Dossiê: Diálogos sobre Alfabetização: das políticas públicas ao cotidiano escolar

2021-03-10

Dossiê: Diálogos sobre Alfabetização: das políticas públicas ao cotidiano escolar
Publicação: v.10, nº. 2 (2021)
Recebimento dos textos: até 30 de abril de 2021

Organizadoras: Profa. Dra. Fernanda Duarte Araújo Silva   e  Profa. Dra. Glaucia Signorelli

As políticas públicas de alfabetização no Brasil têm sofrido avanços e retrocessos e isso é resultado da descontinuidade que geralmente ocorre na alternância de poder, incidindo em fragmentação e/ou rupturas de ações públicas, fato que reverbera diretamente na formação e na prática dos/as professores/as. Recentemente, no governo de Jair Messias Bolsonaro, foi publicado o Decreto n. 9.765 (2019) que institui a Política Nacional de Alfabetização (2019) e, junto a ela, programas de formação docente (Pibid, Residência Pedagógica) foram modificados para atender a concepção de alfabetização que orienta a PNA, outros extintos como o Programa Nacional de Alfabetização na Idade Certa (PNAIC), sem consulta às bases, desconsiderando os resultados obtidos nestes programas. O campo da alfabetização está frágil e tem sido um dos desafios enfrentados no Brasil. Nesse sentido, a proposta desse Dossiê é contribuir com a discussão sobre as políticas que envolvem a área da alfabetização e além disso, abordar questões sobre a formação dos/as professores/as alfabetizadores/as, os diversos entraves e lutas, bem como as possibilidades de superar as contradições existentes, promovendo um diálogo profícuo desde as políticas públicas ao cotidiano escolar; temas ligados as políticas curriculares e de avaliação também fazem parte da proposta.  Consideramos que esse Dossiê apresenta-se como um espaço de reflexão e divulgação de estudos e pesquisas que versem sobre as diversas críticas já manifestadas em outros espaços e entidades acadêmicas, por professores/as e pesquisadores/as, especialmente aos que atuam com a formação docente e a alfabetização. Esperamos contribuir com o debate, mas, também, ampliar o horizonte de perspectivas daqueles/as que são os mais afetados pelas incoerências que envolvem o campo de alfabetização: os/as professores/as alfabetizadores/as e seus alunos e alunas.