GESTANTES COM COVID-19 E APLICAÇÃO DA ESTATÍSTICA DE VARREDURA ESPACIAL EM PERNAMBUCO

Autores

  • HINGRID WANDILLE BARROS DA SILVA SÁ Programa de Pós-graduação em Saúde Coletiva, Universidade Federal de Pernambuco https://orcid.org/0000-0001-6330-0754
  • MIRELLA BEZERRA RODRIGUES VILELA Departamento de Fonoaudiologia, Universidade Federal de Pernambuco https://orcid.org/0000-0001-5113-7144
  • CARLOS FABRÍCIO ASSUNÇÃO DA SILVA Universidade Federal de Pernambuco https://orcid.org/0000-0001-7009-8996
  • GABRIELLA MORAIS DUARTE MIRANDA Programa de Pós-graduação em Saúde Coletiva, Universidade Federal de Pernambuco https://orcid.org/0000-0001-9588-6817
  • AMANDA PRISCILA DE SANTANA CABRAL SILVA Centro Acadêmico de Vitória, Universidade Federal de Pernambuco https://orcid.org/0000-0003-2337-9925
  • CRISTINE VIEIRA DO BONFIM Pesquisadora - Fundação Joaquim Nabuco/MECDocente - Programa de Pós-graduação em Saúde Coletiva

DOI:

https://doi.org/10.14393/Hygeia2070572

Palavras-chave:

Análise espacial, COVID-19, Epidemiologia, Estudos ecológicos, Gestantes, Saúde Pública

Resumo

O objetivo do presente estudo consiste em analisar as características epidemiológicas e a distribuição espacial das gestantes com COVID-19 no estado de Pernambuco nos anos de 2020 e 2021. Trata-se de um estudo ecológico, cujas unidades de análise foram os municípios de Pernambuco. As fontes de dados foram o Sistema de Informação de Vigilância Epidemiológica da Gripe e o e-SUS Notifica. Para identificação de clusters de municípios utilizou-se a estatística de varredura espacial. Foram registrados 4.121 casos de gestantes com COVID-19, dos quais 3.646 com manifestações clínicas leves e 475 graves. A idade média foi de 28 anos. Os sintomas mais comuns foram febre e tosse. Na análise de varredura espacial, observou-se a formação de quatro clusters: um formado pelo município de Caruaru, (risco relativo [RR]= 2,86); um em Tupanatinga (RR=2,55); um que concentrou 46 municípios (RR= 1,45); e um no Recife (RR= 1,43). Os resultados identificaram áreas prioritárias para ações programáticas e organização dos serviços de saúde materno e infantil.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

HINGRID WANDILLE BARROS DA SILVA SÁ, Programa de Pós-graduação em Saúde Coletiva, Universidade Federal de Pernambuco

Possui graduação em Odontologia pela Faculdade de Odontologia de Pernambuco/ Universidade de Pernambuco (FOP-UPE) (2012), Residência em Odontologia em Saúde Coletiva (IMIP/SESAU)(2016). Residência Multiprofissional Integrada em Saúde da Família pela Faculdade de Ciências Médicas da Universidade de Pernambuco (FCM-UPE) (2019). Mestra pelo Programa de Pós-Graduação em Saúde Coletiva da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE-2023).

MIRELLA BEZERRA RODRIGUES VILELA, Departamento de Fonoaudiologia, Universidade Federal de Pernambuco

Fonoaudióloga pela Universidade Federal de Pernambuco, especialista em Gestão da Informação Aplicada à Epidemiologia pelo Instituto Aggeu Magalhães/Fiocruz, Mestre e Doutora em Saúde Coletiva pelo Instituto Aggeu Magalhães/Fiocruz. Atualmente é Professora Associada II do Departamento de Fonoaudiologia da UFPE e docente do programa de Residência Multiprofissional em Saúde da Família da UFPE. Tem experiência na área de Saúde Coletiva, com ênfase em Epidemiologia, atuando principalmente em Sistemas de Informação em Saúde, Geoprocessamento e Vigilância em saúde.

CARLOS FABRÍCIO ASSUNÇÃO DA SILVA, Universidade Federal de Pernambuco

Doutor em Engenharia Civil na área de Transporte e Gestão das Infraestruturas Urbana pela Universidade Federal de Pernambuco (2023). Mestre em Ciências Geodésicas e Tecnologias da Geoinformação pela Universidade Federal de Pernambuco (2021). Engenheiro Cartógrafo pela Universidade Federal de Pernambuco (2018). Foi Professor Substituto no Departamento de Engenharia Cartográfica da UFPE, ministrando disciplinas de Topografia, Cartografia e Geoprocessamento nos cursos de Engenharia Cartográfica e de Agrimensura, Engenharia Civil, Engenharia de Minas e Arquitetura e Urbanismo entre 2021 e 2022. Realizou estágio no setor de Divisão de Projetos de Segurança e Tecnologia - DPST, na Superintendência de Segurança Institucional da Universidade Federal de Pernambuco, confeccionando Mapas Isopléticos para a Segurança da UFPE. Tem experiência na área de Geociências, com ênfase em Geoprocessamento, Fotogrametria, Sistema de Informações Geográficas, Cartografia, Análise Espacial, Impactos socioambientais na Amazônia, Criminalidade e Sensoriamento Remoto.

GABRIELLA MORAIS DUARTE MIRANDA, Programa de Pós-graduação em Saúde Coletiva, Universidade Federal de Pernambuco

Possui graduação em Fonoaudiologia pela Universidade Federal de Pernambuco (2003), Mestrado em Saúde Pública pelo Centro de Pesquisas Aggeu Magalhães (2008) e doutorado em Saúde Pública pela Fundação Oswaldo Cruz (2015). Atualmente é Professora Adjunta do Área Acadêmica de Saúde Coletiva da Universidade Federal de Pernambuco

AMANDA PRISCILA DE SANTANA CABRAL SILVA, Centro Acadêmico de Vitória, Universidade Federal de Pernambuco

Graduada em Nutrição pela Universidade Federal de Pernambuco (2004). Especialista (2007), Mestre (2009) e Doutora (2016) em Saúde Coletiva pela Fiocruz/Pernambuco. Egressa do Programa de Treinamento em Epidemiologia Aplicada aos Serviços do Sistema Único de Saúde (Episus/Ministério da Saúde (2009-2011)). Experiência como sanitarista entre 2007 e 2018, com atuação na Secretaria de Saúde de Olinda, Secretaria de Saúde do Recife, Secretaria Estadual de Saúde e Ministério da Saúde. Ênfase em epidemiologia, vigilância em saúde e análise espacial em saúde pública. Professora Adjunta do Centro Acadêmico de Vitória / Universidade Federal de Pernambuco. Docente do Programa de Pós Graduação Stricto Sensu do Departamento de Saúde Coletiva do Instituto Aggeu Magalhães / Fiocruz Pernambuco.

Referências

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Doença pelo Coronavírus Covid-19. Boletim Epidemiológico Especial, [s. l.], n. 75, 2020. (Semana Epidemiológica, 31). Disponível em: https://portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br/wp-content/uploads/2022/01/boletim_epidemiologico_covid_75-final-13ago_15h40.pdf. Acesso em: 30 nov. 2021.

DANIELS, J.P. COVID-19 cases surge in Colombia. Lancet, Londres, v. 396, 10246, 2020. https://doi.org/10.1016/S0140-6736(20)31638-X

DUARTE, B.K. et al., Factors associated with COVID-19 severity among Brazilian pregnant adolescents: a population-based study. Rev. Latino-Am. Enfermagem, Ribeirão Pretov. 30, n. spe, e3655, 2022. https://doi.org/10.1590/1518-8345.6162.3655

ELLINGTON, S. et al. Characteristics of Women of Reproductive Age with Laboratory- ConfirmeSARS-CoV-2 Infection by Pregnancy Status — United States, January 22-June 7, 2020. MMWR Morb. Mortal. Wkly. Rep., Atlanta, v. 69, n. 25, p. 769-775, 2020. https://doi.org/10.15585/mmwr.mm6925a1

ESTRELA, F.M. et al. Gestantes no contexto da pandemia da Covid-19: reflexões e desafios. Physis, Rio de Janeiro, v. 30, n. 2, e300215, 2020. https://doi.org/10.1590/S0103-73312020300215

GALVÃO, J.R. et al. Percursos e obstáculos na Rede de Atenção à Saúde: trajetórias assistenciais de mulheres em região de saúde do Nordeste brasileiro. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 35, n. 12, e00004119, 2019. https://doi.org/10.1590/0102-31100004119

GUIMARÃES, R.M. et al. Tracking excess of maternal deaths associated with COVID-19 in Brazil: a nationwide analysis. BMC Pregnancy Childbirth, Londres, v. 23, n. 1, p. 22, 2023. https://doi.org/10.1186/s12884-022-05338-y

HOHL, A. et al. Daily surveillance of COVID-19 using the prospective space-time scan statistic in the United States. Spat. Spatiotemporal Epidemiol., 34, 100354, 2020. https://doi.org/10.1016/j.sste.2020.100354

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Produto Interno Bruto dos Municípios. Gov.br, [S. l.], 2019. Disponível em: https://ibge.gov.br/estatisticas/economicas/contas-nacionais/9088-produto-interno-brutodos-municipios-html?-&t=o-que-e. Acesso em: 24 set. 2020.

JOAQUIM, R.H.V.T. et al. Maternity in times of the Covid-19 pandemic: what mothers admitted in a reference hospital have to tell us. Interface (Botucatu), Botucatu, v.26, e220381, 2022. https://doi.org/10.1590/interface.210785

KANG, D. et al. Spatial epidemic dynamics of the COVID-19 outbreak in China. Int. J. Infect. Dis., Hamilton, v. 94, p. 96-102, 2020. https://doi.org/10.1016/j.ijid.2020.03.076.

KNIGHT, M. et al. Characteristics and outcomes of pregnant women admitted to hospital with confirmed SARS-CoV-2 infection in UK: national population based cohort study. BMJ, Londres, v. 369, m2107, 2020. https://doi.org/10.1136/bmj.m2107

KULLDORFF, M. A spatial scan statistic. Commun Stat., v. 26, n. 6, p. 1481-1496, 1997. Disponível em: https://www.satscan.org/papers/k-cstm1997.pdf. Acesso em: 9 jan. 2023.

LIANG, H.; ACHARYA, G. Novel corona virus disease (COVID‐19) in pregnancy: What clinical recommendations to follow? Acta Obstet. Gynecol. Scand., Copenhagen, v. 99, n. 4, p. 439-442, 2020. http://dx.doi.org/10.1111/aogs.13836

LIU, H. et al. Why are pregnant women susceptible to COVID-19? An immunological Viewpoint. J. Reprod. Immunol., Amsterdam, v. 139, 103122, 2020. https://doi.org/10.1016/j.jri.2020.103122

MAZA-ARNEDO, F. et al. Maternal mortality linked to COVID-19 in Latin America: Results from a multi-country collaborative database of 447 deaths. Lancet Reg. Health Am., Oxford, v. 12, 100269, 2022. https://doi.org/10.1016/j.lana.2022.100269

MICHELS, B.D.; MARIN, D.F.D.; ISER, B.P.M. Increment of Maternal Mortality Among Admissions for Childbirth in Low-risk Pregnant Women in Brazil: Effect of COVID-19 Pandemic? Rev. Bras. Ginecol. Obstet., São Paulo, v. 44, n. 8, p. 740-745, 2022. https://doi.org/10.1055/s-0042-1751059

MORAIS, M.T. et al. Manifestações associadas à infecção pela COVID-19 em mulheres gestantes: uma revisão narrativa. REAS, São Paulo, v. 15, n. 10, e11235, 2022. https://doi.org/10.25248/reas.e11235.2022

PURANIK, A. et al. Spatiotemporal assessment of infant mortality rate in India. Indian J. Public. Health, Calcutta, v. 62, n. 1, p. 32-38, 2018. https://doi.org/10.4103/ijph.IJPH_356_16

QUININO, L.R.M. et al. Aspectos espacial e temporal e fatores associados à interiorização da Covid-19 em Pernambuco, Brasil. Ciência & Saúde Coletiva, v.24, n.5, p.2171-2182, 2021. https://doi.org/10.1590/1413-81232021266.00642021

RENFREW, M. J. et al. Sustaining quality midwifery care in a pandemic and beyond. Midwifery, Edinburgh, v. 88, 102759, 2020. https://doi.org/10.1016/j.midw.2020.102759

SILVA, R.R. et al. The Interiorization of COVID-19 in the cities of Pernambuco State, Northeast of Brazil. Rev. Bras. Saúde Mater. Infant., Recife, v. 21, Suppl. 1, p. 109-120, 2021. https://doi.org/10.1590/1806-9304202100S100006

SIQUEIRA, T.S. et al. Spatial clusters, social determinants of health and risk of maternal mortality by COVID-19 in Brazil: a national population-based ecological study. Lancet Reg. Health Am., Oxford, v. 3, 100076, 2021. https://doi.org/10.1016/j.lana.2021.100076

SOUZA, C.D.F.; MACHADO, M.F.; CARMO, R.F. Human development, social vulnerability and COVID-19 in Brazil: a study of the social determinants of health. Infect. Dis. Poverty, Londres, v. 9, n. 1, p. 124, 2020. https://doi.org/10.1186/s40249-020-00743-x

TAKEMOTO, M.L.S. et al. The tragedy of COVID-19 in Brazil: 124 maternal deaths and counting. Int. J. Gynaecol. Obstet., Nova York, v. 15, n. 1, p. 154-156, 2020. https://doi.org/10.1002/ijgo.13300

WANG, S.; REN, Z. Spatial variatins and macroeconomic determinants of life expectancy and mortality rate in China: a county-level study based on spatial analysis models. Int. J. Public Health, Basel, v. 64, n. 5, p. 773-783, 2019. https://doi.org/10.1007/s00038-019-01251-y.

YANG, J. et al. Coronavirus disease 2019 pandemic and pregnancy and neonatal outcomes in general population: A living systematic review and meta-analysis (updated Aug 14, 2021). Acta Obstet. Gynecol. Scand., Copenhagen, v. 101, n. 1, p. 7-24, 2022. https://doi.org/10.1111/aogs.14277

Downloads

Publicado

04-07-2024

Como Citar

SÁ, H. W. B. D. S.; VILELA, M. B. R.; SILVA, C. F. A. D.; MIRANDA, G. M. D.; SILVA, A. P. D. S. C.; BONFIM, C. V. D. GESTANTES COM COVID-19 E APLICAÇÃO DA ESTATÍSTICA DE VARREDURA ESPACIAL EM PERNAMBUCO. Hygeia - Revista Brasileira de Geografia Médica e da Saúde, Uberlândia, v. 20, p. e2055, 2024. DOI: 10.14393/Hygeia2070572. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/hygeia/article/view/70572. Acesso em: 24 jul. 2024.

Edição

Seção

Artigos