O menino e sua mãe

olhares poéticos em Memórias Inventadas

Autores

DOI:

https://doi.org/10.14393/TES-v3n1-2020-57402

Palavras-chave:

Manoel de Barros, Mulher, Memória

Resumo

O espaço físico na poesia de Manoel de Barros, o Pantanal, é delineado em uma poética que transfiguram o imaginário, ao falar de espaço é necessário que falemos de seus moradores, dessa forma, a figura feminina será o destaque na pesquisa em torno da obra Memórias Inventadas. Além disso, por tratarmos de lugar é impossível não discorrer sobre tempo passado, a memória, já que as recordações partem da infância.  Para o eu lírico, a infância vivida no Pantanal deixa vestígios que se transforma em matéria de poesia.  

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

AGUIAR, V. T. de. O verbal e o não verbal. (Col. Paradidáticos; Série Poder). São Paulo: UNESP, 2004.

ALVAREZ FERREIRA, A. E. Dicionário de imagens, símbolos, mitos, termos e conceitos Bachelardianos [livro eletrônico]. Londrina: Eduel, 2013. Disponível em: <http://www.uel.br/editora/portal/pages/arquivos/dicionario%20de%20imagem_digital.pdf>. Acesso em: 19 set. 2020.

BACHELARD, Gaston. A poética do devaneio. São Paulo: Marins Fontes, 1996.

BARROS, M. de. Memórias inventadas: a infância. São Paulo: Planeta, 2003.

______. Memórias inventadas: a segunda infância. Iluminuras de Martha Barros. São Paulo: Editora Planeta do Brasil, 2006.

______. Memórias inventadas: a terceira infância. Iluminuras de Martha Barros. São Paulo: Editora Planeta do Brasil, 2008.

______. Memórias inventadas: as infâncias de Manoel de Barros. Iluminuras de Martha Barros. São Paulo: Editora Planeta do Brasil, 2008.

______. Menino do Mato. 1 ed. Rio de Janeiro: Objetiva, 2015.

______. Poesia Completa. São Paulo: LeYa, 2013.

BERGSON, H. Matéria e Memória. São Paulo: Martins Fontes, 1999.

______. Matéria e Memória: ensaio sobre a relação do corpo com o espírito. São Paulo: Martins Fontes, 2006.

CHEVALIER, J.; GHEERBRANT, A. Dicionário de Símbolos: (mitos, sonhos, costumes, gestos, formas, figuras, cores, números). Coordenação de Carlos Sussekind; Tradução de Vera da Costa e Silva et al. 29. ed. Rio de Janeiro: José Olympio, 2016.

MARTINS, W. R. M. O. A poética de Manoel de Barros atravessa gerações: Do Modernismo ao contemporâneo. UNESP/Araraquara. Disponível em: <http://ebooks.pucrs.br/edipucrs/Ebooks/Web/978-85-397-0198-8/Trabalhos/108.pdf>. Acesso em: 19 set. 2020.

SILVA, F. M. da. História e Literatura: interpretações sobre a poética de Manoel de Barros Coletâneas do Nosso Tempo, Rondonópolis, v. 7, n. 7, p. 51-66, 2008.

SUTTANA, R. Uma poética do deslimite: poema e imagem na Obra de Manoel de Barros. Dourados: UFGD, 2009.

TEIXEIRA, N. C. R. B. Escrita de mulheres e (des)construção do cânone literário na pós-modernidade: cenas paranaenses. Guarapuava: Unicentro, 2008.

Downloads

Publicado

2020-12-02

Como Citar

RAMOS, R. de C. L.; CECILIA RIBAS BORGES TEIXEIRA, N. . . O menino e sua mãe: olhares poéticos em Memórias Inventadas. Téssera, [S. l.], v. 3, n. 1, p. 114–129, 2020. DOI: 10.14393/TES-v3n1-2020-57402. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/tessera/article/view/57402. Acesso em: 3 dez. 2022.