O Regime Noturno da Imagem na Poesia de Antero de Quental

Autores

  • Ayanne Larissa Almeida de souza Mestranda em Literatura e Estudos Culturais pelo Programa de Pós-Graduação em Literatura e Interculturalidade da Universidade Estadual da Paraíba (UEPB).

DOI:

https://doi.org/10.14393/TES-v2n2-2020-52346

Palavras-chave:

Regime Noturno da Imagem, Gilbert Durand, Antero de Quental, Friedrich Nietzsche, Arthur Schopenhauer

Resumo

Este trabalho investiga a poesia portuguesa, analisando o simbolismo do regime noturno da imagem, tomando como pressuposto a estrutura do imaginário de Gilbert Durand. Buscamos analisar, a partir de um estudo sobre a poesia de Antero de Quental, de que modo o regime imagético noturno emerge enquanto símbolo do não-ser, da eternidade, da vida como termo disfórico/negativo, enquanto a morte surge como termo eufórico/positivo. Dialogaremos com as filosofias de Friedrich Nietzsche - no que diz respeito à dimensão disonisíaca da estética nietzschiana - e de Arthur Schopenhauer, discorrendo sobre o mundo como vontade e como representação e demonstrando de que maneira essas duas filosofias dialogam com o imaginário de Durand dentro da poesia anteriana.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ayanne Larissa Almeida de souza, Mestranda em Literatura e Estudos Culturais pelo Programa de Pós-Graduação em Literatura e Interculturalidade da Universidade Estadual da Paraíba (UEPB).

Atualmente é mestranda em Literatura e Estudos Culturais pelo Programa de Pós-Graduação em Literatura e Interculturalidade da Universidade Estadual da Paraíba (UEPB). Graduada em História pela mesma instituição.

Referências

BORNHEIM, Gerd. Introdução ao Filosofar. Porto Alegre: Globo, 1998.

CHEVALIER, Jean; GHEERBRABT, Alain. Diccionario de los símbolos. Traducción de Manuel Silvar y Arturo Rodríguez. Barcelona, Es: Editorial Herder, 1986.

CIRLOT, Juan-Eduardo. Diccionario de los símbolos. Barcelona, Espanha: Editorial Labor S.A., 1992.

DURAND, Gilbert. As estruturas antropológicas do imaginário: introdução à arquetipologia geral. Tradução de Karina Jannini. 4. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2012.

HEGEL, G. W. F. A Razão na História. Tradução de Beatriz Sidou. 2.ed. São Paulo: Centauro, 2001.

HORKHHEIMER, Max. O eclipse da Razão. Tradução de Carlos Henrique Pissardo. São Paulo: Editora UNESP, 2015.

KANT, Immanuel. Crítica da Razão Pura. Tradução de Fernando Costa Mattos. Petrópolis, RJ: Vozes, 2012.

KIERKEGAARD, Søren. O Desespero Humano (Doença até a morte). Tradução de Adolfo Casais Monteiro. Coleção Os Pensadores. Rio de Janeiro: Abril Cultural, 1979.

LAPLATINE, François; TRINDADE, Liana. O que é imaginário. São Paulo: Brasiliense, 1997.

MOISÉS, Massaud. A literatura portuguesa. 29. ed. São Paulo: Editora Cultrix, 1999.

NIETZSCHE, Friedrich. A gaia ciência. Tradução de Paulo César de Souza. São Paulo: Companhia das Letras, 1992.

QUENTAL, Antero. Odes Modernas. 2.ed. Porto: Porto & Braga, 1875.

_________________. Sonetos. Porto: Livraria Portuense, 1886.

SANTAELLA, Lucia. O que é semiótica. São Paulo: Brasiliense, 2005.

SCHOPENHAUER, Arthur. O Mundo como Vontade e Representação. Tradução de M. F. Sá Correia. Rio de Janeiro: Contraponto, 2001.

Downloads

Publicado

2020-06-23

Como Citar

ALMEIDA DE SOUZA, A. L. O Regime Noturno da Imagem na Poesia de Antero de Quental. Téssera, [S. l.], v. 2, n. 2, p. 19–38, 2020. DOI: 10.14393/TES-v2n2-2020-52346. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/tessera/article/view/52346. Acesso em: 11 ago. 2022.

Edição

Seção

Artigos