O aterrorizante feminino

uma simbólica da mulher enquanto agente desviante

Autores

DOI:

https://doi.org/10.14393/TES-v0n0-2021-61011

Palavras-chave:

Imaginário, Simbolismo, Imagem

Resumo

Partindo de uma análise mítico-simbólica, com o aporte de Mircea Eliade, este artigo busca refletir acerca da sobrevivência deste acervo imaginário na construção imagética do corpo feminino, focando em suas ambiguidades e manifestações na imagem contemporânea.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Camila Pordeus, UFPE

Mestranda no PPGCOM da UFPE; Graduanda em Cinema e Audiovisual pela mesma instituiç˜ão. Entre meus principais interesses estão o campo de estudo do imaginário, história das religiões, experiência estética e cultura visual. Email: camilapordeus@gmail.com

 

 

 

Referências

BATAILLE, Georges. O Erotismo. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2017.

BOUREAU, Alain. Satã Herético: O Nascimento da Demonologia na Europa Medieval (1260-1350). Campinas, SP: Unicamp, 2016.

CARVALHO, Raimundo Nonato Barbosa de. Metamorfoses em tradução, 2010. Dissertação (Mestrado) Curso de Pós-Graduação em Letras Clássicas e Vernáculas, USP, São Paulo, 2010.

DELUMEAU, Jean. História do Medo no Ocidente 1300-1800: uma cidade sitiada. São Paulo: Companhia das Letras, 2009.

DELUMEAU, Jean. Uma História do Paraíso: O Jardim das Delícias. Lisboa: Terramar, 1994.

DURAND, Gilbert. As estruturas antropológicas do Imaginário. São Paulo: Editora WMF Martins Fontes, 2012.

ECO, Umberto. História da Feiúra. Rio de Janeiro: Editora Record, 2015.

ELIADE, Mircea. Histórias das crenças e das ideias religiosas, volume I: da Idade da Pedra aos mistérios de Elêusis. Rio de Janeiro: Zahar, 2010.

ELIADE, Mircea. Mito e Realidade. São Paulo: Perspectiva, 2016a.

______________. Tratado de História das religiões. São Paulo: Editora WMF Martins Fontes, 2016b.

______________. O Sagrado e o Profano. São Paulo: Editora WMF Martins Fontes, 2018.

______________. Imagens e símbolos: Ensaio sobre o simbolismo mágico-religioso. São Paulo: Martins fontes - selo Martins, 2012.

GIRARD, René. A violência e o sagrado. São Paulo: Editora Universidade Estadual Paulista, 2008.

HAN, Byung-Chul. The Disappearance of Rituals: A topology of the present. Cambridge: Polity, 2020.

LAROCCA, Gabriela Muller. A Representação do Mal Feminino no Filme A Bruxa (2016). Revista GÊNERO, v.19, p-88-109, 2018.

MINOIS, Georges. Les Origines du Mal: une histoire du péché originel. Domont: Fayard,2019.

MULVEY, Laura. ​Prazer Visual e Cinema Narrativo. ​In: XAVIER, Ismail. A experiência do cinema. São Paulo: Paz e Terra, 2018.

RICOEUR, Paul. A Simbólica do Mal. Lisboa: Edições 70, 2017.

RIES, Julien. Mito e Rito: As Constantes do Sagrado. Petrópolis, RJ: Vozes, 2020.

SLOTERDIJK, Peter. Esferas I: Bolhas. São Paulo: Estação Liberdade, 2016.

TILLICH, Paul. Dynamics of Faith. New York: Harper Torchbook, 1958.

VEGA, Pedro Àngel Fernández. Bacanales: El mito, el sexo y la caza de brujas. Madrid: Siglo España Editores, S.A.,2018.

Downloads

Publicado

2021-07-30

Como Citar

PORDEUS, C. O aterrorizante feminino: uma simbólica da mulher enquanto agente desviante . Téssera, [S. l.], p. 22–42, 2021. DOI: 10.14393/TES-v0n0-2021-61011. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/tessera/article/view/61011. Acesso em: 24 set. 2022.