LEISHMANIOSE VISCERAL NO ESTADO DE SÃO PAULO: APLICAÇÕES CARTOGRÁFICAS E ESTATÍSTICAS

Autores

  • Patricia Sayuri Silvestre Matsumoto FCT/ UNESP
  • Jessica de Lima FCT/ UNESP
  • Baltazar Casagrande

DOI:

https://doi.org/10.14393/Hygeia921673

Palavras-chave:

Leishmaniose Visceral, Mapa, Estado de São Paulo.

Resumo

A leishmaniose visceral é uma doença grave. Representa importante problema de saúde pública, já que está distribuída em 65 países, dentre os quais o Brasil se destaca, pois, além das altas taxas de letalidade, apresenta aumento de casos e expansão para novas áreas. Desde a década de 1990 foram registrados casos autóctones em São Paulo e hoje a doença se manifesta em 100 municípios. Nesse sentido, o objetivo deste trabalho foi representar cartograficamente, através de mapas, os casos de leishmaniose visceral em São Paulo, bem como aplicar a técnica estatística de autocorrelação espacial, para verificar algumas características acerca da doença. Para isso, foi utilizado o software Phil Carto, na elaboração de mapeamento e aplicação de técnicas de estatística espacial. Assim, foi possível inferir que há uma distribuição da leishmaniose principalmente entre a região noroeste e oeste do estado e que há uma tendência da espacialização da doença na região oeste do estado.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

27-12-2013

Como Citar

MATSUMOTO, P. S. S.; LIMA, J. de; CASAGRANDE, B. LEISHMANIOSE VISCERAL NO ESTADO DE SÃO PAULO: APLICAÇÕES CARTOGRÁFICAS E ESTATÍSTICAS. Hygeia - Revista Brasileira de Geografia Médica e da Saúde, [S. l.], v. 9, n. 17, p. 195–203, 2013. DOI: 10.14393/Hygeia921673. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/hygeia/article/view/21673. Acesso em: 5 dez. 2022.

Edição

Seção

Artigos