos das culturas africanas, o movimento negro no Brasil e o antirracismo em Arthur Ramos (1934-1949). Dissertação (Mestrado em História) – UFF, Niterói, 2005.

SILVA, Rita Gama. A cultura popular no Museu de Folclore Édison Carneiro. Rio de Janeiro: Aeroplano, 2012.

SILVA, Vagner Gonçalves da. Construção e legitimação de um campo do saber acadêmico (1900-1960). Revista USP, n. 55, São Paulo, set.-nov. 2002.

VILHENA, Luis Rodolfo. Projeto e missão: o movimento folclórico brasileiro – 1947-1964. Rio de Janeiro: Editora Fundação Getúlio Vargas, 1997.

Downloads

Publicado

2019-12-16

Como Citar

Ventura Ferreira, E. C. . (2019). A questão racial e a identidade negra na produção intelectual da Campanha de Defesa do Folclore Brasileiro: a Revista Brasileira de Folclore e o Museu da Campanha de Defesa do Folclore Brasileiro (1961-1974). Artcultura, 21(39), 173–185. https://doi.org/10.14393/artc-v21-n39-2019-52034

Edição

Seção

Artigos