O FEMININO MALDITO EM ANTICRISTO, DE LARS VON TRIER

UMA LEITURA A PARTIR DA TEORIA DO IMAGINÁRIO

Autores

DOI:

https://doi.org/10.14393/TES-v4n1-2021-63364

Palavras-chave:

Anticristo, Lars von Trier, Imaginário, Feminino maldito, Mitos fundadores

Resumo

Este ensaio propõe uma leitura do filme Anticristo, de 2009, escrito e dirigido por Lars von Trier, a partir da teoria do imaginário, entendida aqui a partir dos estudos de Durand (2012). Nesse movimento de leitura, este trabalho se aproxima metodologicamente da mitocrítica, embora não a estejamos seguindo à risca. O cinema é tomado enquanto uma tecnologia do imaginário, na medida em que mobiliza imagens e afetos. O filme escolhido é especial, pois opera numa lógica simbólica e imagética, psicanalítica, abandonando o “realismo” para dar lugar ao devaneio, ao sonho e às manifestações do inconsciente. A partir da análise, evidencia-se que regendo o filme encontra-se o imaginário de um feminino maldito herdado dos mitos fundadores judaico-cristãos (Lilith, Eva), que culmina, na Idade Moderna, na figura da bruxa.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Jessé Antunes Torres, Universidade do Sul de Santa Catarina (Unisul)

Doutorando em Ciências da Linguagem (Universidade do Sul de Santa Catarina – Unisul), linha de pesquisa Linguagem e Cultura. Mestre em Ciências da Linguagem (Unisul). Graduado em Jornalismo (Universidade Federal de Santa Catarina – UFSC). E-mail: jessehtorres@gmail.com

Referências

AGOSTINI, A. N. Algumas considerações sobre postura ética em psicoterapia de orientação analítica. Rev. Bras. Psicoter., v. 15, n. 1, p. 46-58, 2013.

ALMEIDA, R. de. Cinema e os imaginários contemporâneos. Memorare, Tubarão, v. 7, n. 3, p. 39-49, set./dez. 2020.

ANTICRISTO. Roteiro e direção de Lars von Trier. Zentropa/Califórnia Filmes, 2009. 1 DVD (109 min), son., color.

BACHELARD, G. A poética do espaço. São Paulo: Martins Fontes, 2008.

BULFINCH, T. O livro de ouro da mitologia (A idade da fábula). 27. ed. Rio de Janeiro: Ediouro, 2002.

CAMPBELL, J. O herói de mil faces. São Paulo: Pensamento, 2007.

CHEVALIER, J.; GHEERBRANT, A. (Org.). Diccionario de los símbolos. Barcelona: Herder, 1986.

DURAND, G. As estruturas antropológicas do imaginário. 4. ed. São Paulo: WMF Martins Fontes, 2012.

FARIA, P. M. de. O feminino mal-dito como abertura ao pensamento poético. Rio de Janeiro. 2018. 139 f. Tese (Doutorado em Artes) - Universidade do Estado do Rio de Janeiro.

FERREIRA-SANTOS, M.; ALMEIDA, R. de. Aproximações ao imaginário. 2. ed. São Paulo: FEUSP, 2020.

FLUSSER, V. A consumidora consumida. Comentário, Rio de Janeiro, v. 13, n. 51, p. 35-46, jul./set. 1972.

FREUD, S. Luto e melancolia (1917 [1915]). In: FREUD, S. A história do movimento psicanalítico, artigos sobre metapsicologia e outros trabalhos. Rio de Janeiro: Imago, 1974. p. 275-292.

GÊNESIS. Português. In: Bíblia de Jerusalém. Ed. rev. aum. São Paulo: Paulus, 2002.

JUNG, C. G. Chegando ao inconsciente. In: JUNG, C. et al. O homem e seus símbolos. 3. ed. Rio de Janeiro: HarperCollins, 2016. p. 15-132.

KELLY, H. A. Satã: uma biografia. São Paulo: Globo, 2008.

LADEIRA, C.; LEITE, B. Inquisição, Idade Moderna e as bruxas: as mulheres em chamas. Superinteressante, São Paulo, ano 7, n. 2, ed. 65, fev. de 1993.

LEVI, P. Lilith. In: LEVI, P. 71 contos de Primo Levi. São Paulo: Cia. das Letras, 2005.

MATEUS. Português. In: Bíblia de Jerusalém. Ed. rev. aum. São Paulo: Paulus, 2002.

NIETZSCHE, F. O anticristo. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2016.

SILVA, J. M. da. Cinco versões de imaginário. Memorare, Tubarão, v. 7, n. 3, p. 8-14, set./dez. 2020.

STUDART, H. Mulher: objeto de cama e mesa. 17. ed. Petrópolis: Vozes, 1987.

Downloads

Publicado

2022-01-16

Como Citar

ANTUNES TORRES, J. O FEMININO MALDITO EM ANTICRISTO, DE LARS VON TRIER : UMA LEITURA A PARTIR DA TEORIA DO IMAGINÁRIO. Téssera, [S. l.], v. 4, n. 1, p. 132–152, 2022. DOI: 10.14393/TES-v4n1-2021-63364. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/tessera/article/view/63364. Acesso em: 21 maio. 2022.