O absurdo existencial em Horacio Quiroga

uma análise da natureza à luz do conceito de topoanálise de Gaston Bachelard

Autores

  • Ayanne Larissa Almeida de souza Mestranda em Literatura e Estudos Culturais pelo Programa de Pós-Graduação em Literatura e Interculturalidade da Universidade Estadual da Paraíba (UEPB).

DOI:

https://doi.org/10.14393/TES-v3n2-2021-58413

Palavras-chave:

Literatura, Filosofia, Horacio Quiroga, Poética do Espaço, Absurdo Existencial

Resumo

O objetivo do presente artigo é investigar de que maneira a natureza se configura enquanto espaço inóspito e indiferente à existência humana no conto A la deriva, de Horacio Quiroga, expressando o que o filósofo franco-argelino, Alberto Camus, denominou de absurdo existencial. Conforme Camus, o absurdo da existência nasce da convivência simultânea da consciência humana em face de um mundo ao qual tenta ordenar. A busca implacável e incansável do indivíduo por um sentido existencial provoca uma fratura que reconhecemos como o absurdo. É a impotência que temos de pensar com os nossos conceitos e com as nossas palavras os acontecimentos do mundo fora de nossas consciências. Dessa forma, pretendemos apresentar de que forma a filosofia de Camus se traduz na natureza de Quiroga mediante a análise do espaço natural na obra do autor à luz do conceito de topoanálise trazido por Gaston Bachelard.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ayanne Larissa Almeida de souza, Mestranda em Literatura e Estudos Culturais pelo Programa de Pós-Graduação em Literatura e Interculturalidade da Universidade Estadual da Paraíba (UEPB).

Atualmente é mestranda em Literatura e Estudos Culturais pelo Programa de Pós-Graduação em Literatura e Interculturalidade da Universidade Estadual da Paraíba (UEPB). Graduada em História pela mesma instituição.

Referências

BACHELARD, Gaston. A água e os sonhos – Ensaio sobre a imaginação da matéria. 2.ed. Tradução de Antônio de Pádua Danesi. São Paulo: Martins Fontes: 1998.

_______________. A poética do espaço. In: ________. A filosofia do Não; O novo espírito científico; A poética do espaço. Tradução de Joaquim José Moura Ramos et al. São Paulo: Abril Cultural, 1978. Coleção Os Pensadores.

BARRETO, Vincente. Camus – Vida e Obra. Estado da Guanabara, Brasil: José Álvaro Editor S.A., 1976.

CAMUS, Albert. O mito de Sísifo – Ensaio sobre o absurdo. Tradução de Ari Roitman e Paulina Watch. 8.ed. Rio de Janeiro: Bestbolso, 2017.

CIRLOT, Jean-Eduardo. Diccionario de los símbolos. 2.ed. Barcelona: Editorial Labor, 1992.

GOLACHECA, José. Horacio Quiroga huyó de su destierro. In: QUIROGA, Horacio. Cuentos de amor de locura y de muerte. 9. ed. Madrid: S. L., 2017. pp. 5-10.

HUSSERL, Edmund. A ideia da fenomenologia. Tradução de Artur Morão. Lisboa: Edições 70, 1978.

LYOTARD, Jean-François. A fenomenologia. Tradução de André Eirado e Virgínia Kastrup. Lisboa: Edições 70, 2008.

MONEGAL, Emir Rodríguez. Prólogo. In: QUIROGA, Horacio. Cuentos. Caracas: Biblioteca Atacucho, 2004.

MOUNIER, Emmanuel. L’espoir des désespérés: Malraux, Camus, Sartre, Bernanos. Paris: Éditions du Seuil, 1972.

QUIROGA, Horacio. Cuentos de amor de locura y e muerte. Ciudad Autónoma de Buenos Aires: Ediciones B, 2017.

Downloads

Publicado

2021-06-25

Como Citar

ALMEIDA DE SOUZA, A. L. O absurdo existencial em Horacio Quiroga : uma análise da natureza à luz do conceito de topoanálise de Gaston Bachelard. Téssera, [S. l.], v. 3, n. 2, p. 5–24, 2021. DOI: 10.14393/TES-v3n2-2021-58413. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/tessera/article/view/58413. Acesso em: 21 maio. 2022.

Edição

Seção

Artigos