Significados da globalização: percursos e percalços de trabalhadores da Krupp no Brasil

Autores

  • Antônio de Pádua Bosi

Resumo

Este artigo discute como os processos de reorganização do trabalho ocorridos nas indústrias Krupp no Brasil, desde a década de 1950, exigiram a elaboração de novos tipos de trabalhadores afetos às novas funções e "gestões" produtivas (ou regimes fabris), gestões estas que oscilaram entre a coerção e a persuasão. Desse modo, também coube aqui pensar que as identidades entradas na experiência do trabalho constituídas pelos trabalhadores empregados na Krupp relativamente a esses processos podem se tornar inconvenientes a esta multinacional, como de fato se tornaram em dois momentos cruciais que tentaremos investigar: durante a Segunda Guerra Mundial no contexto europeu e a partir de meados da década de 1980 no contexto brasileiro.

PALAVRAS-CHAVE: Globalização. Trabalho. ThyssenKrupp. Krupp.

ABSTRACT: This article discusses how the reform on work process realized in the Krupp industries in Brazil during 1950's imposed the making of new kind of worker adapted to new tasks and regimes factory both founded in persuasion and coercion. Thus, I tryed to think how identities of Krupp's workers has been connected with these processes, how this became to improper to Krupp. I tryed to show it in two history moments: the World War Second and in Brazil during 1980's.

KEYWORDS: Globalization. Work. ThyssenKrupp. Krupp.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2012-07-21

Como Citar

DE PÁDUA BOSI, A. Significados da globalização: percursos e percalços de trabalhadores da Krupp no Brasil. Revista História & Perspectivas, [S. l.], v. 25, n. 46, 2012. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/historiaperspectivas/article/view/19451. Acesso em: 29 maio. 2022.

Edição

Seção

Dossiê Memória e Globalização