Sobre um escravo que sabia ler e o princípio de um suposta insurreição em Campos dos Goytacazes (1871-1877)

Autores

  • Carlos Eugênio Soares de Lemos Universidade Federal Fluminense (Polo de Campos dos Goytacazes) http://orcid.org/0000-0002-7603-2979
  • Rafaela Machado Ribeiro Universidade Federal do Espírito Santo (UFES) Arquivo Público Municipal Waldir de Carvalho (Campos dos Goytacazes)

DOI:

https://doi.org/10.14393/HeP-v31n59p98-113

Palavras-chave:

Crise do escravismo, Insurreição, Discursos

Resumo

No dia 09 de maio de 1877, acusado de ser o cabeça de uma provável insurreição que aconteceria no engenho do Queimado, o escravo Manoel "Çacramento" justificou a sua ação com a escusa de que lera no jornal que "os braços erão livres e, como taes, devião ganhar jornal". Portanto, ele e os seus companheiros de cativeiro se apropriaram desse enunciado e o transformaram num argumento de autoridade em defesa do seu direito à liberdade. Partindo de uma abordagem historiográfica que concebe o escravo como sujeito reflexivo, baseando-se em diferentes fontes históricas, este artigo tem por objetivo analisar de que modo a inscrição desses escravos em outras posições discursivas, que não as de submissão à lógica da classe senhorial, levou-os a se rebelarem contra os sentidos dominantes nos discursos da boa sociedade de Campos dos Goytacazes, na província do Rio de Janeiro, no período de crise do escravismo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Carlos Eugênio Soares de Lemos, Universidade Federal Fluminense (Polo de Campos dos Goytacazes)

Prof. Dr. do Departamento de Ciências Sociais da PUCG/UFF. Atua nas áreas de História Regional e Análise do Discurso.

Graduação em História (Centro Universitário Fluminense -UNIFLU), Especialização em História do Brasil (Universidade Federal Fluminense - UFF), Especialização em Psicanálise, cultura e subjetividade (Faculdade de Medicina de Campos - FMC), Mestrado em Comunicação e Cultura(ECO/UFRJ), Doutorado em Ciências Humanas - Sociologia (IFCS/UFRJ).

Professor da Pós-Graduação Lato Sensu em Literatura, Memória Cultural e Sociedade, do Instituto Federal Fluminense (IFF)

Rafaela Machado Ribeiro, Universidade Federal do Espírito Santo (UFES) Arquivo Público Municipal Waldir de Carvalho (Campos dos Goytacazes)

Doutoranda em História Política e Social (Universidade Federal do Espírito Santo), Mestre em Sociologia Política (Universidade Estadual do Norte Fluminense), Graduada em História (Centro Universitário Fluminense - UNIFLU).

Pesquisadora do Arquivo Público Municipal Waldir de Carvalho.

Downloads

Publicado

2019-06-24

Como Citar

SOARES DE LEMOS, C. E.; RIBEIRO, R. M. Sobre um escravo que sabia ler e o princípio de um suposta insurreição em Campos dos Goytacazes (1871-1877). Revista História & Perspectivas, [S. l.], v. 31, n. 59, p. 98–113, 2019. DOI: 10.14393/HeP-v31n59p98-113. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/historiaperspectivas/article/view/42233. Acesso em: 12 ago. 2022.

Edição

Seção

Dossiê: Documentos e abordagens