Os direitos humanos à comunicação e à informação: Reflexões a partir do Cárcere Brasiliense

Autores

  • Milena dos Santos Marra Universidade Federal de Goiás, UFG, Brasil
  • Fernando Oliveira Paulino Universidade de Brasília, UnB, Brasil https://orcid.org/0000-0002-4946-0513

DOI:

https://doi.org/10.14393/par-v4n1-2019-51865

Palavras-chave:

Direitos humanos, Direito à comunicação, Direito à informação

Resumo

Este trabalho resulta de reflexões acerca dos direitos à comunicação e à informação como direitos humanos diante da situação de privação de liberdade. Apesar da abrangência do tema, este artigo trabalhou com as penitenciárias feminina e masculina do Distrito Federal. O objetivo foi perceber como os direitos à comunicação e à informação são percebidos pelos familiares dos presidiários(as) locais e, principalmente, se são considerados como direitos humanos. Entre outros, o embasamento teórico foi dado pela concepção de “O Direito Achado na Rua” (2017), de Souza Júnior et. al. Os resultados apontaram três entendimentos: uma invisibilidade social dos direitos humanos à comunicação e à informação; o de direitos humanos reservados aos humanos direitos; e uma visão maniqueísta do sistema carcerário e simplista acerca dos direitos à comunicação e à informação.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Milena dos Santos Marra, Universidade Federal de Goiás, UFG, Brasil

Universidade Federal de Goiás, UFG, Brasil
http://lattes.cnpq.br/0547475863035302
milena.bmarra@gmail.com

Fernando Oliveira Paulino, Universidade de Brasília, UnB, Brasil

Universidade de Brasília, UnB, Brasil
https://orcid.org/0000-0002-4946-0513
http://lattes.cnpq.br/2907708501435465
paulino@unb.br

Referências

ARENDT. Hannah. A Condição Humana. 10ª ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2009.

BRASIL, Ministério da Justiça. Departamento Penitenciário Nacional. Levantamento Nacional de Informações Penitenciárias INFOPEN: 2014 – 2016. P. 4-80. Disponível em http://www.justica.gov.br/seus-direitos/politica-penal/documentos/infopen_dez14.pdf. https://doi.org/10.1086/ahr/73.3.947.

CARLEN, Pat. A reclusão de mulheres e a indústria de reintegração. Anál Soc. 2007; 42(185): 1005-19.

CEPIK, Marco. Direito à Informação: situação legal e desafios da Informática Pública. Volume 02, Issue 02, p.43-56, (2000) disponível em: www.tinyurl.com/j8tl6tj.

DINIZ, Débora. Cadeia: relatos sobre mulheres, 1a edição, Rio de Janeiro, 2015.

DUARTE, Marcia Yukiko Matsuuchi. Comunicação e cidadania, in DUARTE, Jorge (org.). Comunicação pública: Estado, governo, mercado, sociedade e interesse público. São Paulo: Atlas, 2007.

FREIRE, Paulo. Ação cultural para a liberdade. 9ª Ed. São Paulo: Paz e Terra, 2001.

FOUCAULT, Michel. Vigiar e punir: nascimento da prisão; tradução de Raquel Ramalhete. – 38. ed. – Petrópolis, RJ: Vozes, 1975.

GALLARDO, Helio. Teoria crítica: matrizes e possibilidades de direitos humanos(1a. ed.). (P. Fernandes, Trad.). São Paulo, SP: Unesp, 2014.

GOMES, Pedro Gilberto. O direito de ser: a ética da comunicação na América Latina. São Paulo: Paulinas, 1989.

GUARESCHI, Pedrinho A. O Direito Humano à Comunicação: pela democratização da mídia. Petrópolis, RJ: 2013

KOVACH, Bill e ROSENSTIEL, Tom. Os elementos do jornalismo / Bill Kovach e; tradução de Wladir Dupont. – São Paulo: Geração Editorial, 2003.

LEITE, Janaína Artero de Carvalho. O acesso à informação e a restrição imposta nas instituições penitenciárias. Trabalho de Conclusão de Curso (graduação em Direito) – Faculdades integradas Antônio Eufrásio de Toledo, Presidente Prudente/SP, 2004.

MACHADO, Cristiano. Violação do direito à saúde do preso: a prevalência da tuberculose no sistema prisional. Jusbrasil, Brasília, v. 5, n. 1, p.2-8, 17 nov. 2016.

RODRIGUES, Diogo Moyses. O direito humano à comunicação: igualdade e liberdade no espaço público mediado por tecnologias. 2010. 30 f. Dissertação (Mestrado) - Curso de Comunicação Social, Faculdade de Direito, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2010. https://doi.org/10.11606/d.2.2010.tde-15062011-151640.

PERUZZO, Cicilia Maria Khroling . Comunicação nos movimentos populares: a participação na construção da cidadania. 3 ed. São Paulo: Vozes, 2004. 342

ROLIM, Marcos. Prisão e ideologia: limites e possibilidades para a reforma prisional no Brasil. Site do Curso de Direito da UFSM. Santa Maria - RS. Disponível em: . Acesso em: 11. Ago 2006.

SILVA, Aluizio Ferreira da. Direito à informação, direito à comunicação: direitos fundamentais na constituição brasileira. São Paulo, 1997. 296 f. Tese (Doutorado em Direito Constitucional) – Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 1997. https://doi.org/10.11606/issn.2318-8235.v88i0p421-437

SOUSA JUNIOR, José Geraldo de et al (Org.). O Direito achado na rua: Introdução crítica ao Direito à Comunicação e à Informação. Brasília: Fac Livros, 2017. 8 v. Disponível em:
https://faclivros.files.wordpress.com/2017/03/faclivros_direitoachadorua8.pdf. Acesso em: 19 nov. 2017.

UNESCO. Um mundo e muitas vozes: Comunicação e informação na nossa época. Rio de Janeiro: FGV, 1983.

Downloads

Publicado

2019-12-03

Como Citar

Marra, M. dos S. ., & Paulino, F. O. . (2019). Os direitos humanos à comunicação e à informação: Reflexões a partir do Cárcere Brasiliense. Paradoxos, 4(1), 34–48. https://doi.org/10.14393/par-v4n1-2019-51865