As narrativas e os arranjos da terminologia racial no período escravista brasileiro: o caso de Antonio Ferreira Cesarino.

Autores

  • Daniela do Carmo Kabengele

Resumo

Este artigo circunscreve as narrativas sobre a trajetória de Antonio Ferreira Cesarino (1808-1892) e o colégio que fundou em meados do século XIX em Campinas-SP. Além de seus feitos dignos de nota, o mais interessante a notar, neste trabalho, é que as narrativas sobre Cesarino não contam que ele era negro. Assim, é importante reconhecer a dimensão simbólica que está por trás das lacunas, posto que, muitas vezes, os elementos necessários ao entendimento de determinados sujeitos e do contexto social em que vivem surgem não apenas da análise do que é dito, mas também daquilo que é silenciado. Na primeira parte, passa-se em revista a trajetória de Cesarino. Na segunda, apresenta-se o colégio que fundou e, em seguida, os fatores que permitiram sua fundação e condução. Na parte conclusiva, a lógica da terminologia racial do período escravista adensa nossas considerações.

       

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2016-01-05

Como Citar

KABENGELE, D. do C. As narrativas e os arranjos da terminologia racial no período escravista brasileiro: o caso de Antonio Ferreira Cesarino. Revista História & Perspectivas, [S. l.], v. 28, n. 53, 2016. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/historiaperspectivas/article/view/32781. Acesso em: 25 maio. 2022.