A CÓLERA EM MAPAS: TEORIAS MÉDICAS, RACIOCÍNIO GEOGRÁFICO E CARTOGRAFIA NO SÉCULO XIX

Autores

DOI:

https://doi.org/10.14393/Hygeia2070642

Palavras-chave:

Cartografia médica, Teorias médicas, Cólera

Resumo

O presente artigo busca, através de uma análise comparativa entre diferentes mapas de surtos de cólera no século XIX, discutir de que formas a cartografia se inseriu no processo do pensamento geográfico relacionado às doenças e suas causas no período proposto. Pretende-se comparar um certo número de mapas escolhidos que demonstram que a cartografia, além de uma forma de destacar áreas nas quais havia um maior ou menor número de casos da doença, participava diretamente da defesa de certa teoria quanto à sua causa, a depender dos elementos escolhidos a serem representados nos mapas. Nesse sentido, em um período no qual as causas da cólera ainda não eram claras para o saber médico, o raciocínio geográfico se associa a este, combinando diferentes características espacializadas aos casos pontuais da doença, na busca de um possível esclarecimento quanto à sua origem. Além disso, a comparação dos mapas nos permite acessar uma compreensão quanto ao papel da produção do mapa ao longo do raciocínio geográfico associado aos surtos e suas particularidades, podendo estes adquirir uma função ilustrativa do processo de pensamento, ou como uma ferramenta ativa de compreensão, de forma a tornar visíveis informações associadas que permitiriam certo esclarecimento acerca da difusão da doença no espaço.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Gabriela Leal Rios, Universidade Federal do Rio de Janeiro

Mestranda no Programa de Pós-Graduação em Geografia da Universidade Federal do Rio de Janeiro. Bacharel em Geografia pela Universidade Federal do Espírito Santo. Se interessa pelas áreas de Geografia Cultural, Geografia Médica, Geografia Histórica e História do Pensamento Geográfico, com ênfase no saber médico associado ao pensamento geográfico, e nas relações entre natureza, paisagem e cultura.

Referências

ACKERKNECHT, Erwin H. Anticontagionism between 1821 and 1867: the Fielding H. Garrison lecture. International journal of epidemiology, v. 38, n. 1, p. 7-21, 2009. https://doi.org/10.1093/ije/dyn254

ACLAND, H. W. Memoir of the Cholera at Oxford, in the Year 1854, with considerations suggested by the epidemic. Londres: John Churchill, 1856. https://doi.org/10.1097/00000441-185610000-00017

BRIGHAM, A. Treatise on epidemic cholera: including an historical account of its origin and progress, to the present period: compiled from the most authentic sources. Hartford: H. and F.J. Huntington, 1832.

BRODY, H., RIP, M. R., VINTEN-JOHANSEN, P., PANETH, N., RACHMAN, S. Map-making and myth-making in Broad Street: the London cholera epidemic, 1854. The Lancet, v. 356, n. 9223, p. 64-68, 2000. https://doi.org/10.1016/S0140-6736(00)02442-9

EDLER, F. C. Medicina no Brasil imperial: clima, parasitas e patologia tropical. Rio de Janeiro: Editora Fiocruz, 2011. https://doi.org/10.7476/9788575413371

JONNÈS, A. M. Rapport au Conseil supérieur de santé sur le choléra-morbus pestilentiel. Paris: Imprimerie de Cosson, 1831.

KOCH, T. Cartographies of disease: maps, mapping, and medicine. Redlands: Esri Press, 2005a.

KOCH, T. Mapping the miasma: air, health, and place in early medical mapping. Cartographic Perspectives, n. 52, p. 4-27, 2005b. https://doi.org/10.14714/CP52.376

KOCH, T. The map as intent: variations on the theme of John Snow. Cartographica: The International Journal for Geographic Information and Geovisualization, v. 39, n. 4, p. 1-14, 2004. https://doi.org/10.3138/B123-8124-4390-5792

MCLEOD, K. S. Our sense of Snow: the myth of John Snow in medical geography. Social science & medicine, v. 50, n. 7-8, p. 923-935, 2000. https://doi.org/10.1016/S0277-9536(99)00345-7

PETRELLA, M. Cartografia e storia del colera: gli itinerari epidemici nella produzione scientifica del primo Ottocento. Storicamente, v. 15, 2020. https://doi.org/10.12977/stor800

SANTOS, L. A. C. Um século de cólera: itinerário do medo. Physis: Revista de Saúde Coletiva, v. 4, p. 79-110, 1994. https://doi.org/10.1590/S0103-73311994000100005

SHAPTER, T. The History of the Cholera in Exeter in 1832. Londres: John Churchill, 1849. https://doi.org/10.1097/00000441-185038000-00021

SNOW, J. On the Mode of Communication of Cholera, 2nd ed. Londres: John Churchill, 1854.

WOODWORTH, J. M. The Cholera Epidemic of 1873 in the United States. Washington: Government Printing Office, 1875.

Downloads

Publicado

21-05-2024

Como Citar

RIOS, G. L. A CÓLERA EM MAPAS: TEORIAS MÉDICAS, RACIOCÍNIO GEOGRÁFICO E CARTOGRAFIA NO SÉCULO XIX. Hygeia - Revista Brasileira de Geografia Médica e da Saúde, Uberlândia, v. 20, p. e2046, 2024. DOI: 10.14393/Hygeia2070642. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/hygeia/article/view/70642. Acesso em: 18 jul. 2024.

Edição

Seção

Artigos