Metáforas da nação e a experiência migrante em Luanda, Lisboa, Paraíso e Também os brancos sabem dançar

Autores

  • Adriano Carlos Moura IFFluminense

DOI:

https://doi.org/10.14393/TES-v0n0-2021-60793

Palavras-chave:

Djaimilia Pereira de Almeida, Kalaf Epalanga, Metáfora, Migração, Nacionalismo

Resumo

As diásporas africanas e as migrações contribuíram para a produção de uma literatura protagonizada por sujeitos cuja experiência de deslocamento e o sentimento de não pertencimento manifestam a necessidade de construção de uma identidade atinente às exigências do novo território. Como ser estrangeiro, sentindo-se em casa? As metáforas da nação são um conceito que visa refletir sobre signos que permitem ao cidadão fora de seu território de origem manter o vínculo com os elementos que fizeram parte da construção de sua identidade nacional como língua, música, literatura. O estudo é realizado a partir das vivências dos personagens dos romances Luanda, Lisboa, Paraíso, de Djaimilia Pereira de Almeida e Também os brancos sabem dançar, de Kalaf Epalanga. Inicialmente elabora-se uma discussão teórica para a formulação do conceito de metáfora da nação, com base na Teoria Literária que, num diálogo interdisciplinar com outras áreas de conhecimento como a Sociologia, Geografia, Filosofia e História, analisa a presença dessas metáforas na vida dos personagens-migrantes.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ALMEIDA, Djaimilia Pereira. Esse cabelo: a tragicomédia de um cabelo crespo que cruza fronteiras. Rio de Janeiro: Leya, 2017.

______.Luanda, Lisboa, Paraíso. São Paulo: Companhia das Letras, 2019

ANDERSON, Benedict. Comunidades imaginadas. São Paulo: Companhia das Letras, 2008.

BHABHA, Homi. O local da cultura. Belo Horizonte: Ed. UFMG, 1998.

BAUMAN, Zygmunt. Estranhos à nossa porta. Rio de Janeiro: Zahar, 2017.

BUTLER, Judith; SPIVAK, Gayatri Chakravorty. Quem canta o estado-nação? Brasília: Editora UnB, 2018.

EPALANGA, Kalaf. Também os brancos sabem dançar. São Paulo: Todavia, 2018.

FANON, Frantz. Pele negra máscaras brancas. Salvador: EDUFBA, 2008.

HAESBAERT, Rogério. O mito da desterritorialização: do “fim dos territórios” à multiterritorialidade. 10. ed. Rio de Janeiro: Betrand Brasil, 2016.

HOBSBAWM, Eric. Nações e nacionalismos desde 1780. 6. ed. São Paulo: Paz e Terra, 2013.

KANDJIMBO, Luís. Alumbu – O cânone endógeno no campo literário angolano para uma hermenêutica cultural. Luanda: Mayamba Editora, 2019.

LIMA, Norma Sueli. Esse cabelo em Luanda, Lisboa Paraíso: Djaimilia Pereira de Almeida e a experiência do desenraizamento na tentativa de integração. Convergência Lusíada. Rio de Janeiro | v. 31, n. 43 | p.12-24 | jan.-jun. 2020

Disponível em: https://www.convergencialusiada.com.br/rcl/article/view/375/292. Acesso em: 13 abril 2021.

MAUSS, Marcel. A nação. São Paulo: Três Estrelas, 2017.

MBEMBE, Achille. Políticas da inimizade. Lisboa: Antígona, 2017.

MEMMI, Albert. Retrato do colonizado precedido pelo retrato do colonizador. 2. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1977.

METÁFORA. In: E-Dicionário de termos literários, 2010. Disponível em: http://edtl.fcsh.unl.pt/encyclopedia/metafora/. Acesso: 19 ago. 2019.

MOURA, Adriano Carlos. Autobiografia: gênero literário ou forma de recepção? Miguilim Revista Eletrônica do Netlli, Crato, v. 3, n. 2, p. 142-152, mai.-ago. 2014.

PEPETELA. Mayombe. Rio de Janeiro: Leya, 2013.

SANTOS, Boaventura de Sousa. Pela mão de Alice: o social e o político na pós-modernidade. 14 ed. São Paulo: Cortez, 2013.

SPINA, Segismundo. Ensaios de Crítica Literária. São Paulo: Edusp, 2010.

Downloads

Publicado

2021-07-30

Como Citar

MOURA, A. C. Metáforas da nação e a experiência migrante em Luanda, Lisboa, Paraíso e Também os brancos sabem dançar. Téssera, [S. l.], p. 7–21, 2021. DOI: 10.14393/TES-v0n0-2021-60793. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/tessera/article/view/60793. Acesso em: 16 ago. 2022.