Laços de violência em vínculos classistas: trabalhadores rurais na porção Oeste do Paraná na segunda metade do século XX

Autores

  • Carlos Meneses de Sousa Santos História/UFU
  • Sheille Soares de Freitas Universidade Estadual do Oeste do Paraná

Resumo

Este texto chama a atenção para o modo como determinadas relações de poder, estabelecidas por trabalhadores rurais, podem extrapolar definições fragmentárias, indicadas a partir de noções como "mundo do trabalho" e "cotidiano de trabalhadores". Discutimos no artigo como tais sentidos e usos conceituais acabam, muitas vezes, por cristalizar certas condutas desses sujeitos, de forma a cindir suas experiências sociais, destacando dimensões compartimentadas para o que se evidencia (de fato) como relações fortemente imbricadas. Essa reflexão emerge a partir da evidenciação de circunstâncias de violência, vividas por trabalhadores rurais na porção Oeste do Paraná. Algo depreendido de um universo de identificações, divisões e conflitos, comum à dinâmica de relações, estabelecida por esses trabalhadores na segunda metade do século XX. Esses aspectos foram narrados e tratados em programas de rádio. Ao utilizar esses materiais radiofônicos como fontes, evidenciamos interesses, valores e ambiguidades, compondo o modo como viver no campo traduzia enfrentamentos classistas ordinários, os quais (não raros) com tomadas de posição marcadas por atos violentos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Carlos Meneses de Sousa Santos, História/UFU

Doutorando PPGHIS/UFU. Bolsista pela Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior

Sheille Soares de Freitas, Universidade Estadual do Oeste do Paraná

Doutora em História PPGHIS/UFU. Docente do Colegiado de História da Universidade Estadual do Oeste do Paraná

Downloads

Publicado

2015-02-04

Como Citar

SANTOS, C. M. de S.; FREITAS, S. S. de. Laços de violência em vínculos classistas: trabalhadores rurais na porção Oeste do Paraná na segunda metade do século XX. Revista História & Perspectivas, [S. l.], v. 27, n. 51, 2015. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/historiaperspectivas/article/view/28893. Acesso em: 2 dez. 2022.