Metamorfoses: deslocamento e pertencimento em “Tudo são histórias de amor”, de Dulce Maria Cardoso

Autores

DOI:

https://doi.org/10.14393/TES-v0n0-2021-61194

Palavras-chave:

Dulce Maria Cardoso, Retornados, Deslocamento, Pertencimento, Pós-moderno

Resumo

Neste artigo, propõe-se uma leitura do conto “Tudo são histórias de amor”, da autora portuguesa Dulce Maria Cardoso, a partir de suas múltiplas camadas textuais, entendendo-as como partes do processo de (re)construção do sujeito que narra. A narradora, que se apresenta como Jinja, uma ex-cadela de rua, diz ter “entrado na cabeça” de Dulce quando esta escrevia um texto sobre Lisboa, o “Metamorfoses”. Jinja e Dulce, dividindo a voz, também se identificam à própria Dulce Maria Cardoso, que se insere no texto a partir de índices autobiográficos referentes à sua vivência do exílio, tendo sido “retornada”. A narradora, então, sendo aqui descrita como um sujeito fragmentado, deslocado e descentralizado (HUTCHEON, 1991; SAID, 2004; HALL, 2006), usa de diversas estratégias literárias para escrever sobre as “dimensões simultâneas” (SAID, 2003, p. 59) que experencia ao mesmo tempo em que passa a pertencer a Lisboa.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Larissa Fonseca e Silva, Universidade Federal de São João del-Rei

Mestranda em Teoria Literária e Crítica da Cultura, Linha de Pesquisa LMC (Literatura e Memória Cultural) no PROMEL (Programa de Mestrado em Letras da UFSJ), desenvolvendo o projeto de dissertação intitulado "Os ponteiros que nos situam: memória, tédio e identidade no romance Campo de Sangue, de Dulce Maria Cardoso". Licenciada em Letras - Língua Portuguesa e suas Literaturas pela UFSJ (Universidade Federal de São João del-Rei) e graduanda em Letras - Língua Inglesa e suas Literaturas também pela UFSJ. Possui, dentre os interesses de pesquisa, Literaturas Contemporâneas em Língua Portuguesa (especialmente Literatura Portuguesa e de autoria feminina). E-mail para contato: larissafonsil@yahoo.com.br

Referências

CARDOSO, Ana Maria Leal; RIBEIRO, Maria Goretti. A jornada do herói e da heroína: uma discussão analógica à luz da mitopsicocrítica. In: Téssera, Uberlândia, v.1, n.1, p.58-74, 2018.

CARDOSO, Dulce Maria. Tudo são histórias de amor. In: CARDOSO, Dulce Maria. Tudo são histórias de amor. Rio de Janeiro: Tinta-da-china Brasil, 2017

FAEDRICH, Anna. Autoficção: um percurso teórico. Criação & Crítica, n. 17, p. 30-46, 2016.

FIGUEIREDO, Isabela. Caderno de memórias coloniais. São Paulo: Todavia, 2018.

GUERRA, Amílcar. Questões míticas, literárias, toponímicas e étnicas da Lisboa pré-romana. In: Amílcar Guerra, Maria Conceição Freitas, & Mário Cachão (Eds.). Lisboa romana, Felicitas Iulia Olisipo: território e memória. Caleidoscópio: Casal de Cambra, 2020.

HALL, Stuart. A identidade cultural na pós-modernidade. Tradução de Tomaz Tadeu da Silva e Guacira Lopes Louro. 11 ed. Rio de Janeiro: DP&A editora, 2006.

HOMERO. Odisseia. Tradução de Frederico Lourenço. São Paulo: Penguin Classics Companhia das Letras, 2011.

HUTCHEON, Linda. “Descentralizando o pós-moderno: o ex-cêntrico”. In: HUTCHEON, Linda. Poética do pós-modernismo: história, teoria, ficção. Tradução de Ricardo Cruz. Rio de Janeiro: Imago Ed., 1991.

KNOX, Bernard. Introdução. In: HOMERO. Odisseia. Tradução de Frederico Lourenço. São Paulo: Penguin Classics Companhia das Letras, 2011, p. 7-93.

LEJEUNE, Philippe. “O pacto autobiográfico”. In: LEJEUNE, Philippe. O pacto autobiográfico; de Rousseau à Internet. Belo Horizonte: Ed. UFMG, 2008, p. 13-47.

______. Autoficções & Cia. In: NORONHA, Jovita Maria Gerheim (Org.). Ensaios sobre a autoficção. Tradução de Jovita Maria Gerheim Noronha e Maria Inês Coimbra Guedes. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2014, p. 21-37.

PESSOA, Fernando. Primeiro/Ulysses. In: PESSOA, Fernando. Mensagem. Obra poética de Fernando Pessoa - volume 1. Rio de Janeiro: Editora Nova Fronteira, 2016, p. 20.

PUGA, Rogério Miguel. A odisseia de um mito: diálogos intertextuais em

torno da fundação de Lisboa por Ulisses nas literaturas anglófonas. Ágora Estudos Clássicos em Debate, Aveiro, n. 13, p. 145-175, 2011.

SAID, Edward. Reflexões sobre o exílio. In: SAID, Edward. Reflexões sobre o exílio e outros ensaios. São Paulo: Companhia das Letras, 2003. p.46-60.

SANTOS, Boaventura de Sousa. Entre Próspero e Caliban - colonialismo, pós-colonialismo e interidentidade. Novos estudos CEBRAP, n. 66, p. 23-52, 2003.

SHIBATA, Ricardo Hiroyuki. Uma cidade e tantos vícios. imagem de Lisboa à época das navegações portuguesas. Revista Philologus, Rio de Janeiro, ano 24, n. 72, p. 217-232, 2018.

TOLENTINO, Eliana da Conceição. Retorno e retornados - um não lugar, um não estar. In: XV Congresso Internacional da ABRALIC - textualidades contemporâneas, 2017, Rio de Janeiro. Anais eletrônicos do XV Congresso Internacional da ABRALIC - textualidades contemporâneas, 2017. v. 4. p. 6049-6059.

Downloads

Publicado

2021-07-30

Como Citar

FONSECA E SILVA, L. Metamorfoses: deslocamento e pertencimento em “Tudo são histórias de amor”, de Dulce Maria Cardoso. Téssera, [S. l.], p. 64–80, 2021. DOI: 10.14393/TES-v0n0-2021-61194. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/tessera/article/view/61194. Acesso em: 24 set. 2022.