Leituras da modernidade: Kant, Baudelaire e Foucault

Autores

  • Marcos Antonio de Menezes

DOI:

https://doi.org/10.14393/ArtC-V18n33-2016-2-02

Resumo

A atitude de modernidade, de se questionar o presente em que se vive, tem desafiado a filosofia e a história nos últimos dois séculos. Kant, Benjamin e Foucault apresentaram, cada um à sua maneira, uma expressão original a respeito do tema. Baudelaire, em vez de proceder à simples justaposição de leituras, foi capaz de oferecer a Benjamin e a Foucault a oportunidade de fazer um diagnóstico, de reativar uma abordagem analítica e crítica do presente. A partir da obra do poeta de Les fleurs du mal, a questão da modernidade e, mais especificamente, como temática geral, sua ambiguidade, sua crise e sua "crítica" foram analisadas como forma de reacender uma análise crítica do presente. Nesse movimento, empreendeu-se um retorno a Kant.

Palavras-chave: modernidade; presente; crítica.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Marcos Antonio de Menezes

Doutor em História pela Universidade Federal do Paraná (UFPR). Professor do Instituto de História da Universidade Federal de Goiás (UFG)- campus Jataí e do Programa de Pós-graduação em História da UFG-campus Goiânia. Autor, entre outros livros, de O poeta da vida moderna: história e literatura em Baudelaire. Curitiba: CRV, 2013.

Downloads

Publicado

2017-03-27

Como Citar

de Menezes, M. A. (2017). Leituras da modernidade: Kant, Baudelaire e Foucault. Artcultura, 18(33). https://doi.org/10.14393/ArtC-V18n33-2016-2-02

Edição

Seção

Minidossiê: Entre a Modernidade e a Contemporaneidade