Epopeia dos Sertões de William Agel de Mello: uma incursão no imaginário e ecoficção do cerrado de Goiás

Autores

  • Maria de Fátima Gonçalves Lima Pontifícia Universidade Católica de Goiás
  • Jussiara Moema Ramos de Oliveira Pontifícia Universidade Católica de Goiás

DOI:

https://doi.org/10.14393/TES-V1n1-2018-9

Palavras-chave:

Eco ficção, abelha, imagem, isomorfismo

Resumo

A proposta desse artigo é apresentar as ideais da pesquisa, que tem como objetivo aplicação de fundamentos da poética do imaginário, na eco ficção Epopeia dos Sertões de Willian Agel de Mello. A investigação analisa a obra no ponto de vista da transfiguração de momentos que envolve um recorte da história de Goiás e a construção do romance nos aspectos estético, imagético e mítico. Será considerado a importância de tais abordagens para a crítica literária, para os estudos da poética do imaginário e transfiguração da história real para o mundo mitopoético.

 

 

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Maria de Fátima Gonçalves Lima, Pontifícia Universidade Católica de Goiás

Doutora em Teoria Literária pela  UNESP  

Jussiara Moema Ramos de Oliveira, Pontifícia Universidade Católica de Goiás

Mestranda em Letras e Crítica Literária (Pontifícia Universidade Católica de Goiás /PUC-GO).

Referências

BACHELARD, Gaston. Lautrèamont/Gaston Bachelard./trad. Fábio Ferreira. Edições Ricochete. Goiânia. 2013.

BACHELARD, Gaston. A Psicanálise do Fogo./Trad. Paulo Neves. Martins Fonte. São Paulo.1994.a

BACHELARD, Gaston. O Direito de Sonhar. /Trad. José Américo Motta Pessanha. Editora Bertrand Brasil S.A. Rio de Janeiro. 1994.b

BACHELARD, Gaston. A Chama de uma Vela. / Trad. Glória de Carvalho Lins.Ed.Bertrand Brasil S.A. Rio de Janeiro. 1989

______A Poética do Devaneio. / Tradução ANTÔNIO DE PÁDUA DANESI. Martins Fontes. São Paulo 1996.

BOSI, Alfredo. O ser e o tempo da poesia. São Paulo, Cultrix, Ed. da Universidade de São Paulo, 1977.

BAUDRILLARD, Jean. Simulacros e simulação. Éditions Galilèe.Lisboa.1981.

DICIONÁRIO ON LINE. Alhada. Disponível em: < https://www.dicionarioinformal.com.br/diferenca-entre/bisbilhotice/alhada/> Acesso em: 08/09/2018.

DURAND, Gilbert. As estruturas antropológicas do imaginário. Trad. Hélder Godinho. São Paulo: Martins Fontes, 2012.

DURAND, Gilbert. Imaginação simbólica./Trad. Carlos Alboim de Brito.Edições 70 ltda. Lisboa. 1993.

MAFFESOLI, Michel. Tempo das tribos: o declínio do individualismo nas sociedades de massa. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2010.

___________.No fundo das aparências. Petrópolis: Vozes, 1996

MAFFESOLI, Michel. O Instante Eterno: o retorno do trágico nas sociedades pós-modernas. /Trad. Rogério de Almeida. Editora Zouk. São Paulo.2003

MELLO, William Agel de. Epopeia dos sertões. Obras Completas, Ars, Brasília, 2014

PAZ, Otavio. O Arco e a Lira./trad. Olga Savary. Nova Fronteira. Rio de Janeiro. 1982

ZUMTHOR, Paul. A Letra e a Voz. /Trad. Amálio Pinheiros. Companhia das Letras. São Paulo. 1993.

WIKIPÉDIA, Abelha. Disponível em: < https://pt.wikipedia.org/wiki/Abelha> Acesso em: 08/09/2018

WIKIPÉDIA Disponível em: https://pt.wikipedia.org/wiki/Mel Acesso em: 11/12/2017

Downloads

Publicado

2018-11-26

Como Citar

LIMA, M. de F. G.; DE OLIVEIRA, J. M. R. Epopeia dos Sertões de William Agel de Mello: uma incursão no imaginário e ecoficção do cerrado de Goiás. Téssera, [S. l.], v. 1, n. 1, p. 139–153, 2018. DOI: 10.14393/TES-V1n1-2018-9. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/tessera/article/view/42895. Acesso em: 27 set. 2022.