Caderno Espaço Feminino https://seer.ufu.br/index.php/neguem <p><strong>CADERNO ESPAÇO FEMININO</strong> é uma publicação do Núcleo de Estudos de Gênero, do Instituto de História (INHIS) da Universidade Federal de Uberlândia.</p> pt-BR dulcinabb@uol.com.br (Dulcina Tereza Bonati Borges) dulcinabb@uol.com.br (Dulcina Tereza Bonati Borges) Wed, 16 Mar 2022 00:00:00 -0300 OJS 3.3.0.10 http://blogs.law.harvard.edu/tech/rss 60 Minas Gerais no contexto contemporâneo do feminismo brasileiro https://seer.ufu.br/index.php/neguem/article/view/58736 <p>Este artigo discute os movimentos feministas atuantes em Minas Gerais na contemporaneidade à luz de interpretações sobre o momento atual do feminismo no Brasil. Conduz-se revisão teórica e entrevistas com representantes de movimentos e da burocracia pública.<br /><strong>PALAVRAS-CHAVE:</strong> Feminismo Contemporâneo. Movimentos Sociais. Interação Estado-Sociedade. Repertórios de Ação Coletiva.</p> Letícia Amédée Péret de Resende, Letícia Godinho de Souza, Flávia de Paula Duque Brasil Copyright (c) 2022 Caderno Espaço Feminino https://seer.ufu.br/index.php/neguem/article/view/58736 Wed, 16 Mar 2022 00:00:00 -0300 A mulher e o sistema capitalista https://seer.ufu.br/index.php/neguem/article/view/65098 <p>O presente artigo faz um diálogo entre duas obras, uma teórica, de Silvia Federici (2017), e outra literária, de Margaret Atwood (2017), mostrando os caminhos que o capitalismo define para a mulher, entre o extermínio e o controle de corpos. Para esse comparativo, há um breve histórico do capitalismo e sua problematização em relação a gênero.<br><strong>PALAVRAS-CHAVE:</strong> Capitalismo. Mulheres. Igreja. Estado. Violências.</p> Ana Paula Ferreira, Fernanda Mendes Resende, Maria Cláudia da C. F. S. D’A. de Andrades Copyright (c) 2022 https://seer.ufu.br/index.php/neguem/article/view/65098 Wed, 16 Mar 2022 00:00:00 -0300 Helena de Aragão e a culinária portuguesa entre as duas Guerras Mundiais https://seer.ufu.br/index.php/neguem/article/view/65100 <p>Helena de Aragão (1880-1961) foi escritora, tradutora, jornalista e diretora de diversas revistas femininas, publicadas em Portugal durante a primeira metade do século XX, designadamente Modas &amp; Bordados, Eva e Fémina. Foi ainda responsável pela publicação de um livro e de uma brochura sobre culinária. Neste texto procura percecionar-se a relação entre colunas de culinária em revistas femininas e publicação de livros de receitas.<br><strong>PALAVRAS-CHAVE:</strong> Helena de Aragão. Livros de Receitas. Revistas Femininas. Portugal. Século XX.</p> Isabel Drumond Braga Copyright (c) 2022 https://seer.ufu.br/index.php/neguem/article/view/65100 Wed, 16 Mar 2022 00:00:00 -0300 “Sou metade Maria, metade José” https://seer.ufu.br/index.php/neguem/article/view/48788 <p>Este estudo é fruto de reflexões empreendidas em espaços discursivos de pós-graduação em Administração em torno das perspectivas de gênero no campo social e organizacional. Vislumbrando avançar em tais reflexões, realizamos a presente pesquisa, que objetivou (re)contar a história de vida de Maria José (mulher, branca, lésbica, espírita e trabalhadora) à luz das discussões das desigualdades de gênero. Para viabilizar essa construção, buscamos especificamente: (i) conhecer a trajetória de vida familiar, social e profissional de Maria José; e (ii) investigar como ela vivenciou a passagem de uma sociedade patriarcal para o contexto contemporâneo e as experiências decorrentes. Procuramos empreender um diálogo analítico acerca das questões de gênero e suas implicações, sustentando a premissa de que esse debate está instituído em um contexto sócio-histórico que demarca a opressão, a subordinação e a inferiorização da mulher, bem como sua marginalização em relação ao homem. Em termos procedimentais, realizamos uma pesquisa qualitativa-biográfica, adotando o método de história de vida, viabilizada pela realização de entrevista em profundidade e construção de narrativas memoriais. Os resultados revelam que Maria José enfrentou crises de identidade de gênero nas relações entre o masculino e o feminino e vivenciou repressões e preconceitos nos vários núcleos - na família, na vida social e no trabalho, entretanto, neste último menos expressivamente se comparado aos primeiros.<br /><strong>PALAVRAS-CHAVE:</strong> Gênero. Mulher. Homossexualidade. História de Vida</p> Késia Aparecida Teixeira Silva, Isabel Cristina da Silva Arantes, Rafaella Cristina Campos Copyright (c) 2022 Caderno Espaço Feminino https://seer.ufu.br/index.php/neguem/article/view/48788 Wed, 16 Mar 2022 00:00:00 -0300 Cartografias dos processos de subjetivação das mulheres nos jogos de raciocínio https://seer.ufu.br/index.php/neguem/article/view/58539 <p>Esta pesquisa pretende destacar as linhas de subjetivação que perpassam a mulher, nos jogos de raciocínio, utilizando a Filosofia da Diferença e a Esquizoanálise. O método escolhido foi o cartográfico, empregando-se o diário de bordo para registro. Por fim, concluiu-se que diversas são as vivências que transformam a mulher nos jogos, experienciando o assédio e a violência proveniente do público masculino.<br /><strong>PALAVRAS-CHAVE:</strong> Jogos de Raciocínio. Gênero. Filosofia da diferença. Games. Poker.</p> Fernando Luiz Zanetti, Mariana Ferrér Benito Pereira Copyright (c) 2022 Caderno Espaço Feminino https://seer.ufu.br/index.php/neguem/article/view/58539 Wed, 16 Mar 2022 00:00:00 -0300 As mulheres como tema de pesquisa na Administração https://seer.ufu.br/index.php/neguem/article/view/65101 <p>Os estudos sobre as mulheres e os seus avanços na sociedade foram ampliados desde o início do século XXI. Levando em conta esse avanço da produção acadêmica que considera as mulheres como tema principal, a presente investigação buscou desenvolver um estudo bibliométrico e sociométrico utilizando como base os artigos científicos disponibilizados na plataforma eletrônica SPELL como forma de identificar quais os “olhares” que estão sendo direcionados para as mulheres como tema de pesquisa. Os resultados revelam, de modo geral, que a produção científica nacional sobre o tema “mulher/es” é realizada principalmente por mulheres (68,5%); redigida em português (93,2%) e poucos são os artigos científicos publicados (9%) na plataforma eletrônica que abordam temas referentes à problemática do trabalho feminino, revelando a carência de estudos acadêmicos na área de conhecimento da Administração.<br><strong>PALAVRAS-CHAVE:</strong> Pesquisa Acadêmica sobre Mulheres. Trabalho Feminino. Publicações.</p> Marcos Vinicius Dalagostini Bidarte, Carolina Freddo Fleck, Claudia Maria Dias Guerra Disconzi Copyright (c) 2022 https://seer.ufu.br/index.php/neguem/article/view/65101 Wed, 16 Mar 2022 00:00:00 -0300 Mulheres, aparência corporal e saúde https://seer.ufu.br/index.php/neguem/article/view/54841 <p>O objetivo do estudo foi compreender as formas de produção de corpos de mulheres praticantes de atividades físicas de uma Vila Olímpica da Baixada Fluminense. Por meio de entrevistas e observação, resultados apontam para relações entre as inserções sociais e atividade física, revelando nuances para se alcançar dada forma corporal por este grupo específico.<br /><strong>PALAVRAS-CHAVE:</strong> Corpo. Mulher. Pesquisa Qualitativa</p> Francisco Lamassa Junior, Alan Camargo Silva, Sílvia Maria Agatti Lüdorf Copyright (c) 2022 Caderno Espaço Feminino https://seer.ufu.br/index.php/neguem/article/view/54841 Wed, 16 Mar 2022 00:00:00 -0300 Ser mulher https://seer.ufu.br/index.php/neguem/article/view/45139 <p>Este texto parte de uma perspectiva da Psicologia Social e da Saúde para discutir uma experiência de planejamento e desenvolvimento de oficinas voltadas às mulheres no âmbito do serviço de Proteção e Atendimento Integral à Família na proteção socioassistencial básica, em Campo Grande\MS. As oficinas tiveram por objetivo funcionar como espaço coletivo de produção de pensamentos, relações e afetações diversas entre mulheres.<br /><strong>PALAVRAS-CHAVE</strong>: Mulher. Psicologia. Gênero. Oficia.</p> Júlia Arruda da Fonseca Palmiere, Camilla Fernandes Marques Copyright (c) 2022 Caderno Espaço Feminino https://seer.ufu.br/index.php/neguem/article/view/45139 Wed, 16 Mar 2022 00:00:00 -0300 Editorial https://seer.ufu.br/index.php/neguem/article/view/65086 <p>Em tempos de pandemia e de tantas lutas políticas em diferentes esferas da educação, saúde, trabalho, meio-ambiente e dos direitos humanos, vivemos também enfrentamentos para a adaptação em relação às práticas acadêmicas cotidianas nos termos do que se convencionou chamar de “via remota”. Desde aulas, conferências, palestras, grupos de estudos, entre outras muitas atividades que antes forjavam espaços de encontros, debates, do exercício e da fertilização do pensamento, hoje pesquisamos, discutimos, e vivemos isoladamente ligadas às máquinas e em frente às telas. Telas e teclados tornaram-se os meios únicos e privilegiados de nossa comunicação, de nossos encontros, do contato acadêmico, tão necessário para trocas, para a materialização de nossas pesquisas e o enriquecimento de nossas reflexões.</p> Maria Elizabeth Ribeiro Carneiro Copyright (c) 2022 https://seer.ufu.br/index.php/neguem/article/view/65086 Wed, 16 Mar 2022 00:00:00 -0300 Apresentação https://seer.ufu.br/index.php/neguem/article/view/65088 <p>Em um contexto de crise e de acirramento das desigualdades, presencia-se, no seio das reflexões e da militância feminista, um novo interesse por perspectivas marxistas e materialistas. Os feminismos materialistas foram uma dessas perspectivas para as quais diversos trabalhos atuais se voltaram em busca de novas perspectivas teóricas e políticas e de um referencial que permitisse pensar os aspectos materiais da dominação. Este dossiê visa a reunir estudos teóricos e empíricos produzidos na América Latina que mobilizam, dialogam ou adotam conceitos e problemáticas oriundas dessas reflexões. O objetivo é pensar também como se configuraram as múltiplas recepções dessas teorias originalmente formuladas num contexto histórico, político e teórico distinto da realidade latino-americana.</p> Maira Abreu, Rafaela Cyrino Peralva Dias, Patrícia Vieira Trópia Copyright (c) 2022 https://seer.ufu.br/index.php/neguem/article/view/65088 Wed, 16 Mar 2022 00:00:00 -0300 Escolher as armas https://seer.ufu.br/index.php/neguem/article/view/65089 <p>A questão da tradução dos conceitos não é nova para as epistemologias feministas. Reconhecendo a importância das formulações do feminismo materialista francófono, originário do Norte global, este artigo problematiza como elas podem ser utilizadas de maneira combinada com reflexões elaboradas desde o Sul global para contribuir para novas proposições emancipatórias.<br><strong>PALAVRAS-CHAVE:</strong> Feminismo. Gênero. Decolonial</p> Maíra Kubík Mano Copyright (c) 2022 https://seer.ufu.br/index.php/neguem/article/view/65089 Wed, 16 Mar 2022 00:00:00 -0300 El feminismo materialista https://seer.ufu.br/index.php/neguem/article/view/65090 <p>Este trabalho desenvolve uma análise preliminar das recepções do feminismo materialista na Argentina na década de 1980. Durante os anos da ditadura, Alicia Lombardi e Silvia García leram, traduziram e retrabalharam clandestinamente a perspectiva feminista materialista vinda da França através das revistas Questions Féministes e, posteriormente, Nouvelles Questions Féministes. No período de transição democrática, essas recepções foram coletivizadas dentro do grupo ATEM (Associação de Trabalho e Estudos sobre Mulheres) "25 de novembro", um dos grupos feministas com maior projeção naqueles anos. A partir da análise de alguns escritos publicados na revista Brujas e, sobretudo, da obra de Alicia Lombardi, mostramos que essa recepção inicial, entre La Plata e Buenos Aires, recupera categorias centrais (opressão, classe social do sexo, trabalho doméstico, maternidade social) e enseja uma reformulação que enfatiza os aspectos psicossociais da opressão sexista.<br><strong>PALAVRAS-CHAVES:</strong> Feminismo Materialista Francés. Feminismo Argentino. ATEM 25 de Novembro. Recepções.</p> <p>Este trabajo realiza un primer análisis de las recepciones del feminismo materialista en la Argentina de la década de 1980. Durante los años de la dictadura, Alicia Lombardi y Silvia García leen, traducen y reelaboran clandestinamente la perspectiva feminista materialista que llega desde Francia a través de las revistas Questions Féministes y, posteriormente, Nouvelles Questions Féministes. En el período de transición democrática, esas recepciones se colectivizan en el seno del grupo ATEM (Asociación de Trabajo y Estudios sobre la Mujer) “25 de noviembre”, una de las agrupaciones feministas con mayor proyección en aquellos años. A partir del análisis de algunos escritos publicados en la revista Brujas y, sobre todo, de la obra escrita por Alicia Lombardi, mostramos que esta recepción temprana, entre La Plata y Buenos Aires, recupera categorías centrales (opresión, clase social de sexo, trabajo doméstico, maternidad social) y da pie a una reformulación que enfatiza los aspectos psico-sociales de la opresión sexista.<br><strong>PALABRAS CLAVE:</strong> Feminismo Materialista Francés. Feminismo Argentino. ATEM 25 de Noviembre. Recepciones.</p> Luisina Bolla Copyright (c) 2022 https://seer.ufu.br/index.php/neguem/article/view/65090 Wed, 16 Mar 2022 00:00:00 -0300 Psicanálise e perspectivas feministas materialistas https://seer.ufu.br/index.php/neguem/article/view/65091 <p>Perspectivas feministas materialistas possibilitam situar a categoria “mu-lheres” na dinâmica de relações sociais múltiplas e imbricadas. Na contra-posição à sua definição como essência identitária, mobilizam interrogações à psicanálise a partir de articulações entre materialidade e discurso.<br><strong>PALAVRAS-CHAVE</strong>: Perspectivas Feministas Materialistas. Psicanálise. Mulheres. Identidade. Relações Sociais de Sexo.</p> Augusta Zana Copyright (c) 2022 https://seer.ufu.br/index.php/neguem/article/view/65091 Wed, 16 Mar 2022 00:00:00 -0300 Os feminismos diante da ofensiva neoliberal e neoconservadora no Brasil https://seer.ufu.br/index.php/neguem/article/view/65092 <p>Este artigo objetiva debater a pertinência de uma interpretação feminista materialista sobre a atual conjuntura política brasileira. A pesquisa realizada foi de natureza qualitativa, do tipo bibliográfica e exploratória, pautada no método de análise materialista histórico-dialético.<br><strong>PALAVRAS-CHAVE:</strong> Feminismo Materialista. Ação Coletiva. Neoliberalismo.</p> <p><strong>RÉSUMÉ</strong><br>Cet article vise à discuter de la pertinence d'une interprétation féministe matérialiste de la situation politique brésilienne actuelle. La recherche effectuée était qualitative, bibliographique et exploratoire, basée sur la méthode d'analyse matérialiste historico-dialectique. <br><strong>MOTS-CLÉS:</strong> Féminisme Matérialiste. Action Collective. Néolibéralisme.</p> Maria Brendler Nosvitz, Larissa Ramalho Pereira Copyright (c) 2022 https://seer.ufu.br/index.php/neguem/article/view/65092 Wed, 16 Mar 2022 00:00:00 -0300 Tradução https://seer.ufu.br/index.php/neguem/article/view/65093 <p>Este artigo, que tem o feminismo materialista como ponto de referência, propõe uma releitura sociológica das noções de categoria e de relação social. Esse esforço de definição é um lembrete preliminar, a fim de entrar no debate que coloca em perspectiva dois horizontes teóricos: a interseccionalidade – e devemos acrescentar “à francesa” – e a consubstancialidade.</p> Danièle Kergoat (Autora); Angelo Soares (Tradutor), Lettícia Leite (Revisora) Copyright (c) 2022 https://seer.ufu.br/index.php/neguem/article/view/65093 Wed, 16 Mar 2022 00:00:00 -0300 Entrevista https://seer.ufu.br/index.php/neguem/article/view/65094 <p>Nascida na França, Jules Falquet é professora, pesquisadora e ativamente comprometida com as lutas antirracista, anticolonialista e anti-heterossexista. Ao longo de sua trajetória construiu especial vínculo com os movimentos sociais de Abya Yala e do Caribe, o que resultou em contribuições teóricas importantes para o Sul Global. É autora de diversos livros, a exemplo de Breve reseña de algunas teorías lésbicas (2004), De la cama a la calle: perspectivas teóricas lésbico-feministas (2006), De gré ou de force. Les femmes dans la mondialisation. (2008), Pax Neoliberalia. Perspectives féministes sur (la réorganisation de) la violence (2016) e Imbrication. Femmes, race et classe dans les mouvements sociaux (2020), além do romance Izta, el cruce de los caminos (2002). Falquet é também uma importante pensadora lésbica e reúne uma obra que, ao analisar a heterossexualidade enquanto um sistema político, nos permite avançar para uma proposta teórico-política que alcança a raiz das relações sociais estruturais. A entrevista foi realizada em 19 de agosto de 2021, em reunião online entre Paris, na França, Salvador-BA e João Pessoa-PB, no Brasil.</p> Crislane Palma da Silva Rosa, Luana Farias de Oliveira Copyright (c) 2022 https://seer.ufu.br/index.php/neguem/article/view/65094 Wed, 16 Mar 2022 00:00:00 -0300 Resenha https://seer.ufu.br/index.php/neguem/article/view/65095 <p>HIRATA, Helena. Le care, théories et pratiques. La Dispute: Condé-en-Normandie, 2021.</p> Regina Stela Corrêa Vieira Copyright (c) 2022 https://seer.ufu.br/index.php/neguem/article/view/65095 Wed, 16 Mar 2022 00:00:00 -0300