A figura da velha fiandeira na tessitura de caminhos na obra A Princesa e o Goblin de George Macdonald

Autores

DOI:

https://doi.org/10.14393/TES-v3n1-2020-57014

Palavras-chave:

Imaginário, Mitologia, Fiandeiras, Conto de Fadas, Personagem

Resumo

Este artigo pretende fazer uma leitura da personagem “Velha Senhora”, da obra A princesa e o goblin, publicada pela primeira vez em 1872, por George MacDonald. Essa misteriosa figura, através de uma presença insólita na narrativa, tece caminhos para a personagem Irene, princesa que se encontra no centro de um plano de sequestro, para ser levada às entranhas das montanhas pelas criaturas chamadas “goblins”. Essa velha senhora será analisada aqui, através do imaginário da figura mítica da fiandeira. Para tal leitura ser realizada, será evocado neste trabalho o estudo “As fiandeiras” de Hughes Liborel, presente no livro Dicionário de mitos literários (2005). Como a personagem influencia de forma misteriosa os espaços e caminhos da história, além da viagem ascensional de Irene, traremos também estudos de Gaston Bachelard, Gilbert Durand e Novalis, para ilustrar a questão espacial, celestial e temporal na personagem em questão.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

AGAMBEN, Giorgio. Profanações. Trad. Selvino J. Assmann. São Paulo: Boitempo, 2007.

BACHELARD, Gaston. A água e os sonhos: ensaio sobre a imaginação da matéria. Trad. Antônio de Pádua Danesi. São Paulo: Martins Fontes, 1997.

BACHELARD, Gaston. A chama de uma vela. Trad. Glória de Carvalho Lins. Rio de Janeiro: Bertrand, 1989.

BACHELARD, Gaston. A poética do espaço. Trad. Antônio de Pádua Danesi. São Paulo: Martins Fontes, 1988.

BACHELARD, Gaston. A terra e os devaneios do repouso: ensaio sobre as imagens da intimidade. Trad. Paulo Neves da Silva São Paulo: Martins Fontes, 1990.

BORGES, Jorge Luis. GUERRERO, Margarita. O livro dos seres imaginários. Trad. Carmen Vera Cirne Lima. São Paulo: Globo, 2000.

CAMPELLO, Eliane. A tessitura da escrita: do mito à expressão pela arte. Interdisciplinar: revista de estudos em língua e literatura. v. 7, n. III, 2008.

DURAND, Gilbert. As estruturas antropológicas do imaginário: introdução à arquetipologia geral. Trad. Hélder Godinho. São Paulo: Martins Fontes, 2012.

GAIMAN, Neil. Mitologia nórdica. Trad. Edmundo Barreiros. Rio de Janeiro: Intrínseca, 2017.

GRIMM, Jacob; GRIMM Wilhelm. A bela adormecida. In: _____ Contos de fadas de Perrault, Grimm, Andersen e outros. Trad. Maria Luiza X. de. A. Borges. Rio de janeiro: Zahar, 2010.

GRIMM, Jacob; GRIMM Wilhelm. Rumpelstiltskin. In: ____ Contos dos irmãos Grimm. Organizado, selecionada e prefaciado pela Dra. Clarrisa Pinkola Estés. Trad. Lia Wyler. Rio de Janeiro: Rocco, 2005.

HOMERO. Odisseia. Trad. Christian Werner. São Paulo: Cosac Naify, 2014.

IMBROISI, Margaret; MARTINS, Simone. As Fiandeiras, Velázquez. História das Artes, 2020. Disponível em: <https://www.historiadasartes.com/sala-dos-professores/as-fiandeiras-velazquez/>. Acesso em 13 Nov 2020.

LIBOREL, Hughes. As fiandeiras. In: Dicionário de mitos literários. Trad. Carlos Sussekind et al. Rio de Janeiro: José Olympio, 2005.

MACDONALD, George. A princesa e o goblin. Trad. Keila Litvak. São Paulo: Landy, 2003.

MACHADO, Ana. Maria. O Tao da teia: sobre textos e têxteis. Estudos Avançados, 17 (49), 173-196, 2003.

OVÍDIO. Metamorfoses. Trad. Vera Lucia Leitão Magyar. São Paulo: Madras, 2003.

NOVALIS, F. Von. H. Pólen. Trad. Rubens Rodrigues Torres Filho. São Paulo: Iluminuras, 2001.

Wilde, Lady. As mulheres chifrudas. In: _____ Os melhores contos de fadas celtas. Trad. Cláudia Mello Belhassof et al. São Caetano do sul: Editora Wish, 2020.

Downloads

Publicado

2020-12-02

Como Citar

SONCINI, G. A figura da velha fiandeira na tessitura de caminhos na obra A Princesa e o Goblin de George Macdonald. Téssera, [S. l.], v. 3, n. 1, p. 46–64, 2020. DOI: 10.14393/TES-v3n1-2020-57014. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/tessera/article/view/57014. Acesso em: 16 maio. 2022.