Um diálogo (im)possível: Stendhal e o dr. Eduardo Augusto Montandon. Memória e micro-história em Araxá, MG

Autores

  • Rosa Maria Spinoso de Montandon

Resumo

Embasado teoricamente nas reflexões de Halbwachs sobre a memória infantil, o artigo propõe um exercício de leitura e interpretação do fragmento de um diário anônimo de finais do século XIX e princípios do XX. O objetivo é mostrar aos estudantes de história o potencial temático que se pode desprender de um documento aparentemente sem relevância, e os recursos metodológicos necessários para sua análise. PALAVRAS-CHAVE: memória, micro-história, história de Araxá. ABSTRACT Based on Halbwachs's ideas about childhood memories, this article proposes a reading and interpretation of an anonymous diary's fragment written in the last decades of 19th Century and the beginning of 20th Century. The aim is to show young history students both how fruitful can be a document with no apparent relevance and some methodological procedures to approach it. KEYWORDS: memory, microhistory, Araxá's history.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2009-01-30

Como Citar

MARIA SPINOSO DE MONTANDON, R. Um diálogo (im)possível: Stendhal e o dr. Eduardo Augusto Montandon. Memória e micro-história em Araxá, MG. Revista História & Perspectivas, [S. l.], v. 1, n. 31, 2009. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/historiaperspectivas/article/view/19135. Acesso em: 17 maio. 2022.

Edição

Seção

Dossiê Memória: abordagens, escritura