O RITUAL DO JONGO E O IMAGINÁRIO MÍTICO AFROBRASILEIRO

Autores

  • Ricardo Mattos Universidade de São Paulo

DOI:

https://doi.org/10.14393/TES-v4n1-2021-63380

Palavras-chave:

Jongo, Afro-brasileiro, Escravidão, Cultura Popular, Religião

Resumo

Analisa-se o imaginário mítico do ritual afrobrasileiro do jongo. Para o filósofo Eudoro de Souza, o ritual religioso reverbera na sensibilidade e na imaginação de seus protagonistas, expressas em versos, gestos e sons. Assim, investiga-se o jongo como ritual religioso, a partir do método etnográfico da observação participante e a memória oral dos jongueiros. Conclui-se que o imaginário mítico do jongo é composto por objetos de culto (fogueira, tambores e chocalhos), atos rituais (“saravar a ngoma”, “amuntar na calunga”), gestos mágicos (dançar da “pemba”, plantar e colher frutos), imagens míticas (tatu, terra afundada e correnteza marítima) e personagens espirituais (como o “cumba” ou “jongueiro velho”). Tal imaginário institui um canal de comunicação com os espíritos ancestrais e a ritualização de uma morte simbólica, expressa na condição de escravidão e na vinda para os cativeiros brasileiros. Contudo, a presença ancestral permite um renascimento ritual, com a viagem de retorno à mítica Aruanda e a experiência de prosperidade da vida em liberdade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ALMEIDA, J. Foliões – festas em São Luís do Paraitinga na passagem do século (1888-1918). 730 fl. 1987. Tese (Doutorado em História), Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo, São Saulo, 1987.

ANDRADE, M. O samba rural paulista. Revista do Arquivo Municipal de São Paulo, n. VXLI, novembro, 1937. p. 37-116.

ARAÚJO, A. M. Folclore Nacional (Volume II – Danças, Recreação, Música). São Paulo: Melhoramentos, 1964. 456 p.

ARAÚJO, A. M. Muquirão. Fundamentos, n. 9-10, São Paulo, março-abril, 1949. p. 158-167.

ASSOCIAÇÃO CULTURAL CACHOERA! Inventário Jongo no sudeste. Brasília: Livro das Formas de Expressão / IPHAN, 2005.

BATALHA, L. Costumes Angolenses. Lisboa: Companhia Nacional Editora, 1890. 62 p.

BORGES, P. A. E. Imaginário e mitologia. Em: ARAÚJO, Alberto Felipe; BAPTISTA, Fernando Paulo (Coords.). Variações sobre o imaginário. Lisboa: Instituto Piaget, 2003. p. 45-70.

CAVAZZI, G. A. Relation historique de l’Ethiopie occidentale. Paris: Charles Delespine, 1732.

INSTITUTO DO PATRIMÔNIO HISTÓRICO E ARTÍSTICO NACIONAL. Jongo no sudeste. (Dossiê Iphan; 5). Brasília, DF: Iphan, 2007. 92 p.

Jongo em Cunha + ou – 25 anos atrás. Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=BuLZVPmBUb4>. Acesso em 10 outubro 2018.

LIMA, R. T. Folclore de São Paulo (melodia e ritmo). 2. ed. São Paulo: Ricordi, 1954/1961.

MACHADO FILHO, A. M. O negro e o garimpo em Minas Gerais. Belo Horizonte: Itatiaia; São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 1985. 141 p. (Reconquista do Brasil; v.88).

MATTOS, H.; ABREU, M. Pelos caminhos do jongo e do caxambu: história, memória e patrimônio. Niterói: UFF;NEAMI, 2009. 66 p.

MELCHERT, A. C. L. O desate criativo: estruturação da personagem a partir do método BPI (Bailarino-Pesquisador-Intérprete). 158 f. 2007. Dissertação (Mestrado em Artes), Instituto de Artes da Universidade Estadual de Campinas, 2007.

RAMOS, A. O folclore negro do Brasil. Rio de Janeiro: Casa do Estudante, 1935. 264 p.

RAYMOND, L. C. Algumas danças populares no Estado de São Paulo. Boletim da Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras da Universidade de São Paulo, boletim n. 191, Sociologia n. 6, 1954. 128 p.

REDINHA, J. Instrumentos musicais de Angola: sua construção e descrição. Coimbra: Universidade de Coimbra/Centro de Estudos Africanos, 1984. 230 p.

Referência oculta do autor, 2016.

Referência oculta do autor, 2019.

RIBEIRO, M. L. B. A influência da cultura angolense no Vale do Paraíba. Revista Brasileira de Folclore, n. 21, maio/agosto de 1968, p. 155-172.

RIBEIRO, M. L. B. O jongo. Revista do Arquivo Municipal, 1960. p. 165-235.

SARMENTO, A. Os sertões d’África: apontamentos de viajem. Lisboa: Francisco Arthur da Silva, 1880. 231 p.

SLENES, R. W. “Malungu, ngoma vem!”: África coberta e descoberta no Brasil. Revista icUSP, n. 12, 1992, p. 48-67.

SLENES, R. W. Na senzala, uma flor: esperanças e recordações na formação da família escrava – Brasil Sudeste, século XIX. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1999. 288 p. (Coleção Histórias do Brasil).

SLENES, R. W. “Eu venho de muito longe, eu venho cagando”: jongueiros cumba na senzala centro-africana. Em: LARA, Silvia Hunold; PACHECO, G. Memória do jongo: as gravações históricas de Stanley J. Stein – Vassouras, 1949. Rio de Janeiro: Folha Seca; Campinas: CECULT, 2007. p. 109-156.

SLENES, R. W. Saint Anthony at the crossroads in Kongo and Brazil: “creolization” and identity politics in the Black South Atlnatic, ca. 1700/1850. Em: SANSONE, L.; SOUMONNI, E.; BARRY, B. Africa, Brazil and the construction of trans-atlantic black identities. Africa World Press, 2008. p. 209-254.

SOUSA, E. Mitologia I: mistério e surgimento do mundo. 2 ed. Brasília: Editora UNB, 1988a.

SOUSA, E. Mitologia II: História e Mito. 2 ed. Brasília: Editora UNB, 1988b.

SOUZA, E. Origem da poesia e da mitologia no drama ritual. Em: SOUZA, Eudoro de. Origem da Poesia e da Mitologia e outros ensaios dispersos. Lisboa: Imprensa Nacional-Casa da Moeda, 2000. p. 32-106.

SPIX, J.B.; MARTIUS, C.F.P. Von, Viagem pelo Brasil, Belo Horizonte/São Paulo, Itatiaia/Edusp, 1981, vol. 1. p. 180, batuque em SP 1817.

STEIN, S. J. Vassouras: um município brasileiro do café, 1850-1900. (Vera Bloch Wrobel). Rio de Janeiro, Nova Fronteira, 1990. 361 p.

Downloads

Publicado

2022-01-16

Como Citar

MATTOS, R. O RITUAL DO JONGO E O IMAGINÁRIO MÍTICO AFROBRASILEIRO. Téssera, [S. l.], v. 4, n. 1, p. 115–131, 2022. DOI: 10.14393/TES-v4n1-2021-63380. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/tessera/article/view/63380. Acesso em: 21 maio. 2022.